Follow by Email

sexta-feira, 30 de junho de 2017

NÃO CULPES OS OUTROS



















Não culpes ninguém pelo teu fracasso:
Tens sangue burguês, vives na penúria?
No mundo imenso, não dás um passo...
Ficas preso nos grilhões da lamuria!

Vai! Recolhe em ti cada pedaço
Que quebraste num momento de fúria,
Ganha a vida com força do braço,
Se não tens comida, vai e procura-a!

E tira a máscara da derrota
Que te estampa a marca no rosto,
Não vivas de desgosto em desgosto.

Reúne forças, ergue-te do lodo,
Vive! Põe os olhos no mundo todo,
Trabalha, mas com vontade e gosto!

Modesto

quinta-feira, 29 de junho de 2017

A FORÇA DO SOL NA TERRA















De manhã, o sol tudo ilumina,
A terra vai ficando aquecida,
O orvalho transforma-s' em neblina,
Mostrando a terra agradecida!

Cada manhã é, para mim, rotina.
Agradeço tê-la bem percebida,
Já que o sol me livra da ruína:
A semente nasce embevecida!

Sabedoria ancestral, divina,
Que do campo tira a vitamina
Que é alimento da minha vida.

Esta foi, em pequeno, a doutrina
Da força da terra que me ensina:
Foi a bênção da Terra Prometida!

Modesto

quarta-feira, 28 de junho de 2017

RENOVAR A MENTE




















Nunca tenhas coração de amargura,
Nem andes, jamais, de coração manchado;
Nunca teus olhos contemplem cois' impura,
E nunca vás p'ronde Deus é profanado.

Ouvido pró que é justo tem aberto:
Na presença do Senhor, sê consciente.
A língua é livre só pró que é certo,
Cada instante procura 'star contente.

Este mundo, de Cristo, 'stá separado:
Não queiras estar no mundo conformado,
Pois sabes que Cristo é o Rei da Glória!

Desceu ao mundo para o ver remido:
Precisas de ser com Cristo parecido,
Dominar sobre tudo, sobr' a história!

Modesto

terça-feira, 27 de junho de 2017

COHERDEIROS COM CRISTO



De tudo o que existe Jesus é herdeiro,
É Verbo Eterno, no homem incarnado.
A Ele pertenc' o universo inteiro,
Para tudo, com Deus, ser reconciliado.

Do império das trevas fui libertado!
Outrora, fui estranho a Deus, inimigo...
Pró Reino da Luz, por Ele fui transportado
E, pela graça de Deus, tornei-me amigo!

Prossigo tranquilo e, com Ele, contente!
O meu desafio é viver diferente,
Procurando prazer na santificação.

Prossigo bem firme, cheio de esperança!
Assim, terei, com Cristo, parte na herança,
Pois trago Seu Espírito no coração!


Modesto





















segunda-feira, 26 de junho de 2017

PERDIDO EM MIM























Perdido em mim como num deserto,
Minh' alma 'stá metid' em labirinto!
Digo muita coisa, nada dá certo,
Digo e contradigo o que sinto!

Vejo o dano e o bem incerto,
À porfia, até a mim desminto!
Tudo me foge quando está certo,
Tudo m' atormenta: É o que sinto!

Eu bem levanto o meu pensamento
Pra me desviar deste movimento,
À procura da Vida escondida!

Bem procuro, no meu conhecimento
O que quer pesar o meu sofrimento...
E peço a Deus a bênção prá Vida!

Modesto

domingo, 25 de junho de 2017

OBRIGADO, MEUS AMIGOS















Agradeço a Deus tanta ventura
Que orna minha vida, meu caminho!
Não me deixou sofrer pela tortura,
Nem que meus pés pisassem um espinho!

Enfeitou os meus dias de ternura,
Recheou minhas horas de carinho!
Na triste solidão trop' amargura,
Nunca deixou que ficasse sozinho!

