terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

NO ALTO DA SERRA













Meus olhos no alto dependurados,
Pergunto ao mar, ondas e penedos
Como, quando, por quem foram criados?
Respondem em segredo: mil segredos.

Então, vou primeiro, ramos cortando
Nos pés d' outros mais verdes arvoredos.
Assim, com coisas mudas conversando,
Na minha quietude, movo dedos.

Se pelejo, se grito, me estendo...
Tudo isto calado, vou vencendo:
Uso a razão como argumentos.

Fico fora de mim e sou corrido
E nos meus sentimentos sou ferido,
Ao ver o que foram meus fundamentos.

Modesto















segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

HORA MÍSTICA




















Cai a noite! Céu de fogo e flores
Está cheio de Deus e harmonia,
Voz do crepúsculo exala cores!
Silêncio... Rezo ao fim do dia.

Névoas de luz, imagens na água,
As águas esculpindo os céus,
Tarde húmida de relevos fragua,
Boca da noite, rezando a Deus.

Cor da água vindo às mãos em branco,
A luz do sol no último arranco
Mostra a cor de cinza e de ouro.

Hora mística, com olhar abraso.
O sol vai nos Pórticos do Ocaso,
Eu rezo com o oceano em coro.

Modesto

domingo, 26 de fevereiro de 2017

MÍTICAS SENSAÇÕES

















As mais belas e mais profundas emoções
Que na vida podemos experimentar
São, com certeza, as míticas sensações,
Que o são como sementes a germinar.

Aqueles que estas emoções não conhecem
E que não se estarrecem maravilhados
E num plano elevado não permanecem,
Já estão mais que doentes e apagados.

Saber que o Impenetrável Real existe,
Se manifesta na mais alta Sapiência,
É Beleza que eternamente persiste
Na nossa pobre, apagada consciência.

E assim, é nesse pobre conhecimento,
No primitivo sentir de Imensidade
Que está a razão da vida em movimento
Que é fulcro da verdadeira fraternidade.

Modesto

sábado, 25 de fevereiro de 2017

MEDITAÇÃO POÉTICA



















És Tu, meu Deus, que me chamas,
A Tua mão me conduz.
És Tu, Senhor, que m' inflamas
E dás Tua pura luz!

Olha minha amargura
No mundo donde me chamas...
'Stendes Tua mão segura
E meu coração inflamas.

Sublima meu sentimento,
Faz brotar ao pensamento
O amor qu' a Ti conduz.

Creio na vida futura,
Dá-me confiança pura
Pra levar a minha cruz.

Modesto

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

NO MAR SEM LUA



















Noite sem lua, brisa calma do Atlântico,
Luz dos meus olhos alumia praia 'scura.
Eu danço nas mansas ondas, no mar em cântico,
Debaixo das trevas, flutuo na brancura.

Ouço meu peito e seu falar semântico,
Eu e firmamento - Criador, criatura -.
Vivo com a minha solidão - um par romântico -
Feito com mar suave e com pedra dura.

Vou cobrindo a tez do mar na amplidão,
Reino dos deuses Anfitrite e Tritão...
Noite sem lua, erma, névoa de plumas.

E vou enchendo a curva do céu vazio,
Dos meus lábios sai canção ou assobio...
Sigo com pés descalços num chão de espumas.

Modesto

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

VERDURA QUE SECA

















Fiz no campo o meu caminho,
Da vida fiz plantação:
Plantei flores, azevinho,
Fiz versos em oração.

Plantei pão e colhi vinho
Com força da minha mão.
Cantei com o passarinho,
Fiz sorrir o meu irmão.

Verde era o meu jardim,
Verde foi minh' esperança
Da ventura qu' houv' em mim...
Só me resta a lembrança.

Caminhei pelos pomares,
Ond' havia frutaria.
Ainda ouço cantares...
Só há musgo, pedraria!

