Follow by Email

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

UM AMANHECER NO PRADO

















Estendo meus olhos pelo prado fora:
Verdura, flores... tud' o qu' a vista alcança.
Quando a saudade do passado chora,
Há um oásis ond' o olhar descansa!

Ouço, ao longe, uma canção sonora:
É voz de mulher, ou será de criança?
Hino das aves ao nascer da aurora?
É como hino branco de esperança!

Por toda a parte, risos e folgores,
A Natureza está cheia de flores,
Bem iluminada por um sol risonho!

Record' à minh' alma, diluíd' em prece,
Qu' um coração feliz 'inda estremece,
Vend' a luz sagrada do primeiro sonho!

Modesto

domingo, 24 de setembro de 2017

E VEM A SAUDADE...

















Vou, com luar no rosto, descontente:
Meus olhos choram lágrimas de sal!
Adeus, ó coração da minha gente,
Adeus terras e flores do Casal!

Hora da saudad' é uma serpente:
Ela rasteja antes que eu fale!
As coisas mais me lembram fielmente,
El' enlaça-m' a voz tão cordial!

Olho a aurora, ave levanta
Pra consolar a alma, quando canta,
E a gente já anda no quintal!

Graça, beleza...  verso sem medida,
A saudade desterrou-me a vida!
Sou um eco perdido noutro vale!

Modesto

sábado, 23 de setembro de 2017

ESCUTA A PALAVRA SEMEADA


















Ouve com alma e máxima cautela
O que te sopra n' aragem, levemente.
Ainda que seja mínima, sem vela,
Percebe a chama e vive silente!

A tua resposta voa como o vento
Ou como ave, displicentemente,
Pousa na terra boa do pensamento
E cresce forte naquele que a sente.

Subtil consolo, parece vir do nada,
É doce porque de Deus foi emanada,
Nasce no silêncio, mas acontece!

É uma palavra audaz, criadora
Que te faz luzir, já que é redentora
Das tramas da vida que a vida tece!

Modesto

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

OCULTANDO A DOR






















Quando me vêem passar, calmo e risonho,
Sem um pesar que me anuvie a fronte,
Pensam que vivo num paraíso de sonho,
Ando perdido na curva do horizonte!...

Até encontrei quem me dissesse um dia:
«Invejo tua vida tão descuidadosa»!
Como s' a vida foss' isenta d' agonia,
Não tivesse espinhos e fosse só rosa!...

Porém, enquanto, desdenhoso e altivo,
Eu vou passando, alegre ou pensativo,
Ou a rir, a rir, como um feliz demente...

O meu pobre coração bate no meu peito
Tão triste, como a agonizar num leito
E cá vou soluçando dolorosamente

Modesto

terça-feira, 19 de setembro de 2017

A VIDA TEM OUTRO SABOR

















Olho para o Céu... O meu amanhecer!
Deito-me, rebolo, até à exaustão,
Esfrego os meus pés na relva com prazer,
Sento-me, atiro o cansaço pró chão!

Não há razão para estar preocupado,
mesmo qu' o Sol me ofusque o pensamento,
Deixo-me ficar, meio anestesiado,
Porque aqui não há dor nem qualquer tormento!

A brisa passa por mim muito devagar,
O cheiro desta terra faz-me suspirar,
O Sol reconforta-me com o Seu calor!

Adormeço com os pássaros a cantar
Melodias celestiais fazem girar
A vida! Assim, ela tem outro sabor!

Modesto

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

ACARINHA TUA MÃE























Ama tua mãe, enquanto a tens, enquanto
O teu sorriso é o seu deslumbramento!
Sabes? Nunca acharás quem te ame tanto
Assim e quem sinta tanto o teu tormento!

Que tu nunca a deixes no esquecimento!
Lembra-te sempre, na tua vida, o quanto
Ela sofre junto com o teu sofrimento,
Ela chora contigo todo o teu pranto!

Ama-a! Que um dia sentirás, por certo,
O seu sofrer em aflição, neste deserto,
A tua ausência... saudades de tudo!

Chamá-la-ás, em vão, na estrada agreste,
Sentirás, então, os trabalhos que lhe deste...
Ela deu-te o teu sangue, a vida... tudo!

Modesto

domingo, 17 de setembro de 2017

SEM TI, NÃO CHEGAVA AO FIM


















Com a solidão, caminho fora do trilho
E com as trevas, eu sigo quase sem rumo.
Mas, de repente, tu vieste com teu brilho
E a minha vida mudou, voltou ao prumo!

Mas a depressão apodera-se de mim,
A tristeza domina - eu ia sozinho!
Eu não tinha consciência do meu fim...
Até que viest' iluminar meu caminho!

Agora partamos unidos pró futuro.
Por certo na 'strada não haverá escuro,
O sol iluminará a nossa viagem!

Vamos esquecer tudo do nosso passado?
As pedras serão  arrumadas par' o lado...
Assim, juntos, vamos fazer esta passagem!

Modesto