Follow by Email

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

QUATRO E MEIA DA MANHÃ

Acordo...
Olho para fora,
As estrelas falam comigo...
Visto o casaco e vou sonhar...
Sinto o vento frio na cara,
Sinto a vida na pele,
A magia do vento,
O sussurrar da porta...
Vens descalça... sentes o chão?
Sente comigo que estamos vivos!...
O luar conta-nos estórias...
Deixamo-nos levar pela nostalgia,
Quando a hora já vai tardia...
E o sonho?
Para esse é demasiado cedo
Para desistir:
De ser...
De chorar...
De rir...
De amar...
De sonhar
Acordados ou a dormir...
Mas a viver!

Modesto

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A COR DAS ROSAS





















Rosa vermelha é o amor,
Que precioso calor!
Inunda-nos a paixão
De romantismo e candor,
Com suspiros no coração!

A rosa banca é a inocência,
A bela cor da pureza!
É a minha preferida,
Adorável beleza...
Que no mundo anda perdida!

Rosa amarela representa a amizade,
Tem um brilho especial
Pela sua sensibilidade,
Ela é sempre essencial
Prá vida em sociedade.

A rosa cor de rosa
Significa a harmonia.
É frágil como o cristal
E de suave alegria
Mas... com pouco fica mal!

Delas só quero ser a alma,
Ser crepúsculo, ser aurora, ser flor.
Posso ser bom, ser criança,
Ser amanhã, ser mel, ser amor...
Podia ser esperança!...

Modesto

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

VIDA PERFEITA
















Não é crescendo à toa
Qu'alguém se aperfeiçoa.
Árvore de trezentos anos
Teve que guiar seus ramos.

Este lírio d'um dia,                                                    
Em Maio tem mais valia:
S'à noite já não tem cor,
Foi a luz, o sol da flor!

E em justas proporções,
A beleza se ajeita
Ao ritmo dos corações
É qu'a vida é perfeita!

Modesto



terça-feira, 28 de agosto de 2012

PERCEBER A VIDA?

















Eu não sei na verdade quem sou,
Já tentei calcular meu valor!
É um paraíso onde estou,
Mas há outros conceitos com rumor...

Meninas são as bruxas e as fadas,
Céu azul tem por telhado mund'inteiro,
Palhaço, um pintado de piadas,
Sonho, fica dentro do travesseiro...

Perguntar de onde veio a vida,
Tudo fica sustentado pela fé.
Mas... se entrei deve haver saída!...
Na verdade, ninguém sabe quem é!

Jovens são crianças com muito tempo,
Na escola aprendem palavrão...
Colou sua foto no documento...
E sai da escola como sabichão!

Percebi a vida a cada minuto:
Há loucos que fazem sua doença.
Chorando d'alegria - nisso eu luto! -
Mas há gente com sentido de ausência!...

Modesto

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

MISTURA DO AMANHECER





















Fogem as nuvens do céu estrelado,
Invade-me a vontade de gritar!
O sol ainda 'stá longe... calado,
A admirar o seu lindo luar!

A fada desperta do sono encantado,
Com a harpa de sonho a tocar.
O sol, dormindo, sonha deleitado,
Sentindo, ao longe, um novo acordar.

Surge um novo céu a despertar.
Foi-se a noite fica a madrugada,
O sol 'inda continua a sonhar
Com estrelas e a lua, sua amada!

Ouve-se ao longe um galo cantar,
Anuncia o nascer do novo dia.
A lua vai-se embora a chorar...
Mas desperta o sol com alegria.

A lua adormece, por fim,
Mas o sol nada leva a mal.
Pois ama a lua tanto assim
Qu'a encontra em sonhas de Natal!

Modesto

sábado, 25 de agosto de 2012

CONSAGRO O MEU DIA A DEUS























Senhor, Meu Amigo, Meu Pai, Meu Irmão,
Por mais esta jornada, a minha gratidão.
É mais um novo dia que ao meu encontro vem,
Protege aqueles que amo e aos que quero bem.
Que eu saiba acolher, a sorrir e com paciência
Aqueles que puseres sob a minha influência.
Senhor, ofereço-Te, no Altar de cada dia,
Trabalhos, canseiras, revezes e alegria,
Se a vida for Calvário ou for Tabor.
Senhor,
Fica a meu lado, com o Teu Eterno Amor!
Servir os irmãos, eu tracei como ideal.
Quero prosseguir na ajuda fraternal:
Abençoa-me e dá-me a Tua alegria,
Pois é Teu mais este dia!
Depois... Irei pela Natureza,
Apreciar a sua Beleza:
Encontrarei nas florestas
Mais coisas que os livros me darão:
As árvores, as pedras, a giesta...
Me ensinarão
Mais que os Mestres poderão!

