quarta-feira, 27 de julho de 2011

CALOR

Hoje é um dia de calor,
Vento forte desd'aurora!
Cheira a ameixas de cor,
Há sol ardente, lá fora!

Há insectos em romaria
Escondidos entre a verdura,
Dançam outros na água fria,
Até qu'a noite 'steja 'scura.

Já o sol se vai escondendo,
O crepúsculo apar'cendo...
Há ninfas em noite de breu!

Eu, com meu corpo transpirando,
Até ao rio vou andando,
Pra me refrescar no ninfeu.

Modesto

terça-feira, 26 de julho de 2011

NAS MINHAS FÉRIAS

Vou conhecer outras culturas,
Procurar quaisquer novidades,
Conversar com gentes maduras,
Sentir outras mentalidades.

Vou descansar: Também preciso,
A vida não é só labores!
Lev’um projecto decisivo:
Passear p’los campos de flores.

S’encontrar uma linda rosa,
Botão a abrir e cheirosa,
À minha amada vou levar.

Com a rosa dou meu amor,
Of’reço uma vida melhor
Que perdure no regressar.

Modesto

sábado, 23 de julho de 2011

NEM TUDO É O QUE PARECE

Nem tudo é o que parece,
Nem sempre se é igual.
Quando em sonho s'adormece,
Há poema fenomenal.

Há imagens e semelhanças
Que são difíceis decifrar...
Depois vêm as mudanças
Que é preciso trabalhar.

Nem tud' o que gosto e faço
É igual ao que sou por dentro.
Para fugir ao embaraço,
Pego no papel e invento.

Fugir não é minha essência.
A aparência engana...
Pois gosto mais da transparência
Do qu' escrever coisa insana.

Se pensam que não sou normal,
Temos um ponto em comum:
Ninguém gosta de fazer mal
À imagem de cada um.

Modesto

terça-feira, 19 de julho de 2011

METAMORFOSE

Alvorada do meu ser
De sonho e ilusão
Acendeu no meu querer
A luz da contemplação.

Na magia da aurora,
Sinto momentos de paz...
O meu viver se arvora
Na lua qu'a noite trás.

E neste meu caminhar,
Sint'a beleza a nascer
Na força do verb' amar,
Sentido do meu viver.

Os meus sonhos de clamor
Invadem tod'o meu dia!
Vou sentindo o amor
Vivid'em pura magia!

À noite, olho a lua,
Pergunto, quero saber:
Porque gosto de ver nua
A menina... a Mulher?

E, no silêncio profundo,
Meu tudo é primavera!
Já te sinto no meu mundo,
Amor, 'stou à tua 'spera!

Modesto

segunda-feira, 18 de julho de 2011

HÁ POETAS E... poetas

É um destino cruel
Este de se ser Poeta!
Vive um hoje de fel,
Amanhã é um pateta!

Est'é nossa triste sina,
Meu amigo da escrita:
Escreve um verso, assina...
Ficas sem a poss' estrita.

Há, porém, um argumento:
Tudo vem do sentimento,
Nada é feito sem arte!

Mas há poetas menores
Que julgam ser os maiores:
Fazem prosa... que se parte!

Modesto

domingo, 17 de julho de 2011

CAMINHOS DA VIDA

Na vida, tudo é permitido:
Se fugirmos da zona p'rigosa,
Não caminhar pró desconhecido,
Nem seguir a via nebulosa...

Neste mundo, somos viajantes,
Num caminho nunca percorrido.
No fundo, somos só visitantes
Da vida que só tem um sentido!

Imprudência pode trazer
Quedas que fazem enlouquecer,
Enquanto não hà compreensão.

O bem que escolher se devia
Er' o caminho da poesia:
Melhor trajecto d'educação!

Modesto

quinta-feira, 14 de julho de 2011

(in)FELICIDADE JUNTO À FONTE

Eu tinha um campo e uma fonte,
Um jardim e um ninho de perdiz...
Era criança! Queres que te conte?
Naquele ambiente, fui feliz!

Amei a Natureza como quis:
Lavava-me nas águas da fonte,
Brincava com os filhos da perdiz,
Enquant' o rebanho passav' a ponte...

