quinta-feira, 31 de maio de 2012

DESPEDIDA DE MAIO


















Maio, és o mês das festas,
Melodias triunfantes
Com perfume das giestas
E das flores mais galantes.

Primavera verdejante,
Força nova coroada,
Na seara ondolante
E papoila encarnada.

És descantes de ternura
Dos pássaros nos pinhais
E do bom ar de frescura
Com brisas desiguais.


Mês do toque Avé-Marias
Murmuradas nas Ermidas...
Começo das romarias
E das noites mal dormidas.

Dos rouxinóis nos choupais,
Das bênçãos da Mãe de Deus,
Dos perfumes dos rosais...
Trovoadas pelos céus.

Pelos vales, à tardinha,
Em risadas de surpresa...
Sonhos d'ânsia à noitinha:
Juventude, Natureza!

Vais, mas deixas nostalgia
No coração que é teu...
E teu sol do fim do dia
Leva-me até ao céu!

Modesto

quarta-feira, 30 de maio de 2012

COMO É TRATADA A 3ª IDADE
















Que triste é o olhar tão sofredor
Deste irmão destroçado pela vida,
Desejando um pouco mais de amor,
Neste mundo que não lhe dá guarida!

Num gesto d'humildade, pede, suplica
Um carinho ou um abraço fraterno.
E este mundo egoísta mal fica,
Ao transformar-lhe a vida num inferno!

Por toda a sua vida trabalhou
E em suor e lágrimas se doou,
Mas espremeram-lhe todo o seu sumo!

Quando velho, o mundo o arrumou,
Numa reforma do pouco que sobrou,
Abandonado num caminho sem rumo!

Modesto

terça-feira, 29 de maio de 2012

POETA SOLITÁRIO
















Solidão?... O poeta não está só:
Tem nas palavras uma companhia,
Vai combinando notas: sol, mi, dó
No papel- piano da poesia!

Escreve, lê e vai rectificando,
Centrado no seu verso preferido...
E assim o seu tempo vai passando
Com rimas que ao poema dê sentido.

Está de sonhos bem acompanhado,
Que lhe rodam na cabeça em valsa.
Sua caneta segue o bailado
E sai um poema sem nota falsa.

Mas... Quantas vezes, no seu desespero,
Faz poemas com palavras cruéis:
Quer fazer versos com tanto esmero
Que acabam no cesto dos papéis!

Na poesia, solidão não há!
O poeta tem perto companhia:
Musa inspiradora que lhe dá
As rimas da dor com a alegria.

Modesto

segunda-feira, 28 de maio de 2012

CARÊNCIAS DA VIDA














Como posso eu calar o teu grito
Que sem dúvida não podes conter,
Se vagueias por todo o Distrito
Na busca do que não te deixam ter?

Como posso eu estender-t'a mão
Pra suavizar o teu sofrimento,
Se lá no fundo do teu coração
Já s'apagou a luz do sentimento?

Como posso eu arranjar-t'um lar
Mesmo pequeno, de pouco valor,
S'as 'squinas da rua e o luar
São a única 'sperança d'amor?

Como posso eu melhorar-t'a vida,
Se preambulas com fome bem dura,
Sem voz, sem qu'alguém te seja querida
E sujeito à morte prematura?

Nem sempre a minha vida é perfeita...
Mas tenho que lutar pra conquistar
Alívio prá gente insatisfeita,
Sem esquecer que viver é amar!

Modesto

domingo, 27 de maio de 2012

OS DONS DO ESPÍRITO SANTO

















Ó Deus de Amor, inunda
Meu coração de clemência,
Escuta a prece profunda,
Dá-me, Senhor, Sapiência!

Luto p'la vida, cansado,
Ela corre com'o vento!
Com o Teu Sopro Sagrado,
Dá-me o Entendimento!

Vem ao Mundo e conduz
Criança, jovem e velho...
Com raios de Tua Luz,
Ilumina, dá Conselho!

Em jovem, tinh' ideal...
Mas vivi na incerteza!
Com Teu Amor Divinal,
Dá-me, Senhor, Fortaleza!

Na vida, tive atitude
Tão pobre d'inteligência...
Quero viver na virtude:
Dá-me o Dom da Ciência!

