Follow by Email

domingo, 30 de abril de 2017

A CAMINHO DE EMAÚS



















Iam falando a respeito de Jesus.
Ele apareceu e sentiram alegria!
Iam desiludidos a caminho de Emaús,
Falavam das Suas Obras, Aleluia,,
Tal como hoje, Este Jesus nos conduz!
Ardia-lhes o coração às Palavras de Jesus.
Pediram-Lhe que com eles ficasse.
Sentados à mesa, Jesus repartiu o Pão,
Deu-Lho e seus olhos se abriram!
Reconheceram-No e não mais o viram...
Voltaram convertidos à fé ardente no coração!

Acompanha nossos caminhos, Bom Jesus,
Fica connosco, pelo Teu imenso amor,
Como Te pediram a caminho de Emaús,
Fica connosco, Nosso Amado Bom Jesus!

Modesto

sábado, 29 de abril de 2017

SAUDADES DE TI, SANDE!















Regada és tu, por águas de Montedeiras,
Ensolarada por um sol exuberante,
Mãe d' emigrantes que deixaram suas leiras,
Não te esquecem, mesmo em terras distantes!

Orgulho de quem nasceu das tuas entranhas:
Ver-te forte, alimentar quem te trabalha.
Mas... as ambições do homem são tão estranhas
Que te feriram como corte de navalha...

Cada esquina dos caminhos tem magias,
Nos teus largos, vê-se nascer novos amores!
Teu mavioso encanto das melodias...
És a flor mais bela entre todas as flores!

Enamorado, apaixonado, declaro:
- O teu lindo horizonte vê-se tão grande! -
Como poeta, nos meus versos deixo claro
Todo o amor por ti, minha bela Sande!

Modesto

sexta-feira, 28 de abril de 2017

UM CREPÚSCULO NA MINHA TERRA

























Gosto do vento da noite sussurrante,
Daquele que faz tremer bem os pinheiros
E da cantiga do pobre caminhante
Que leva o rancho para os tropeiros.

Gosto dos monótonos sons da viola
E seu tocar, numa tarde de Verão
E da cantiga que lá se desenrola...
Faz-me sonhar até vir a ´scuridão.

Odor das flores, doce ar cheiroso,
A lua no céu, com manto nubloso
Levam-me a olhar pró cimo da serra.

Ao longo do vale a névoa desceu,
Nela resplandecem estrelas do céu,
Aquele que é o céu da minha terra!

Modesto

quinta-feira, 27 de abril de 2017

VISITA À MINHA TERRA



















Vim aqui matar saudades
Do lugar em que nasci.
Passar umas boas tardes,
Ver o que deixei aqui!

Escutar os passarinhos,
O que com eles cantei.
Correr nos mesmos caminhos
Em qu' em criança andei.

E por aqui ficarei,
Pelo menos alguns dias.
Rever o qu' aqui deixei
E renovar energias!

Depois... terei de voltar
Prà minha terra d' exílio
E novament' enfrentar
Tod' aquele correrio.

"O que é bom dura pouco"
Diz ditado popular.
Já estou a ficar louco
Por deixar este lugar!

Eu bem queria ficar:
Irei partir sem vontade!
Fica, querido lugar,
Que de ti vou ter saudade!

Modesto

quarta-feira, 26 de abril de 2017

DORMIR AO LUAR



















Aconchegado num raio de lua,
Ouvia cantigas de embalar...
Par'cia qu' era filho da rua,
A lua estava-me a mimar.

As estrelas fiquei a admirar!
Refletiam mil cores ao luar,
Vinham aquela noite enfeitar
Um belo quadro, com seu cintilar!

Na rua um poeta versejava
Pra encantar a sua namorada.
Na janela, a moça suspirava
Feliz, escutava apaixonada!

O frio agarrou-se ao meu rosto,
Na madrugada 'stava a gelar.
Mesmo assim, senti aquele gosto
Duma noite ao relento ficar.