Modesto

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

NÃO OUÇO O GALO CANTAR
















Amanheceu! Não ouço o galo cantar!
E esse canto traz-me tantas saudades!
Quem vive por aqui, só ouve falar
No cócóricó d'um canto de verdade!

Aqui, só agitação indiferente,
Cada um trata da sua vida e mal!
A confusão do querer de muita gente:
Um viver frio, insensívl, irreal!

Que saudades tenho do meu amanhecer,
De sentir o orvalho na relva molhada,
Do belo pôr-do-sol ao entardecer,
Com o cantar tristonho da passarada!

Ai! Se eu pudesse fazer voltar o tempo,
Ia já para o tempo de criança!
Teria tudo o que nas saudades contemplo:
Inocência, alegria, esperança!

Modesto




















quinta-feira, 23 de agosto de 2012

SONHO E BORBOLETAS


















Quando em meus sonhos deixar de acreditar
Como quem diz «os sonhos o ultrapassaram»...
Das formosas borboletas m'hei-de lembrar
Voando sobr'um belo jardim, me chamaram:

- Sabes que o sonho tem limites, disseram,
Como borboletas, pousando em cada flor...
- Pois!...Mas, voando, são belezas que me deram
E meu sonho realizou-se no amor!

- Um dia, teu sonho era de esperança
De algo melhor qu'entrasse na tua dança...
E a beleza da paisagem to mostrou:

Que a esperança ou sonho bem sonhado,
Pela beleza do cosmos és convidado...
Eis o teu sonho! Tudo se concretizou!

Modesto               

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

SE A MUSA SE AUSENTA!...














Quando não estás, não há imaginação.
Vai-se a poesia, ficam as revoltas.
Se te chamo, logo tocas meu coração,
Atendes sempre, quando te chamo e... voltas!

E surges do nada, ao romper do dia,
Vens de mansinho, contando os teus ais...
E, do meu piano, sai a melodia
Linda! - timbres de garridos madrigais.

Tu és sempre o mote dos meus poemas,
Como és o archote dos meus dilemas...
Mas no auge da solidão, és companhia!

A ânsia de t'envolver faz-te forte,
Mas é na luz dos olhos que busco o norte
E o amor que m'inspiras é a poesia!

Modesto

terça-feira, 21 de agosto de 2012

CONFIANÇA























A confiança é a base de todo o relacionamento
De nós, uns com os outros.
Com Deus, a confiança é a base de tudo.
Confiar é rezar e esperar de Deus o atendimento,
Ele fará o melhor de tudo.
Confiar é entregar a vida nas mãos de Deus
Sabendo que Ele nos levará ao Sacramento.
Confiar é deixar Deus agir, nos negócios meus,
Sem temer o hoje e o amanhã,
Assim como os filhos se entregam à protecção da Mamã.

Quem não se sente tantas vezes fraco?
Fique nos braços de Jesus que é forte!
Quem pode suportar a dor e a aflição?
Chame por Jesus que é amigo e consolação!

A Mãe protege os filhos nos seus ninhos,
Maria passa à frente e abre caminhos,
Portas e portões...
Jesus vem a seguir abrir os corações,
Transformar o choro em sorrisos,
A fraqueza em fé,
O sonho em realidade
E a sabedoria e entendimento...
Para cumprir a Sua Vontade!

Dá-nos, Senhor, uma fé recta,
Uma esperança certa,
Uma perfeita caridade
E uma profunda humildade!

Modesto

domingo, 19 de agosto de 2012

DEUS DÁ-SE AO HOMEM POR JESUS CRITSO

















Deus ao Homem oferece,
Sempre em sua caminhada,
Pão-Vida que fortalece
E vid'aos irmãos doada.