Obrigado, Meu Deus, pelos amigos
Que m' ajudam, me livram dos perigos
E, que por Ti, estão ao meu dispor!

A todos que me dão tant' amizade
Desejo a maior felicidade,
A graça de Deus e muito amor!

Modesto

sexta-feira, 23 de junho de 2017

PORQUE ESTÁS TRISTE, CORAÇÃO?






















Que tens, meu coração, sempre ansioso?
Sinto-te palpitar continuamente!
Umas vezes gelas triste, duvidoso,
Outras, abrasas-te em desejo ardente!

Umas vezes balanças-te valoroso,
Suportando ausência veemente.
Mas abandonas o passo perigoso
E vais ter com o Amado, mais contente!

Meu Terno Coração, também estás triste?
É o mal, no tempo, qu' ainda resiste?
Não desfaleças, espera mais um dia!..

Suporto o meu pecado que insiste
Em tirar felicidade, como viste...
Coração, traz-me de novo alegria!

Modesto

quinta-feira, 22 de junho de 2017

AVÉ, Ó MÃE !



















Por entre os atropelos desta vida,
No decorrer do sonho e dissabor,
Nossa verdadeira Mãe, despercebida,
Sabe sanar tão bem nosso amargor!...

Quantas vezes, por nós, vive esquecida,
Neste vale de lágrimas e de dor!
Ela está sempre pronta, desprendida,
Quando necessitamos do Seu amor!

E vai sempr' ao nosso lado procurando,
Com Suas mãos bondosas, segurando
A felicidade no nosso caminho.

Ela vai... Anda connosco sem se mostrar,
Não deixando nossos pés se magoar.
Arrumando, sorrindo, tod' o espinho!

Modesto

















quarta-feira, 21 de junho de 2017

DIA DA REFORMA



















No dia que for deixado
Partir, depois de ter ido,
Vou ser vento libertado
E como um desvalido,
Plantar flores no meu prado
Num solo fertilizado
E dá-las ao oprimido.

Vou soltar as estribeiras,
Cavalgar nuvens d' idade,
Vou boiar nas corrdeiras
Dos meus rios represados...
Vou montar a liberdade
Em passeios de beldade,
Com pena dos atrasados.

Meus sonhos, pajens de ninfas,
Luzes, sombras sobre lagos,
Prados em flor, claras, tintas...
Mistérios abafados!
Vou apascentar o gado,
Com segredo bem calado,
Na paz d' ovelhas famintas,
 Vou pra vales bem ervados!

Modesto

terça-feira, 20 de junho de 2017

AMAR É DAR TUDO E DAR-SE A SI MESMO

















Viver o amor é dar sem olhar,
Sem. no mundo, exigir salário,
É dar tudo e sempre sem contar
Pois quem muito ama é perdulário!

O coração transborda de ternura,
Corre ligeiro sem dor nem fraqueza.
Nada melhor do que esta ventura,
Nada mais há do que esta riqueza!

Viver d' amor é banir o temor
Das lembranças dos seus erros passador.
Dos pecados, Deus nem lhes vê a cor
Por Sua Dor, já foram perdoados!

Viver o amor... Qu' estranha loucura!
Porqu' o mundo diz: «Deixai de cantar»!
Mas o perfume da vida futura
Traz utilidades pra saber doar...

Amor não pede: É ganho fecundo!
Aperfeiçoa-te com o Teu Senhor,
Cantas alegr' ao deixar este mundo
E dás-te todo, ao morrer d' amor!


segunda-feira, 19 de junho de 2017

HÁ CAMINHOS ERRADOS

















Quem sabe rir vai à festa da vida!
Quantos já vi passar neste caminho,
Olhos no céu, boca ressequida...
Com desejos de sol e de carinho!

Mas... procuram a estrada comprida...
Lá no fundo e com olhar sozinho!
Há quem vá com audácia da lida,
Transpor a luta,  vence o espinho!

