segunda-feira, 12 de março de 2012

A VIDA NA ALDEIA


















A vida na aldeia é serena e bela,
Respira-s'ar puro nas matas verdejantes,
Sinfonias e cores sentem-s'à janela,
Pássaros e flores deixam-nos 'xtasiantes.

Águas puras, cristalinas a fluir
Das fontes, dos córregos, até dos ribeiros
Matam a sede... ao banho apetece ir,
Ou então, namora-se com as lavadeiras.

Sob um brilhante sol, caleja-se a mão,
Guarda-se o gado... há muito a consertar.
À noite, os vizinhos vão fazer serão!

Luta-se e labuta-se a tod'a hora,
Mas a vida é bela, vive-s'a cantar.
Já lá vivi, quero voltar: Vamos embora?!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

INCÊNDIO VELOZ

Corre mais que um atleta, mais depressa E corre tão depressa como o vento... Atrás de si, fica a treva espessa: O ten...