Deus dá vid'em plenitude:
O Homem tem qu'escolher
Viver vida de virtude,
O Dom de Deus acolher.

Quem aderir a Jesus,
Aceita o Seu projecto:
Int'rioriza a Luz
E segu'o caminho recto.

Jesus vem com a Missão
De dar-Se em "Pão da Vida".
Cham'os homens àtenção
Que o Seu sangue é bebida.

Convida abertura ao Dom,
À disponibilidade
Par'acolher o Seu Pão,
Viver em simplicidade.

A Igreja lembr'ao Cristão
Que escolha o "Pão dos Céus",
Que faça sua opção
De compromisso com Deus.

Não vá p'la facilidade,
Que deixe o comodismo,
Viva em Comunidade,
Aceite o altruísmo.

Modesto

sábado, 18 de agosto de 2012

ÂNIMO E CONFIANÇA























No esforço do caminho,
Não percamos a 'sperança,
Respeito mútuo e carinho,
Com controle e confiança.

É! A verdade nos diz
Pra soltar a nossa voz!
Com coração d'aprendiz,
Deus nunca nos deixa sós!

Com Jesus na Direcção,
Saberemos ser melhores.
Mesmo na tribulação,
Optimizar os suores!

Dentro das dificuldades,
Procuremos dar as mãos:
Conciliar habilidades
 No Planeta dos Irmãos.

Modesto

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

OBRIGADO, SENHOR!













Hoje agradeço-Te, Senhor,
Por esta manhã brilhante e fresca
Que me inunda de alegria!
Pelas bastas belezas do mundo,
Mesmo as que não posso tocar...
E aquela cheia de harmonia
Que muitos não vêem,
Mas que sou capaz de adivinhar.
Agradeço-Te o sorriso da criança,
A flor que ao vento se balança
E os passarinhos a voar...
Também Te agradeço a canção que me cantam
Quando vem o sofrimento
E comigo às voltas andam,
Até esquecer a canção
E Te sinta no meu coração,
Pois És meu contentamento
Que me leva a, alegre, contar,
ConTigo poder participar,
Neste Mundo, da sua construção.
Obrigado por me ensinar,
A chorar,
Quando a humana fraqueza
Fica submissa e indefesa...
Agradeço-Te pelas lindas rosas de amor
Que puseste nos meus caminhos:
Obrigado, Senhor,
Por me dar rosas com espinhos!

Modesto

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

O VERÃO
















O Verão, imaginoso, apaixonado
E lascivo... com frémito de Musset,
Como episódios de D. João apaixonado,
Como Byron, mistura terror secreto...

É esplêndido com uma oriental
Qu'aparece como canto utilitário...
Searas maduras, frutos no seu final,
Traz-nos à mente poema imaginário.

Tudo é lirismo que traz harmonia.
Abundam flores, poesia. Natureza...
Formas variadas, concepções de fantasia.

Multiplicam-se imagens reflectidas nos céus,
As águas reflectem a luz da beleza...
O orvalho, como lágrimas, sorri do adeus!

Modesto


quarta-feira, 15 de agosto de 2012

A CASA D' ALDEIA

















Circundada por um vigoroso jardim
Onde floreiam magnólias, japoneiras...
Nos muros festões virentes de jasmim
E um caminho ladeado por roseiras.

Há janelas rodeadas de verdura
Sobranceiras a perfumar o recinto,
Donde s'ouve o cantar da fonte pura
Numa cascata florida de Jacinto.

Respira-se ali tranquilidade,
Mesmo que o coração sinta saudade...
Num pitoresco aprazível horizonte...

Os seus agradáveis e amenos verdores
'Inda fazem lembrar da Mãe os odores,
Quando passava com flores pela fonte!

Modesto

terça-feira, 14 de agosto de 2012

QUADRO DE DEVANEIOS























A brisa rouba às flores os seus perfumes,
Faz-te cair em contemplação estática,
Imaginas bosques, vergéis e os costumes,
Atmosfera perfumada na vida prática!

Misteriosos sonhos que aspiram à ventura...
Esqueces dissabores d'obras empreendidas:
Aurora do amor, devaneios, procura...
Mágicos  implexos no coração exercidos.

Que fic' a fantasia, a imaginação,
Absorvidos no íntimo, cismas, paixão...
Que t'anunciam prazeres sem tos mostrar?