Caíram flores... Outras rosa vão vindo!
Vejo que vão num caminho infindo...
Há rosas... Outras virão... E eu preso!

Ao voltar, todos trazem passo triste,
Pla mentira que lá baixo existe...
-Fossem plo amor com olhar aceso!...

Modesto

domingo, 18 de junho de 2017

PRA NÓS NÃO PASSA O TEMPO
























Passem os minutos, dias e anos,
Passem todas as estações do tempo...
Que eu viva, qual tolo, os meus planos,
Ilusões pueris de sentimento.

Eu amar-te-ei em todos os tempos,
Mesmo que durma debaixo das pontes,
Que sofra de saudade uns momentos...
Nos montes, nos vales... há nossas fontes!

Se como a primeira vez fosse única
E apesar de tantas aventuras,
Ainda que outro alguém fosse única...
Só podia vir do céu, lá das alturas!

Se noss' alma vive enamorada
Com o prazer de entrega total
E a nossa vida apaixonada:
- Orgulho de um amor tão brutal!

Qualquer lonjura, pra nós, é estranho...
Não foi esse o comprometimento.
Soubessem todos noss' amor tamanho,
Sabiam: - Pra nós, não passa o tempo!

Modesto

sábado, 17 de junho de 2017

PINTANDO MEUS PENSAMENTOS


















Perdoa por te ter amado tanto,
A ponto de perder-me na paixão.
Perdoa ter padecido o quanto
Mereceu padecer meu coração.

Perdoa-me, ao menos, por enquanto
Em mim pereça esta ilusão
De morrer docemente plo encanto
De viver amando no teu perdão.

Perdoa se te amo tão loucamente,
Com tanto amor, tão perdidamente,
Contente em desfazer o que não fiz.

Perdoa-me, então, eternamente
Pelo sonho qu' a vida te consente...
E deixa-me dizer que sou feliz!

Modesto

sexta-feira, 16 de junho de 2017

RECORDAÇÕES



















Recordo a lua cheia a elevar-se
Lá, pelo céu azul, numa noite mansa,
Prateando os espaços, a espalhar-se
Sobre a terra, em luz branca de bonança.

Recordo a estrada longa,procurando
Achar, no monte, o verde da esperança!
Só vi tocador com seu violão cantando
Seu mistério insondável ou lembrança.

Recordo o grito agudo dum lamento
Que se mistura com o sibilar do vento
E bate em cheio neste meu coração.

Recordo sublime visão de quem amei,
Que fugiu de mim e nunca a alcancei...
Está retida na minha recordação!

Modesto

quinta-feira, 15 de junho de 2017

A ALMA É A ESSÊNCIA


















Quando a morte chegar ao pé de mim
E, com voz soturna, me disser: É hora!
Sei que a vida não termina assim...
Não sentirei pena de me ir embora.

Como a rosa que murcha num jardim
E não verá jamais a luz da aurora,
Também o meu corpo vai chegar ao fim,
Como gota d' orvalho se evapora.

No caminho difícil da existência,
Sou eu também parcela dessa essência
E a alma é a força que m' habita.

Quem me criou e me habitou foi Deus,
Me sustentou e guiou os passos meus,
A alma Nele vive, é infinita!

Modesto

quarta-feira, 14 de junho de 2017

O QUE É VIVER?


















Viver... o que é viver? É caminhar
Em passo decidido ou inseguro
Sem olhar para trás e sem perguntar
Onde leva a 'strada, a que futuro?

É pensar, é sentir... ou só respirar
Em campo aberto ou num buraco 'scuro?...
É juntar forças e conseguir saltar,
Mesmo qu' à frente esteja um muro?...

Como marioneta, obedecer
A quem sabe mover os seus cordelinhos.
Mostrando o que não é, mas que parece?...

É rir, chorar, agir... O que é viver?
Andar sem planos a desbravar caminhos?...
É sonhar?... O mistério permanece!