'Stou, com'os pobres mortais,
Ferido d'ansiedade...
Acalma, Senhor, os meus ais
Com o Dom da Piedade!

Sou um pobre peregrino,
Em caminho par'os Céus:
Concede-m'um bom destino
E dá-me o Temor de Deus!

Modesto

sábado, 26 de maio de 2012

ESCRITO NAS ESTRELAS


















As estrelas escreveram nosso amor
Em florinhas de contraste amarelo,
O céu continha contraste bicolor
A registar tudo o que há de mais belo.

Nosso amor uma 'strela registou,
Em cascata salpicada de alvéolos.
O céu azul nosso destino traçou:
Que um dia andaremos de chinelos...

Sobre a relva andámos com ardor,
Felizes, mantivemos nosso frescor,
Entrelaçados, formámos nossos elos.

Astros testemunharam nossos gracejos,
Aplaudindo nosso amor, nossos beijos...
Felicidade sem disfarce... Anelos!

Modesto

sexta-feira, 25 de maio de 2012

MINHA TERRA, MEU CANTEIRO




















O orvalho foi-se embora
Do vale da minha serra
E o sol brilha agora,
àquecer a minha terra.

Tenh'um jardim cá à beira
Num canto bem soalheiro,
Tenho lá uma figueira
E sombra dum castanheiro.

Sempre que eu cá estou,
Neste oásis de beleza,
Uma flor nova brotou
A dar vida à Natureza.

Meus pássaros predilectos
Cantam bela sinfonia,
Em coro com meus afectos...
Juntam-s'à minh'alegria.

Hoje, como estou contente,
Aqui neste meu cantinho!
Desfruto alegremente
Deste lugar tão fresquinho!

Apesar da minha idade,
Vou pró meio da ramagem:
Recordo a mocidade
No meio desta paisagem!

Tod'a gente é minh'amiga
De coração verdadeiro:
Que Deus sempre a bendiga,
Por tratar do meu canteiro!

Modesto

quinta-feira, 24 de maio de 2012

PELA DOR PARA A ALEGRIA

















Pela dor conheci a alegria.
Pela dor soube qu'uma Luz existe,
Sem Ela vivi no meu reino triste,
Enquant'a madrugada amanhecia.

Foi alegria duma manhã fria,
Com vento de pôr cabelo em riste...
Descobri qu'a Primavera existe
E maravilhosamente rompia!

Senti-a perto e com o sol junto!
Respondeu-me àquilo que pergunto:
- Trazes remédio pra minha ferida?

Tudo se iluminou em beleza!
Desapareceu a minha tristeza:
- A alegria faz bela a vida!

Modesto

quarta-feira, 23 de maio de 2012

BENDITA VIDA

Bendigo-te, minha vida:
Não desisti da esp'rança;
Sem penas imerecidas;
Vida terna em criança!

Conquistei meu destino
Em mel e fel... Honrosas
Coisas em rude caminho...
E semeei belas rosas!

Vida, jóia amorosa,
Com caminhada serena...
Vivi com honra briosa,
Na Terra que deixa pena.

Admirei a Natureza,
Cuidei dela com'idóneo,
Apreciei a beleza
E dei o seu a seu dono.



Procurei a alegria,
Vivi sempre com verdade
E tive Deus como Guia:
Ele deu-m'a liberdade!

É Outono! Vem o Inverno...
Com amor, tudo se faz!
Mesmo se eu fosse eterno,
Viveria a vida em paz!

Modesto

terça-feira, 22 de maio de 2012

O ALTIVO CIPRESTE

Debruçado, cismando, na janela,
Desfruto do teu topo altivo e forte:
Tu buscas a estrela do teu norte,
Eu o oriente à minha estrela.

Sonhas altiva - eu humilde - glória:
Ambos no mesmo anseio imenso!
Eu, no sonhar, o meu viver condenso,
Tu, nas alturas, ganhas a vitória!

Enquanto, neste anseio inconsciente,
Tu queres subir alto... tens na mente
O teu cíprico voar pelos céus!

Eu busco noutros céus, inda mais belos,
A meta a que se votam meus anelos,
Na adoração extática de Deus!