Se assim ficas muito tempo absorvido,
Sentes o silêncio mas não o ruído,
'Stás na idade que te impele a amar!

Modesto


segunda-feira, 13 de agosto de 2012

O AMOR AOS VINTE ANOS















Ficou imóvel encostado à varanda,
Seguindo o volutear das andorinhas.
Cheio de languidez e poesia anda...
Amor dos vinte anos, sonhos cisminhas.

Das cismas, a do amor é a mais leal,
Puro inígma qu' o coração vai decifrando
Antes de receber a solução real,
Estremecimentos qu'a alma vai provando!

Depois de flutuar entre a terra e o mar,
Estende os olhos p'la amplidão do amar,
Tão sublime a bater-lhe no coração!

Procura montanhas, lagos, campos e florestas,
Sente o vento com fragrâncias e festas...
Aspira à poesia com sofreguidão!

Modesto

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

ORAR COM A NATUREZA


Em humilde oração,
Te peço, ó Senhor,
Que sintas minha devoção
E o meu amor.

Que o sol continue a nascer
E a Tua luz a trazer
O bem que dás a conhecer,
Como o calor faz às flores.

Que os campos continuem a florir,
Trazendo a Tua beleza,
Para nós podermos ir
Descansar na Natureza.

Que o céu traga este azul
Que reflecte a Tua face.
Venham os pássaros do Sul,
Trazer-nos a sua graça.

Que a lua que traz a noite,
Seja a Tua representação,
Mostrando o caminha afoito,
Alumiando a escuridão.

E que as estrelas, ao surgir,
Sejam os Anjos que nos vêm guardar.
Em cada estrela quero sentir
A força de Deus a actuar.

Modesto

A LUA É...


















A lua é o murmúrio da terra
Quando as estrelas se apagam
E os ventos da aurora vagam
No aparecer do novo dia...
A lua aterra
Na rústica alegria
Dos lábios, da fonte
E da onda no horizonte.

A lua é memória
Que o tempo não apaga
Nem na canção bem amada
Ou na música inaudível da vitória!

O silêncio que treme
Vem a prece ocupar
O coração que freme,
Quando a melodia
Do canto de um pássaro,
Parece querer ficar
No ar da magia...

A lua traz o amor                                 
 - Deus em plenitude -
A infinita medida
Da dádiva que dura
Com o sol ou com a chuva
Na montanha
Ou na planura...
A lua faz que vires
O brilho da ternura
No fim do arco-íris!

Modesto

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

VOAR!...





















Fadas...
Duendes....
Borboletas...
Seres do ar!...
Transmutação energética para o material,
Respiração que anima o ser espiritual
E que permite o pensar,
Controle de toda a ansiedade,
Acto que do ar emana
Presente no suspiro de quem ama,
Ausente no sufoco da saudade.

Ah! O ar!...
Que alimenta o fogo que, sem ele, finda,
Pode formar furacões, mas não ainda!...
Pode abrir as águas do mar
Para o bom povo passar...

Oh! Poderosos seres do ar!
Levai para bem longe os meus tormentos
E mandai aos bons ventos
Que ajudem o meu voar!...


Modesto

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

FALANDO DOS MEUS POEMAS


















Vivo de mãos dadas com a poesia,
Faço versos coerentes para ler...
No sossego do meu lar, com alegria,
'Screvo rimas antes do dia nascer.

O enredo anda à volta do jardim
Ou das flores e das suas fragrâncias...
Procuro as mais belas ou o jasmim
E cuido dos lírios com elegância.

O sol vem abrilhantar com suas cores
Belas, que se projectam no horizonte.
Os pássaros chilreiam aos seus amores,
Os namorados refrescam-se na fonte.

Rios e montanhas estão presentes,
O pôr do sol e as belas sinfonias...
A lua tem os encantos que tu sentes,
Borboletas no ar fazem fantasias.

Falo d'amor, das Musas que m'inspiram,
Com seus olhos azuis, forma de mulher,
Trazem rastos de magia e suspiram...
Arrastam os poetas e homem qualquer.

Também vou buscar as Ninfas do meu Douro
Que me regalam nas introspecções.
Sei que a poesia é um tesouro
Que sai dos pensamentos e reflexões.

Modesto