A fonte? Aind' a vejo: Resiste!
Inda fala, entendo o que me diz!
Tem uma história muito triste:

Ficou abandonada: Grande mágoa!
Ninguém vê o brilho do fio d'água...
Chor' a fonte, onde eu fui feliz!

Modesto

quarta-feira, 13 de julho de 2011

SIMPLICIDADE

Enquanto se propagam teorias,
Ideologias, filosofias...
Eu vou, devagarinho,
Com o meu pouco engenho,
Propagando a simplicidade:
Como a sensualidade
De uma flor
Que se abre
Ao pólen do amor;
E a beleza
Que a Natureza
Nos faculta,
Com a sobriedade
Oculta
De um fruto a amadurecer
E da humanidade,
com habilidade,
Em o comer.
Não penso
No destino avarento
Desta sociedade
Que só quer acumular
Riqueza
E esquece a simplicidade
Da Natureza,
Que com alegria,
Não tece nem fia
E se veste de sumptuosidade.
Eu quero dar lições de lealdade,
Cantando a felicidade
Com as suaves cores do dia
E das líricas noites de alegria,
Com a inocência da criança,
Que na sua simplicidade,
Dá lições de esperança
À Humanidade.
E continuo a acreditar
Que o melhor da vida é aceitar
Viver como a Natureza
Que não anda à procura da certeza
Para acreditar
Num amanhã
De vida sã
E que a sensatez
É o que acreditamos, talvez,
Sem procurar
As razões dos mistérios,
Com os diferentes critérios,
Na intenção de os resolver de vez.
Prefiro a simplicidade do Camponês,
Que na sua pacatez,
Aprende mais que o doutor,
Nestas questões do Amor.

Modesto

segunda-feira, 11 de julho de 2011

A FONTE

Surpreendente fio d'água
Que sai límpida da nascente!
Dá de beber à minha mágoa
E, ao vê-la, fico ausente!

Vejo nela a Transcendência,
Oásis de observação!
Nela vejo a existência
À procura da perfeição.

Conduz-me à beatitude
E deixa a minh'alma lavada:
- União íntima com Deus!

Liberta-me! Não me ilude.
Se a vida não vale nada:
- É poema envolto em véus!

Modesto

sexta-feira, 8 de julho de 2011

ESTRELA INSPIRADORA

Passo a passo vou andando
Com a estrela que me guia.
Peço-te, estou ansiando
Que alumies o meu dia.

Não sei porquê, andas distante!
Há muito tempo não te via.
Mas, hoje, com calor vibrante,
A vid'é quente, antes, fria!

Quero um viver mais constante
Que viva, que salte, que cante...
Que se traduz'em alegria!

Meus versos não dizem bastante,
Estrela! Andavas distante...
Vinhas de noite, não de dia!

Modesto

SÊ TRANSLÚCIDO

Abre a janela do preconceito,
Deita fora o que é amargura,
Esvazia o que tens no teu peito,
Renov' o coração qu'é pedra dura.

Rompe co'as madrugadas em vazio,
Rasga as cortinas que 'stão opacas,
Vai percorrer tod'o mundo com brio,
Dar as mãos às pessoas mais fracas.

Bem sabes o que vais lançar lá fora:
Não só a ilusão que foi embora,
Como a derrota que se fez capaz!

Mas guarda o amor no coração
Pra te doares e partir em missão:
Anunciar a leveza da paz!

Modesto

segunda-feira, 4 de julho de 2011

ESTRADA DA VIDA

Quando o dia amanhece,
Vai surgindo esperança;
Logo qu'a vida começa,
Aparece a confiança.

Pela estrada da vida,
Vai surgindo o amor:
Bem longa é essa lida...
Rápido vem o sol-pôr!

Com o nascer da aurora,
Encontras um bom amigo;
À tarde vai-se embora,
Ficas sozinho contigo!

Aos poucos vais conquistando
O que t'é essencial;
A luta vai-te levando
À vida "sabor a sal"!

Certezas do amanhã?
A clareza vai falhando!
A existência é vã:
Outra vida vai 'sperando.

Logo, meu car'irmão,
Esta vida é passagem!
Não vivas na ilusão:
Faz com fé esta viagem!

Modesto

VENDO-NOS AO ESPELHO

O espelho não me diz que envelheço, Enquanto andar junto da mocidade. Mas as rugas vêem meu rosto impresso... J...