Modesto

terça-feira, 25 de abril de 2017

CONTANDO PELOS DEDOS

















Faço soneto a contar plos dedos
As sílabas da sua construção.
Catorze versos líricos enredos...
Catorze 'spinhos no meu coração!

Ponho nele o cetim dos arvoredos,
A cor das lindas tardes de Verão,
Faço dele a caixinha de segredos...
Tudo trancado pela minha mão!

Catorze lindas Catedrais vazias,
O silêncio 'smaga harmonias
Dos meus desejos vãos de perfeição...

Faço um soneto, oh! mãos esguias
A contar estrelas plas noites frias,
Nas minhas noites de meditação!

Modesto

segunda-feira, 24 de abril de 2017

SONETO DOS MEUS UNIVERSOS

























Quando escrevo meus silêncios, mastigo
As angústias que deslizam nos meus versos,
Espalhando diversos - o que é ambíguo -
E descubro cada face dos meus anversos.

Há paz e inquietação nalguns reversos,
Há escuridão, se lhe chamo meu amigo,
Há penares e dores no viver, dispersos
Naquela solidão que conversa comigo.

A poesia é a flor que eu bendigo,
Metamorfoseando-me num doc' abrigo
Naquele descampado dos sonhos submersos.

Quietud' é constância como castigo,
Ferindo a musa com soneto amigo,
Naquela plenitude dos meus universos.

Modesto

domingo, 23 de abril de 2017

DOMINGO DA MISERICÓRDIA























Com meus olhos abertos ou fechados,
Sei que Tu estás bem perto, Meu Deus
E conto-Te os meus tristes pecados,
Encontro-me entre os braços Teus.

Misericórdia, vem-m' envolver!
Põe-me no Teu colo, cheio d' amor.
Não tenho segredos pra Te 'sconder,
Tu sabes conhecer a minha dor!

Só Tu podes minh' alma acalmar
E, em Ti, meu coração s' elevar,
Só Tu me podes mostrar alegria!

Sinto-me tão perto, perto demais
E do Teu colo já não saio mais,
Tu estás comigo todo o dia!

Modesto

sábado, 22 de abril de 2017

PENSAR POSITIVO



















Não deixes murchar a rosa do sorriso,
Fá-la abrir à luz, na escuridão!
Flor d' alegria reflecte o provir,
Flor da tristeza... corta-a em botão!

Não deixes lágrimas, plo rosto cair,
A vida é breve pra sofrer em vão!
A boca que grita, também pode rir.
Antes um sorriso que desilusão!

Lágrimas destilam fel de tristeza,
Pró infeliz, o sol é vela acesa:
Lágrimas enfraquecem o sentimento!

Quer mais! E sempre a pensar positivo:
Ser positivo é o sonho de quem 'stá vivo!
Alegria não dá vida ao sofrimento!

Modesto

sexta-feira, 21 de abril de 2017

NÃO QUEIMEM AS ÁRVORES

















Tod' a árvore dá folhas e frutos,
Todas têm caule e muitas flores
E a madeira é um dos produtos...
Dão-nos frutos de vários sabores!

A sua sombra, quem não a procura?
Também mantêm o ar sempre puro,
Dão-nos a madeira boa, que dura...
As árvores são sinal de futuro!

Qualidade de vida garantida,
Se a árvore estiver por perto.
Oh! Mas quando ela é destruída,
A terra transforma-se num deserto!

Seu uso deve ser racional,
A floresta é o pulmão da terra,
Dela depend' o mundo animal
E, sem ela, a vida se encerra!

Modesto

quarta-feira, 19 de abril de 2017

ENFRENTAR A VIDA
























Não temamos - enfrentemos a vida,
Sorrindo com ela até ao fim!
E vivámo-la assim destemida,
Qual fantoche em nossas mão - em fim...

Hoje, aceitémo-la, convencida
Que anda! E será sempre assim:
S' acaso nos vencer numa partida,
Perderá noutra, mesmo que no fim.

El' é persistente e nos ignora,
Se faz emboscadas, vamos embora,
Antecipando-nos ao qu' ela gosta.