Modesto

segunda-feira, 21 de maio de 2012

VIDA PARADISÍACA


















Bons momentos da vida passam a voar,
Energias celestes envolvem minh'alma,
Meus olhos vêem o que estou a pensar:
Voo pelo espaço nas asas da calma!

O sol reluz e acende a minha chama.
Então, vejo o vai-vem das ondas do mar,
Verdes pastos, o Pastor qu'o rebanho chama,
As paisagens da montanha de admirar!

A lua me diz qu'a noite 'stá a chegar,
O arrebol traz melancolia à alma,
Sinto-me planar entre a luz que m'acalma!

Sensação de leveza faz-me sonhar...
Penso, com saudade, nos tempos de criança:
Com'ela quero ser, é minha esperança!

Modesto

domingo, 20 de maio de 2012

ASCENSÃO


Hoje tive um sonho lindo
Que passo a revelar:
Um Céu azul luzindo,
Com estrelas e luar.

Vi astros em harmonia,
Reflectindo luz e cor,
Vibravam com alegria,
Transmitindo Paz e Amor.

Vi ao Céu Jesus subindo
Com a mão a abençoar.
Os Anjos foram surgindo,
Prostrando-s'a adorar.





Depois de tanto sofrer,
Ao Céu tinha que voltar.                                                                                                                  
Com Amor veio dizer
Para nunca mais pecar.
                                         
Vi no Mundo coisa bela:
Todo o Homem a rezar,
Toda a vida era singela,
Conjugando o verbo amar!

Modesto




















sábado, 19 de maio de 2012

CONJUGANDO O VERBO AMAR























EU AMO porque assim mandou Cristo:
Para amarmos como Ele amou,
Mistério tão simples como isto:
Foi o destino que Deus me traçou.

TU AMAS porque vês o amor meu,
Reflexo da minha vida doada.
Vendo a ternura que te acolheu,
Segues o exemplo da minha estrada.

ELE AMA porque sabe que o amor
É força que faz o mundo girar,
Que o progresso está no labor
E não pode ser feliz sem amar.

NÓS AMAMOS por todas as razões:
Tornamos a vida maravilhosa,
O amor acalma os corações,
Por amor oferecemos linda rosa.

VÓS AMAIS, pois amar é a verdade
Que faz viver a fé que vos foi dada
E, por ela, viveis com humildade,
Com vida da vaidade despojada.

ELES AMAM como em fraternidade,
Tratam o outro como um irmão,
Não humilham a subalternidade...
Aprendem a viver com coração!  
                                                              
Modesto

sexta-feira, 18 de maio de 2012

OS MEUS POEMAS

Foram tantos sonhos qu'imaginei
E tantos poemas que escrevi,
Tantas poesias que rimei...
Foram-se ao vento! Não mais as vi!

Era poesia d'amor rimada,
Rimas que já não sei ond'encrontrei!
Falavam do luar, da madrugada,
Do sofrimento... De quê, mais não sei!

Poesias pra eu próprio ler,
Feitas só para passar o meu tempo.
Alguma, nunca irei esquecer,
Outra, escrevi-a só pró momento.

Escrevi memórias do passado,
Da infância nunca esquecida,
Da juventude ter ultrapassado,
Que de certo modo, não foi vivida.



Mas, muitas coisas não vou esquecê-las!
Momentos que não quero apagar:
Pois, são como o brilho das estrelas,
Porque foram vividos ao luar!

É saudade que na mente injecta
Poemas que não dão pra esquecer!
A mente criativa do poeta
Inspira-se bem, ao amanhecer!

Modesto

quinta-feira, 17 de maio de 2012

À SOMBRA DAS ÁRVORES


















A sombra das árvores m'apazigua!
Quando vou visitar a minh'aldeia,
Ouço os pássaros até vir a lua
E minh'alma fica de saudades cheia!

Peço à lua que me dê segurança
E vou lavar a cara no fresco poço...
Volto a ficar com olhar de criança
E, vendo-me de perfil, sinto-me moço!

Vejo a vida como via os Anjos
Com' em sonhos eram, quando pequenino,
E colhia flores pra fazer arranjos.

