sexta-feira, 24 de novembro de 2017

ERA UM MUNDO SE DELÍCIAS

























Era o brilho nostálgico duma tarde
Cor de rosa que havia no infinito,
Num mar bravio que causava alarde,
Ao fim do dia que foi tão bonito!

E o mundo era uma formosura:
O céu parecia pintado de cores
Com plantas silvestres - famosa pintura,
Parecia o maior ser todo flores!

Era mundo todo feito de delícias,
Nas altas esferas, viam-se permícias
Exaladas das essências agrestes!

Eflúvios de perfumes eu sentia,
Fragrâncias da Natureza havia,
Quando, mesclados de flores, vós viestes!

Modesto

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

ESPERANDO NOVO DIA





















Deixa noite cair por si,
Com seu silêncio profundo!
Deixa o bréu vir a ti:
Tudo faz parte do mundo!

Madrugada vem aí,
Tu, no teu sono profundo,
Vê amanhecer em ti...
Renasce pró novo mundo!

O Sol ilumin' o dia,
Sua luz em ti radia...
Tu acordarás bem firme!

Deixa qu' a vida te leve,
Mas, segura bem teu leme...
Pede, que Deus te redime!

Modesto

terça-feira, 21 de novembro de 2017

PROCURAI-ME AO PÔR DO SOL

















Tendes tão ferrenha mágoa
De querer-me procurar...
Meus olhos se enchem d' água
Salgada com' a do mar!

Mas, se não me encontrardes,
O qu' é natural, enfim...
Interrogai estas tardes
Que irão falar de mim!

Até este arvoredo
Vos irá dizer: « Eu vi,
Passeava em segredo
Todas as tardes aqui!»

Ia alegre mas mudo
Sem saber dizer porquê...
Tão distraído de tudo,
Via como quem não vê!

Andav' a ver a paisagem,
Com ela me distraia...
O pôr do sol é imagem
Que me prolonga o dia!

Modesto

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

UM ARREBOL DE OUTONO


















És a luz d' entardecer que fech' o dia,
O afago, a ternura que dão vida!
És o meu sol e também minh' alegria,
Meu céu colorido, na paisagem lida!

És pôr do sol que me faz recolher
Prá noite amena que me acalenta!
Um bonito arrebol que me faz crer,
Impulso qu' arrebata, amor qu' aumenta!

Um sonho alegre numa ambição:
Bálsamo eterno no meu coração
E anseio maior da minha ventura!

Paisagem multicor que traz a saudade,
Leva-me a pensar na eternidade
E os meus males atenua e cura!

Modesto

domingo, 19 de novembro de 2017

AO SOL DO OUTONO

















É tarde d' Outubro. À luz, o orvalho
Doura as pétalas das flores tão belas!
Sobre o solo, recobrindo o atalho,
Há grandes montes de folhas amarelas!

Violetas ao pé do alto carvalho!
Lá, s' ouvem as narrações das pastorelas
E dum rapaz ingénuo, sem trabalho,
Junto das mais belas e virgens donzelas.

Narra-se o cair das folhas nos prados,
Contam, as mais velhas, aos seus namorados
'Stórias dos doces velhos barbilongos...

E ouviu-s' um beijo com pios ditongos
Duma amável pastora, qu' é lá dos Longus,
Com silábicos sons bem musicados!

Modesto

sábado, 18 de novembro de 2017

AMANHECER ALEGRE















Sol da manhã! Hoje nasceu no cantinho
Da alta montanha, com um vento frio,
Qu' abraça o dia, brinc' em remoinho,
Chiando nas frestas, com força e brio.

No cantinho de prata do céu, momento
De novo alvorecer em torvelinho,
Num ritmo trémulo, cheio d' elemento,
Prevend' o Inverno que vem a caminho.

O meu coração e minh' alma observam,
Suspendem os pensamentos e acenam
Adeus ao Outono, tinto de magia!

E é nest' amanhecer qu' o sol vem brando,
Nascendo no cantinho, dia formando,
Que minha alma sorri de alegria!

Modesto

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

FRESCA MANHÃ NO CAMPO

















Acordo de manhã cedo
Com luz de doces carinhos.
Há rumor no arvoredo,
Há rosas pelos caminhos!

Pró azul radioso, ledo...
Sobe, de dentro dos ninhos,
Cheio d´amor e segredo,
O canto dos passarinhos!

Voam as pombas nevadas,
Imaculadas d' alvura,
Sobr' os campos de verdura!

Pelas estreitas estradas,
Há femininas risadas
Perspicazes de frescura!

Modesto

ERA UM MUNDO SE DELÍCIAS

Era o brilho nostálgico duma tarde Cor de rosa que havia no infinito, Num mar bravio que causava alarde, Ao fim...