Follow by Email

sexta-feira, 23 de junho de 2017

PORQUE ESTÁS TRISTE, CORAÇÃO?






















Que tens, meu coração, sempre ansioso?
Sinto-te palpitar continuamente!
Umas vezes gelas triste, duvidoso,
Outras, abrasas-te em desejo ardente!

Umas vezes balanças-te valoroso,
Suportando ausência veemente.
Mas abandonas o passo perigoso
E vais ter com o Amado, mais contente!

Meu Terno Coração, também estás triste?
É o mal, no tempo, qu' ainda resiste?
Não desfaleças, espera mais um dia!..

Suporto o meu pecado que insiste
Em tirar felicidade, como viste...
Coração, traz-me de novo alegria!

Modesto

quinta-feira, 22 de junho de 2017

AVÉ, Ó MÃE !



















Por entre os atropelos desta vida,
No decorrer do sonho e dissabor,
Nossa verdadeira Mãe, despercebida,
Sabe sanar tão bem nosso amargor!...

Quantas vezes, por nós, vive esquecida,
Neste vale de lágrimas e de dor!
Ela está sempre pronta, desprendida,
Quando necessitamos do Seu amor!

E vai sempr' ao nosso lado procurando,
Com Suas mãos bondosas, segurando
A felicidade no nosso caminho.

Ela vai... Anda connosco sem se mostrar,
Não deixando nossos pés se magoar.
Arrumando, sorrindo, tod' o espinho!

Modesto

















quarta-feira, 21 de junho de 2017

DIA DA REFORMA



















No dia que for deixado
Partir, depois de ter ido,
Vou ser vento libertado
E como um desvalido,
Plantar flores no meu prado
Num solo fertilizado
E dá-las ao oprimido.

Vou soltar as estribeiras,
Cavalgar nuvens d' idade,
Vou boiar nas corrdeiras
Dos meus rios represados...
Vou montar a liberdade
Em passeios de beldade,
Com pena dos atrasados.

Meus sonhos, pajens de ninfas,
Luzes, sombras sobre lagos,
Prados em flor, claras, tintas...
Mistérios abafados!
Vou apascentar o gado,
Com segredo bem calado,
Na paz d' ovelhas famintas,
 Vou pra vales bem ervados!

Modesto

terça-feira, 20 de junho de 2017

AMAR É DAR TUDO E DAR-SE A SI MESMO

















Viver o amor é dar sem olhar,
Sem. no mundo, exigir salário,
É dar tudo e sempre sem contar
Pois quem muito ama é perdulário!

O coração transborda de ternura,
Corre ligeiro sem dor nem fraqueza.
Nada melhor do que esta ventura,
Nada mais há do que esta riqueza!

Viver d' amor é banir o temor
Das lembranças dos seus erros passador.
Dos pecados, Deus nem lhes vê a cor
Por Sua Dor, já foram perdoados!

Viver o amor... Qu' estranha loucura!
Porqu' o mundo diz: «Deixai de cantar»!
Mas o perfume da vida futura
Traz utilidades pra saber doar...

Amor não pede: É ganho fecundo!
Aperfeiçoa-te com o Teu Senhor,
Cantas alegr' ao deixar este mundo
E dás-te todo, ao morrer d' amor!


segunda-feira, 19 de junho de 2017

HÁ CAMINHOS ERRADOS

















Quem sabe rir vai à festa da vida!
Quantos já vi passar neste caminho,
Olhos no céu, boca ressequida...
Com desejos de sol e de carinho!

Mas... procuram a estrada comprida...
Lá no fundo e com olhar sozinho!
Há quem vá com audácia da lida,
Transpor a luta,  vence o espinho!

Caíram flores... Outras rosa vão vindo!
Vejo que vão num caminho infindo...
Há rosas... Outras virão... E eu preso!

Ao voltar, todos trazem passo triste,
Pla mentira que lá baixo existe...
-Fossem plo amor com olhar aceso!...

Modesto

domingo, 18 de junho de 2017

PRA NÓS NÃO PASSA O TEMPO
























Passem os minutos, dias e anos,
Passem todas as estações do tempo...
Que eu viva, qual tolo, os meus planos,
Ilusões pueris de sentimento.

Eu amar-te-ei em todos os tempos,
Mesmo que durma debaixo das pontes,
Que sofra de saudade uns momentos...
Nos montes, nos vales... há nossas fontes!

Se como a primeira vez fosse única
E apesar de tantas aventuras,
Ainda que outro alguém fosse única...
Só podia vir do céu, lá das alturas!

Se noss' alma vive enamorada
Com o prazer de entrega total
E a nossa vida apaixonada:
- Orgulho de um amor tão brutal!

Qualquer lonjura, pra nós, é estranho...
Não foi esse o comprometimento.
Soubessem todos noss' amor tamanho,
Sabiam: - Pra nós, não passa o tempo!

Modesto

sábado, 17 de junho de 2017

PINTANDO MEUS PENSAMENTOS


















Perdoa por te ter amado tanto,
A ponto de perder-me na paixão.
Perdoa ter padecido o quanto
Mereceu padecer meu coração.

Perdoa-me, ao menos, por enquanto
Em mim pereça esta ilusão
De morrer docemente plo encanto
De viver amando no teu perdão.

Perdoa se te amo tão loucamente,
Com tanto amor, tão perdidamente,
Contente em desfazer o que não fiz.

Perdoa-me, então, eternamente
Pelo sonho qu' a vida te consente...
E deixa-me dizer que sou feliz!

Modesto