Fazia coisas simples, engraçadas,
Com flores amarradas num freixo fino,
Oferecidas à Mãe... Coisas passadas!
                                                                  
Modesto

quarta-feira, 16 de maio de 2012

O SENTIDO DA VIDA


















Pelos caminhos da vida,
Devemos sempre sorrir
Duma 'sperança perdida,
Mesmo s'ela nos ferir.

Entregar-s'à solidão
Ou tristeza sem sentido?
Mas se não há coração
Que nunca tenha sofrido!...

Se pensarmos no futuro,
Haja fé, seguir em frente,
Procurar porto seguro...
Viver melhor o presente.

Se alguém nos der a mão,
Nada estará perdido.
Sonhemos... Sem ilusão!
Vida? Só tem um sentido:

É amar e ser feliz,
É viver em liberdade,
Viver como um petiz,
Ajudar com caridade.

Modesto

terça-feira, 15 de maio de 2012

SONHO NA MONTANHA


















Caminhando pelas serras escuras
E sem visão pelas trevas impuras,
Levo a rosa vermelha na mão.
Ao longe, brilham teus olhos ardentes,
Ouço gritar teus lábios fermentes
Que lançam fogo no meu coração!

Tacteando os pés, com meu remorso,
Monto o corcel, de bruços, no dorso
E galopo nos vales através.
De repente descem as nuvens densas,
Nada vejo e tenho as mãos tensas...
E uma fada a puxar-m'os pés!

- Aonde vais pelas trevas impuras,
Cavaleiro, nas nuvens escuras,
Macilento como morto na tumba?
O que escutas na longa montanha
É o fantasma que te acompanha,
É clamor de vingança que retumba!

- Quem és tu e porquê este mistério?
Por ela, até venço um império,
Nesta noite assombrada sem luar!
Tenho um sonho que me dá 'sperança!
E tu vai-te embora e descansa,
Porque minha amada hei-de salvar!

Galopei entre as trevas impuras
E atravessei as nuvens escuras...
Lá no alto da montanha a vejo!
Vi uma fada com ela a lutar!
Lutei com ela para a desarmar...
E minha amada deu-me um beijo!

Modesto

segunda-feira, 14 de maio de 2012

INDIFERENÇA























Deixaste na sombra a minha presença,
Quando escrevia versos dolorosos!
Meus olhos viram tua indiferença...
Minh'alma colhia cardos espinhosos.

Enchi-me de melancolia, sofri...
E vivi, por alguns dias, sofocado!
Rasguei meus versos e livros qu'escrevi
E, em tristeza, passei um mau bocado!

Foi-se um pouco de mim e não m'agrada.
Solitário, remouo a consciência...
Da tua indiferença, não sei nada!

E, com dores sobrevivo... Mas lamento
O teu alheamento, tua ausência...
Fiquei no abismo do esquecimento!

Modesto

domingo, 13 de maio de 2012

VIDA COM SENTIDO















A vida não é um sonho
Como é costume dizer.
Em cada dia eu ponho
A vida a remexer.

Se houver nuvens sombrias,
Vejo as rosas florir.
Lamentações, nalguns dias...
Porquê não fazer sorrir?

Vivendo alegremente,
As horas lá vão passando...
Vivo-as na minha mente,
gozo-as e... vão voando!

Se a tristeza aparece
Ou se a dor me afunda...
Rezo Melhor uma prece
Com esperança profunda.

Faço a vida dourada
Pra tudo se sentir bem,
Não respondo mal a nada
E julgo tudo por bem.

Modesto

SENHORA DE FÁTIMA, SALVAI PORUGAL

Add caption




































Ó Maria, Mãe Piedosa e Boa,
Guia-nos p'la Tua sombra Sacrossanta!
 Os Teus filhos Portugueses abençoa,
Assim, com devoção, Portugal Te canta!

Vê como o Povo sofre, Mãe Santa!
Pede por nós ao Pai em prece que soa
Como eflúvio de amor! Levanta
Nossa alma, donde a oração ecoa!

Bondosa Mãe de Jesus Nazareno,
Consolação dos pobres, Luz radiosa!
Livra-nos do náufrago, faz mar sereno!