Modesto

terça-feira, 13 de junho de 2017

A LUZ DA NATUREZA



















A luz que eu gosto, luz que eu amo,
Movimento vital da Natureza!
Todas as vezes que por ela chamo,
Ensina-me segredos de beleza!

Mostra-m' a graça dos pequenos ramos,
A força daqueles que têm grandeza.
Fala-me da vida, de combate calmo,
Ajuda a suavizar rudeza!

Dá-me enlevo, deslumbra imenso,
Dá fé aos meus sonhos que condenso
Na esfera dos constelados mantos!

Defende-me dos perigos com crença
E cerca-me de uma paz imensa,
Tira-me a solidão e os prantos!

Modesto

segunda-feira, 12 de junho de 2017

A MESA DO POBRE



















O pobre, ó meu Deus, quanta grandeza
Nessa brandura, quanta majestade!
Ser grande sempre, n' infeliz pobreza...
Como é qu' há-de viver, como há-de?

Lá vem uma lágrima! E à mesa,
Suas baixelas são d' imensidade...
Nos seus manjares, há sempre surpresa:
Pratos de couves... mas felicidade!

Num instante, olhos rasos d' água,
Na ligeira oscilação da mágoa,
Faz a sua oração bem sonora!

Seu sereno pensamento expande...
Olha prós filhos, pequeno e grande
E diz-lhes: O mar é grande e chora!

Modesto

sábado, 10 de junho de 2017

SOU LIVRE

















Sou livre da matéria escrava,
Arrancando grilhões que me flagelam.
A alma empresta-me sua lava...
Sou livre de entrar nos Dons que selam.

Livre da humana terrestre baba
Dos corações frios que me regelam,
Contra a infâmia que deprava,
Logo que os sentidos se revelam.

Sou livre para viver bem mais puro
Junto à Natureza, mais seguro
Do seu amor e toda a justiça.

Sou livre para sentir a beleza
E gozar da universal grandeza,
Sou livre na paisagem que buliça.

Modesto

sexta-feira, 9 de junho de 2017

A BONDADE DA MINHA AMADA




















É a bondade que te faz formosa:
Ela diviniza-te... transfigura,
Perfuma-te com perfume de rosa
És a beleza da sua ternura!

Teu ser angélico de luz bondosa
Verte no meu ser a subtil doçura,
Encanto, uma paz maravilhosa,
Uma celeste límpida frescura!

Contigo, afronto todos os ismos,
Os profundos e mórbidos abismos
Que busquem tentar-me no meu caminho.

Na suave e doce claridade,
Consolo de amor dessa bondade,
Ponho na minh' alma o teu carinho.

Modesto

quinta-feira, 8 de junho de 2017

O CAVADOR



















Com a lanterna dum sonho bem restrito,
Vai para os campos, os mais intragáveis...
Na alma, profundo soluçado grito,
Vai abafando as queixas implacáveis.

Ânsias, desejos... coração contrito
Sente. Vê no céu estrelas inefáveis,
O cavador observa o infinito...
Cava desde altas eras insondáveis!

E quanto mais ele nos seus campos cava,
Mais a lavoura se transforma em lava
E seu suor corre todas as distâncias.

Alto levanta a lanterna do sonho!
E com o seu corpo pálido, tristonho,
Cava objectivos com eternas ânsias!

Modesto

quarta-feira, 7 de junho de 2017

SEGREDO DA VIDA

















Há um sentido profundo
Por cima de cada coisa,
No caos que vive o mundo,
Ordem em cada um poisa.

Com trabalho incessante,
Sem olhar prás nossas dores,
Um sazonal int'ressante,
Que desabrocha as flores.

Há perfeição invisível
No silêncio do ser:
Sentimento é possível,
Com mágoas a florescer.

Só há ordem s' há querer
E é preciso concórdia.
Suaviza nosso ser,
Se houver misericórdia.