Era verde o meu jardim!
Eu fazia de pastor:
Regalo de paz sem fim,
Deixei lá o meu amor!

Modesto

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

O MÊS DOS NAMORADOS


















Que mês tão belo para celebrar:
É o mês cinzento de Fevereiro!
E neste mês o que se vai passar?
É o menor dos meses, mas inteiro!

É o mês das danças, mês do amor,
Mês dos namorados, mês de casar.
Até arranjaram alguma flor
Fizeram a boda, vão celebrar.

Não faltam motivos pra festejar....
Há uma rosa pra oferecer,
Os bailaricos não hão-de faltar
E algo vai sempre acontecer.

Os namorados sempr' à espera
Que chegue quatorze de Fevereiro.
A boa relação é pra durar,
Isto vai durar o tempo inteiro!

Modesto

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

FLOR DO CAMPO



















Ó tão linda flor do campo!
Acolhes a luz pla manhã,
Na erva 'stendes o manto
Salpicado d' hortelã.

Borboletas são encanto,
Abelhas em pés de lã,
As aves soam seu canto:
O primeiro da manhã.

Há corolas d' amieiro
A fazer sombra ao celeiro:
Silhueta permanente.

Flor do campo, quem me dera
Que fosse já primavera
Para plantar a semente.

Modesto

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

CAMPOS FLORIDOS



















Cheios de gosto e de alegria
Estes campos diviso florescentes,
Com mais ânsia, dor e agonia
E me fazem as lágrimas ardentes.

Este mesmo campinho que desvia
Do peito as mágoas inclementes
Até minha tristeza desafia,
Estas imagens me são diferentes.

Esmalta-se o campo em fragrância
Para dar a ideia de ventura
Com as flores de bela textura.

Ó céus, para vos ver terei constância,
Bela causadora de minha ânsia,
Se cada flor me lembra formosura?

Modesto

domingo, 19 de fevereiro de 2017

LEALDADE



















Não te faças major sendo recruta
Nem um grande mestre sendo pupilo.
Terás tudo com esforço e luta,
Se não quiseres ser isto, aquilo.

Ninguém faz uma casa sem labuta.
Cada um semeia grão ao seu 'stilo.
Ver como cresce enquanto escuta
O teu amor, como deves senti-lo.

Não te aborreças por questões poucas
Nem arrisques a ment' em coisas loucas,
Seja equilíbrio, mão qu' acalma.

Não sejas, com os outros, ser estranho
Nem queiras ser maior que teu tamanho...
Ser leal - pão qu' alimenta a alma!

Modesto

sábado, 18 de fevereiro de 2017

INJUSTIÇA















Ofertar ao mundo leigo minha alma
Antes de entrega-la ao Meu Senhor,
Blasfémia talvez seja, dou a palma
Ao que disse uma vez meu professor.

Abri o peito, louco, em confusão
Para entender, ou mesmo encantar.
Quanta temeridade ou presunção
De vida, que minha mãe bem quis calar!

Isto da humanidade injustiçada,
Ainda levantei minha voz rimada
E, por ela,  decidi tomar as dores.

Alguém arranjou modo de me tirar
Aquilo que minh' alma podia dar...
Temos o Amor, sem saber de amores!

Modesto

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

VIDA CONTEMPLATIVA




















Momentos superiores da alma
Acontecem sempre na solidão.
Pois se os amigos perdem a calma,
Esta faz-nos sofrer o coração.

Quando a própria alma subiu
A um plano alto de excelência,
Reconhecemos Quem a atraiu
Ao enlevo da sã omnipotência.

Uma oblação em santa moral
É rara, mas é serena e bela.
A visão duma vida ideal
Tem o Absoluto já dentro dela.

É revelação da eternidade
Aos amigos que d'Ele têm ânsia.
Tem promessa de imortalidade
E a santa paz na sua substância.