Escuta compassiva do Povo a voz,
Senhora de Fátima, ó Piedosa,
Pede ao Senhor Sua bênção sobre nós!

Modesto

sábado, 12 de maio de 2012

O BOSQUE AMIGO
















No caminho, a subida era dura!
Indo a correr, como fugitivo...
Junto a ti, via-te pensativo,
Debaixo das ramagens de verdura.

Ia sozinho e em ti pensando,
Entre a verdura e sol soalheiro,
Partilhando as regras, conselheiro,
E sonhos de futuro almejando.

Depois, corria pela sombra densa
Deste bosque amigo, amoroso,
Vendo pássaros a voar em bando.

Sobre as árvores a luz era intensa,
O silêncio era tão gostoso...
No verde bosque, tudo ia dançando!

Modesto

sexta-feira, 11 de maio de 2012

A VIDA, O BELO E O DIVINO























Os momentos superiores da alma
Estão no silêncio ou solidão.
Se pensarmos em nós próprios com calma,
Vemos a vida com mais exactidão.

Quando a própria alma ao céu subiu,
Num patamar tão alto de consciência,
Reconheceu, acreditou e sentiu
O benefício da Omnipotência.

Uma meditação tão rara, tão bela,
Aspira ao Absoluto, qual estrela...
É já revelação da Eternidade.

A alma aspira à vida mais pura,
Sente a Misericórdia segura,
Como substância d'imortalidade.
                                                                  
Modesto

quinta-feira, 10 de maio de 2012

SAUDADES DE TI


















Sande, terra banhada pelo Douro,
Com um pôr-do-sol exuberante...
As tua colinas são um tesouro:
Ninguém as esquece. mesmo distante! 
                          
São um orgulho as tuas montanhas
De horizonte belo com paisagem!
As gentes tiram das suas entranhas
Seu sustento com esforço e coragem.

Cada campo tem a sua magia
Em cada ravina há belas flores,
Maviosos bosques de poesia,
Donde nascem sempre novos amores.

Por ti enamorado, te declaro
Que 'stá sempre aí meu coração!
Com meus versos, quero que fique claro
Que longe de ti, sinto solidão!

Modesto

quarta-feira, 9 de maio de 2012

CAMINHANDO À CHUVA
















Caminhando quando chove,
A tristeza me comove
E mexe na ilusão.
É tanta água que cai
Que na minha alma vai
O chorar do violão!

Na paisagem se semeia
A minha dor que trauteia,
Tentando uma canção.
Mas a alma me avisa
Qu'há limite na divisa
Que se chama solidão.

Então meus sonhos percorro...
Algum vem pedir socorro,
Por só ver escuridão.
Tento voltar ao passado,
Quand'à chuva era guiado,
P'la força do coração.

Modesto

PINTASSILGO AMARELO
















Quando tu me divertias,
Gostava tanto de ti!
Cantavas o que querias...
Pena não te ter aqui!

De manhã, me despertavas,
Com a tua cantadeira.
Guiando-me, me levavas,
Prá floresta, na clareira.

Eu procurava aprender
As canções que tu cantavas,
Com minha voz a tremer,
Meu coração já dançava...

Hoje, tudo s'acabou,
Até a canção briosa!
E Tudo se esfumou,
Em nuvem silenciosa!

Meu pintassilgo amarelo,
Companheiro de criança!
Quanto eu por ti anelo,
Na vida sempre em mudança!

Modesto

terça-feira, 8 de maio de 2012

MARCO, TERRA ENCANTADA


















Sigo tua história que me conduz
De encontro ao campo, ao firmamento.
Reverencio a terra em que pus
A saudade, o amor e o alento.

Um apego tão grande trago em mim
Que ouço tua gente a respirar,
Num óptimo destino... Digo assim,
E seu progresso vive a aclamar!

É voz entoada qu'ecoa vibrante
E, um dia, ao seu destino foi lançada,
Num Concelho que procura ser brilhante!

Terra de sonho, imagem encantada!
Destino de sossego pró emigrante
Que aqui iniciou a caminhada!

Modesto

segunda-feira, 7 de maio de 2012

OH! SOL DE MAIO!...
