Modesto

terça-feira, 6 de junho de 2017

NASCI AO PÉ DOS MONTES

















Eu nasci ao pé dos montes
E do Douro a cantar
A canção das frescas fontes,
Ond' aprendi a rimar.

Eu sei a língua das fontes,
Falo com águas do mar...
Lá, vi belos horizontes,
Nesta terra singular.

Senti-m' irmão dessas águas,
Entendo bem suas mágoas,
Compreendo seus segredos.

Gosto do rochedo mudo,
Conheço lá quase tudo,
Sinto-m' irmão dos penedos.

Modesto

segunda-feira, 5 de junho de 2017

SINTOMAS DE MELANCOLIA















Terra minha de infinitos lados,
Verdes vales entre serras nascida,
Tempos idos e amores passados...
Levei comigo mágoa e ferida!

As aves entoam suas cantigas,
Árvores sobr' o Douro debruçadas,
Águas que parecem sempre antigas,
Crepúculos de sonho fatigados!

Lá, adormeci olhando a lua,
Aqui, vejo luar da minha rua
Ancorada na minha solidão.

Às vezes parece a lua dela
Quando a vejo da minha janela...
Chora de saudade meu coração!

Modesto

domingo, 4 de junho de 2017

ESPÍRITO SANTO

























Espírito Santo, por Ti eu clamo,
Eu Te cravo em mim. Por Ti espero
A cada instante. Eu Te amo,
Sabendo que vens a mim e Te quero.

Deus Amor, eu Te dou o que mais quero,
Acredito em Ti e Te reclamo.
Sapiência eterna, venero
A Tua divindade, Te proclamo.

Fortaleza, sinto-Te necessário.
A Ti me uno, eu que já fui vário
E fraco para todas as batalhas.

Conselheiro, na glória firmado,
Bendigo o amor que me é dado
E peço que, na partida, me valhas.

Modesto

sábado, 3 de junho de 2017

NESTA MANHÃ



















Quero dar-t' o infinito,
Se me deres, sem um  grito,
Uma cantiga bem pura
Que pareça mais ternura
Do que teu amor aflito.

Quero teu corpo aberto,
Com' o céu sobr' o deserto,
No meu sonho mais contrito.
Como se fosse alegria,
Numa simples sinfonia
Do teu amor bem bonito.

Como rosa enlunada
E que foi por mim plantada,
Na beira do teu jardim.
Ilumina coração,
Na sombra desta paixão
Da manhã ao pé de mim.

Modesto

sexta-feira, 2 de junho de 2017

NÃO TEMAS A VIDA

















Não temas, menina! Enfrenta a vida,
Vai sorrindo com ela até ao fim!
Eu também era assim, na recaída,
Quase um fantoche nas mãos do sem-fim!

Hoje, a vida respeita o meu dia
E, entre mim e ela , será assim.
Antes, ela alguma coisa pedia,
Hoje, a vida só vive para mim.

Quando, persistente, ela me ignora,
Tão tola e pertinaz, quer ir embora,
Eu armo-lhe logo uma emboscada!

Aplico o remédio que ela gosta
E subimos juntos a mesma encosta...
Submissa, segue-me na mesma estrada!

Modesto


quinta-feira, 1 de junho de 2017

VOLTA, MUSA !



















Por onde andas tu, Musa graciosa
Que te escondes na noite orvalhada,
Sobre as névoas, voas vaporosa
E tens a face na sombra mergulhada?

Baixa do céu num vôo harmonioso
E vem ver minha vida desesperada!
Oh! Vem à janela, ser misterioso,
Traz a minha fantasia renovada!

Eu já te procurei desde o sul ao norte,
Não te encontrei... Tu és minha sorte
E, sem sonhos, meu coração desespera!

Eras a estrela, mas te apagaste,
Como estrela-cadente, t' afastaste...
Tu és o mote que minh' alma espera!

Modesto