Modesto

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

MEUS VERSOS VOARAM

























Entreguei tudo o qu' é meu ao mundo,
Por meio desses versos que sangrei
E, concordo, que tudo foi fecundo,
Só que eu já não sei bem o que dei...

Compuseram canções com os meus versos
Que, ao ouvi-los tão belos, chorei.
Pois... poemas até então dispersos,
Formaram um rancho e uma grei.

Os sons que completavam a palavra,
Como se já não fosse minha lavra,
Diziam o que eu dizer não pude.

Mas o génio de mim s' evola,
Lá vai com minha alma que descola,
Génio da perdida juventude.

Modesto

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

SECARAM OS MEUS VERSOS



















Tanta 'spera desfaleceu meus versos
Pobres desarmados e reprimidos.
A grand' angústia fez-me disperso...
Será que secaram, foram vencidos?

Fieis a mim, meus versos se calaram
Como amigo vê a dor do outro?
Soltei meus versos que tanto amaram
E abandonaram-me: Fiquei solto!

No correr do tempo impiedoso
Como cresci, oh céus, no maior gozo
Que a poesia tanto of''recera...

Eu curvo-me em acto de clemência,
Imploro pla minha tola ausência...
Neste poema, Minh' alma s' encerra!

Modesto

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

A VIDA É ASSIM...


















Quando estamos no verdor dos anos
Da vida, na estrada florescente,
Vão ficando para trás os desenganos
E os sonhos vão connosco à frente.

Rindo, cantando, céleres, ufanos,
Correndo despreocupadamente,
São só ilusões, matamos enganos...
E chega a velhice de repente!

Então nós enxergamos claramente
Existência: rapidez falaz...
Vemos o que sucede exactamente.

Contrário aos tempos de rapaz,
Os desenganos vão à nossa frente,
Aqueles sonhos ficam para trás!

Mdodesto

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

SOMOS DOIS EM UM

















Quem é o "eu" que está em mim agora,
Em quem me fiz por estar desatento?
Para ser quem sou, não se faz na hora,
Precisam-s' anos de ensinamento!

Quem á o "eu" em mim, se eu 'stou fora,
Ou seremos dois no mesmo momento?
Se é "ele" o eu, porque m' ignora,
A formar, por mim, o meu pensamento?

Não é a mim que "ele" faz por zelo,
Se eu sou "ele", como ou sabê-lo?
E qual dos dois é "ele", Qual sou eu?

Bom. Como dividir na nossa mente
O Ser-Real e o subconsciente?
Fico na dúvida qu' em mim nasceu...

Modesto

domingo, 12 de fevereiro de 2017

VOO DOLORIDO

















Sou pássaro ferido, voo lento,
Pois a vida partiu a minha asa.
E, mesmo assim, eu corto o vento
E vou voando, aos poucos, pra casa.

Voar mais alto, às vezes, eu tento,
Porém a força é curta e rasa.
Mesmo com a dor, um sonho invento.
Ai! Mas dói quando o sol me abrasa!

Um pássaro ferido, persistente,
Plana pelo céu e segue em frente,
Procurando sempre nova quimera.

Vou voando sempre num rumo certo,
Buscando um oásis no deserto:
O amor que cura e regenera!

Modesto

sábado, 11 de fevereiro de 2017

SAUDADE



















A saudade vem das recordações.
A luz acesa crepitante na chama
Que na alma gere evocações
E até o desengano engana.

Saudade, verso feito d' emoções,
Perfume que da doçura emana,
Enquanto nos nossos corações,
Se embriaga e mais nos inflama.

Saudade é ausência merencória,
Distância da vida na história
Que se conserva na lembrança pura.

E é o silvo de um grão lamento,
Sempre lembrado no correr do tempo,
Como delícia ou amargura.

Modesto



sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

PERDÃO






















Sem vontade, Meu Deus, para querer-Te
Nem o céu, qu' um dia m' hás prometido.
E pra deixar o mal de ofender-Te,
Nem fujo do inferno tão temido!