O sol já não brilha lá no alto
E eu que preciso tanto de calor!
Vem sol! Vem aquecer-me e ao asfalto
Como em qualquer Verão abrasador!

Oh! Sol da minh'alma, desfaz este gelo,
Deixa correr um Maio mais constante!
Vê: Entre lágrimas vai o meu apelo:
Faz que meu jardim volte a ser brilhante!

Agora diz-me: Por onde tens andado?
O meu cansaço já é demasiado,
Pois minhas flores têm falta de cor!

Passas a correr tanto que nem te vejo,
As minhas rosas precisam do teu beijo!
Desbotadas, não servem pró meu amor!...

Modesto

domingo, 6 de maio de 2012

MÃE E MULHER























Mãe e Mulher são dois seres diferentes:
Ser Mãe, alma de amor e doação,
Ser Mulher, Vida cheia de emoção.
As duas completam-se, send'exigentes.

Embora precisassem ser uma só,
Porque quem ama sabe também ser mãe!
Mas, ser Mulher, isto nem sempre se põe...
Mais tarde, amando... não quer se Avó!

Sabemos que a Mulher qu'o é de verdade,
S'entristece quando não pode ser mãe
E essa carência sente-a bem!
As lágrimas caem com severidade...

A Mulher é sempre ternura, carinho...
Oferec' amor, alimenta desejo,
Faz ouvir melodias com um simples beijo,
Faz nascer amor, ilumina caminho...

Tal a força da solidariedade,
Que entre elas, tecem verdadeiramente
A compreensão, que naturalmente,
Enlaça a inteligibilidade. 

Modesto

sábado, 5 de maio de 2012

O QUE MAIS QUERO















Sabes, Meu Jesus, o que quero é crer-Te,
Eu já sei que a mim todo queres dar-Te,
Não tenho outro prazer que agradar-Te
E vou prometer nunca mais ofender-Te.

Vou fazer tudo para bem conhecer-Te,
Quero deixar tudo para procurar-Te,
Quero perder tudo para encontrar-Te,
Quero ignorar tudo para saber-Te.

Quero, Meu Amado Jesus, abismar-me
E no Teu Fogo de Amor abrasar-me,
Nesse doce enlevo curar minha f'rida.

E quero, por fim, em Ti transfigurar-me,
Perder-me em Ti e não mais encontrar-me,
Morrer para mim e viver Tua Vida.

Modesto

ESTE MAIO!...























Com as folhas a secar
E a chuva a cair,
As árvores a abanar...
Lá temos que resistir!

Não podemos semear
Na horta nem no jardim!
Zangados? Não! Confiar...
Pois o Maio é assim!

O Maio tem artimanhas
Que nem deixam ver navios!
Há quedas d'águas tamanhas
E tempos de arrepios...

Gostava de ir à praia,
Maio pode ter calor!...
Deixemos qu'o frio saia
Que Junho será melhor!

Modesto

sexta-feira, 4 de maio de 2012

EU NUNCA TE ESQUECEREI























A meio da tarde, na floresta encantada,
Cheínha de fadas rosadas e singelas,
Encontrei uma serena princesa alada
Muito mais bela que as mais belas estrelas.

Era tão delicada e apaixonada
Que meu coração começou a doer.
Ofereceu-me flores com a mão alada
E chá melancólico pra eu aquecer.

Ainda qu'a tarde fosse ensolarada,
Eu tremia de frio com barba 'spetada...
Ofereceu-me o chá e roubou-me um beijo.

Já no crepúsculo do fim da tarde,
De mãos dadas no ar, eu sinto que me arde
O coração com saudade de quem não vejo!

Modesto

A INFLUÊNCIA DAS FADAS

















O mundo dos gnomos,duendes e fadas
Enchem minha mente de falsos amores,
Frequentam os meus sonhos nas madrugadas
Com lendas nunca vistas e bons fulgores.

Enviam-me mensagens descontraídas,
Belíssimas cenas - sonhando eu via -
Parecem tão reais, sem vidas sombrias,
Que me ajudam a fazer poesia.

Eu só preciso que minh'alma entenda!
Eu sei qu' há sonhos e cenas que são lendas,
Gosto mais de sonhar a realidade.