Tu me moves, Senhor, para eu ver-Te
Cravado nessa Cruz, escarnecido,
Ver o suor d' agonia que verte
O Teu Corpo... Ver-Te, assim, ferido!

Mostras o Teu amor de tal maneira...
Mesmo não tendo o céu, 'inda T' amava,
Não havendo inferno, Te temera.

Confessei minha culpa... Que Te queira!
O que ouso 'sperar, não esperava,
O Mesmo amor por Ti, Te quisera.

Modesto








quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

VIRTUDE

























Filósofo serei, por excelência,
Amigo do saber da Divindade.
Encontro, entre as coisa, a essência,
Em quatro causas busco a verdade.

O Ser qu' existe por si é "ousia",
"Substância"  vertida em latim.
O Ser é campeão d' analogia,
Matéria e forma são o fim.

Por elas encontro felicidade:
Saber, a principal actividade:
O homem é animal com razão.

Caminhar na união é virtude,
Mediana para a plenitude,
Não desprez' a vida em comunhão.

Modesto

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

O HOMEM - "SER" À PROCURA

























O mais universal e evidente
É o "SER" que carece de sentido,
Que deve ser procurado no "Ente",
Pois é questão caída no "olvido".

O humano no ser se orienta
E não é um objecto simplesmente.
As coisas que escolhe são a senda
Do "SER-AQUI" de Quem está pendente.

Ele é aberto, mas não ' stá "solto",
Vê sempre os demais: "SER-com-o-OUTRO!
O homem é projecto: "SER-no-Mundo".

Das suas escolhas, o fim é a morte,
Mostrando-lhe o NADA como norte,
Procurando, escolhendo... Lá no fundo!

Modesto

SÓ CRISTO ME LEVA A DEUS



















Real é o indivíduo existente,
Vence o imanentismo, o panteísmo.
Pois a vida só é boa para o crente
Que a encontra em Deus, no Cristianismo.

E ninguém me substitui diante de Cristo.
Mas há muitos que, com' os outros, querem ser;
Mas Nele é que eu autêntico existo,
Outros, alheios a Jesus, buscam viver.

Angústia é o sentimento qu' os anima,
Angústia que, por isso, é sua sina...
Sou livre! A vida é possibilidade!

Eu estou nas mãos de Deus, contra o assédio
Do desespero: Nele tenho o remédio:
Reconhecê-Lo na Sua Profundidade!

Modesto

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

DA DÚVIDA À CERTEZA

























Na época em qu' impera o cepticismo,
Tu estás envolto por grandes incertezas,
Buscas e inauguras o idealismo,
Encontras, na tua mente, tua firmeza.

Os sentidos não se prestam para mostrar
A verdadeira face do que é real.
Usas boas razões para enganar,
Podias ser mesmo o génio do mal.

O ser que duvida pensa, pois que existe.
O céptico inimigo não lhe resiste...
E de uma só coisa ele não duvida:

Nela encontra a ideia de Perfeito,
O Deus que não engana, pois, o Seu efeito...
O mundo, agora, 'stá de mente cindida!

Modesto

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

DEUS, VERDADE E AMOR



















Confessa teu pecado e teu louvor
A Deus, que a inquietude nos acalma.
Sábio é quem por Ele tem amor,
Íntimo habitante da nossa alma.

O Deus, em quem as ideias de Platão
Habitam... Sendo elas a nossa luz,
Ao Criador do mundo dão razão
Mostrando a Verdade que nos conduz.

Imagem que há em nós das Três Pessoas:
O Pai, o Verbo, o Amor, ressoa
Na memória, intelecto, vontade.

Deus, oculto, faz a humana história,
Na nossa luta plo bem até à glória,
É Voz que nos convida à caridade.

Modesto

VENDO-NOS AO ESPELHO

O espelho não me diz que envelheço, Enquanto andar junto da mocidade. Mas as rugas vêem meu rosto impresso... J...