Por mais que pense em amor dividido,
Meu coração se considera traído...
Prefiro a vida real com verdade.

Modesto

quinta-feira, 3 de maio de 2012

FLORES DE MAIO
















Belas flores coloridas eu vejo,
Desde o despertar do dia primeiro,
Seu perfume conquistou meu desejo,
Como se fosse o amor primeiro.

Maio, o mês das belíssimas flores
Que abrem ao sol e fecham à lua...
São os meus encantos, os meus amores:
Amor-perfeito e a rosa tua.

Apaixonei-me p'la mais bela flor:
Foi quando o teu amor me cegou.
Para te conquistar, foi sofredor:
Eras flor com'spinho... Mas que secou.

Maio é um mês com muita magia,
Com flores que se balançam ao vento...
Seu perfume dá-nos tant'alegria,
Por ser o mês do nosso casamento...

Modesto

ENCANTADO COM OS ENCANTOS


















Cantos, encantos, um sonho, uma ideia,
Uma música, um tempo, um lugar,
Uma lembrança que me vem da aldeia...
Saudade! Tão longe... se perde no ar!

Um espaço guardado no horizonte,
Um olhar... sei que um dia vai voltar!
Um romance de amor na fresca fonte,
Lembrança dum sorriso de encantar!

Memória, história que faz bem,
D'uma noite de luar com outro alguém,
Belo sonho da canção qu'ainda canto!

Um passeio no campo, um corridinho,
Uma flor e um cantar de passarinho,
Um poema, um anseio... Um encanto!

Modesto

quarta-feira, 2 de maio de 2012

CHUVA DE MAIO























Quando a chuva cai no teu olhar,
Deixa qu'o calor d'alegria a enxugue.
Chuva de Maio! Deixa-te molhar!
É água de vida... Talvez ajude!

Lembras-te das nossas gotas d'amor
Que tiravam as dores das feridas?
Tu sorrias com rosto em rubor,
Eu só queria gotas repetidas!

As chuvas de Maio caem ainda
E tu, à chuva, continuas linda
E essas gotas têm bom sabor!

Que venha muita chuva bem caída!
S'a água é símbolo de vida,
Que regue a nossa com muito amor!

Modesto

terça-feira, 1 de maio de 2012

S. JOSÉ OPERÁRIO























José, Justo homem, servo de Deus,
Pobre habitante de Nazaré,
Com humildade alcançaste os Céus,
Fost'agraciado com o dom da fé.

Tomaste Maria, Mulher fiel,
Sem saber o que queria Yahweh,
Tu acolheste O Emanuel,
Foste pai do rebento de Jessé.

Nós te aclamamos, servo prudente,
O pai de Cristo, no mundo presente,
Que gera sonhos jovens n'operário.

E trabalhando na simplicidade,
Por Jesus, chamado à santidade,
Tornas-te Patrono do operário.


Modesto

DIA DO TRABALHADOR






















É p'lo salário que se trabalha,
Para viver feliz, sereno e são!
É no ferro que o homem tanto malha,
Buscando beleza e perfeição!

É com o esforço de quem trabalha
Que se cantam hinos à Criação!
É nos heróis que o suor s'espalha,
Para os filhos poder comer pão!

Semeando trigo, vida s'espalha.
No moinho se prepara o pão.
Não se desperdiça uma migalha,
Porque é um tesouro cada grão!
                                                                                                                   
Com pedras se faz a alta muralha
Que se vai erguendo do ermo chão.
Mesmo que seja coberta com palha...
Tosca... Mas é a sua habitação!
                                                           
O tecelão faz pano qu'agasalha,
Com tranças de fio de algodão,
Donde sai a alvíssima toalha,
Que irá dar lucro ao seu patrão.

A vida é um' áspera batalha
De boa gente que tem boa mão!
Se é bom haver gente que trabalha,
É justo que se lhe pague o pão!
                                                                
E há, por aí, tanta energia
Para trabalhar! Mas não vê solução!
Precisamos de Patrões à porfia...
Trabalho que torne fort´a Nação!

Modesto

VENDO-NOS AO ESPELHO

O espelho não me diz que envelheço, Enquanto andar junto da mocidade. Mas as rugas vêem meu rosto impresso... J...