Ela é perspicaz, mas conseguimos
Acorrenta-la e depois seguimos,
Subindo juntos a mesma encosta!

Modesto

terça-feira, 18 de abril de 2017

VAMOS APRENDENDO

























Se vivermos em vã filosofia,
Não vivemos... urge viver primeiro!
Sonhar não é viver, é utopia,
Devemos procurar o verdadeiro!

Deixemos o que não podemos ter.
Esperar o qu' é vão, é doentio.
Querer só o que podemos colher...
Ao que está longe, eu renuncio!

E se vier algo inesperado,
É porque nos está predestinado:
É uma atitude de quem vence!

A vida é um efémero bem,
Não vemos onde vai, nem donde vem.
E nesta vida, nada nos pertence...

Modesto

segunda-feira, 17 de abril de 2017

VIVI SEMPRE COM AMOR
























Porque se abrem pra mim
Todas as portas do mundo?!
Há alegrias sem fim,
Cantando amor profundo...

Porque vejo amarguras
Nos olhos de quem encontro?!
Porque palavras seguras
Vivem naquilo que conto...

Porque ando encantado
E perdido no passado,
Desd' a hora que nasci?!

Há alegria maior,
Ao encontrar o amor!
Com ele sempre vivi...

Modesto

sábado, 15 de abril de 2017

DOMINGO DE PÁSCOA

























Retoma a vida o Senhor Jesus!
Estava escrito que assim seria
E resplandece o universo de luz,
Trouxe paz aos corações sem alegria!

E, com tristeza, desceram-n'O da Cruz,
Depuseram-n'O no colo de Maria...
Deposto no sepulcro, tarde sem luz,
Seu corpo inerte jaz em campa fria.

O Mestre amado que por nós morreu,
Nova esperança no homem nasceu,
O universo uniu-s' em oração.

Iluminou-s' o céu, Sol resplandeceu,
Cristo em comunhão Seu amor nos deu...
A Luz anuncia a Ressurreição!

Modesto

SÁBADO DE SILÊNCIO E LUTA



















Agora que deixaste a argila
Do Teu corpo divino sacrossanto,
A Tua carne na nudez tranquila,
Magoado, mas descansas sem pranto.

Agora, é o céu que Te asila,
Com graça luminosa de encanto!
Na harmonia que no céu desfila,
Vences a morte, dás vida de santo!

Mas a morte lutou forte e feio,
Congelou Teu corpo, abriu Teu seio...
Ó morte, onde 'stá teu aguilhão?

Chega a madrugada da Beleza
Do transcendentalismo da Pureza,
Voltas à vida na Ressurreição!

Modesto

sexta-feira, 14 de abril de 2017

UNIDO A CRISTO



















Para Vós corro, ó braços sagrados,
Nessa cruz sacrossanta, descobertos!
Pra não me castigar, estão pregados,
Para me receber, estão abertos!

Beijo, Divinos olhos eclipsados
De tanto sangue e lágrimas... Abertos!
Pra não me condenar, estão fechados,
Para me perdoar estão despertos!

Os pés pregados, para não deixar-me,
A cabeça baixa para escutar-me,
O sangue vertido para ungir-me!

No lado aberto, quero entrar,
Aos Vossos cravos, quero-me atar
Pra ficar a Vós unido e firme.

Modesto

terça-feira, 11 de abril de 2017

POR AMOR, SOFRESTE!

























Chora, minh' alma de íntimo ferido,
Neste amor infeliz, como se fora
Um crime, aos olhos de quem Te adora,
Querendo-Te, crê-Te assim ofendido.

Crua e dura lâmina homicida,
Com desdém, vara-Te o peito, embora,
Teu grande amor cresce e nele mora,
Só findará quando terminar a vida.

Ó meu Senhor, Como que num mar sem fundo,
Encheste-me de um amor tão profundo,
E fizeste em mim Teu Real abrigo!

E eu procurei uma taça de ouro,
Guardei Teu Sangue, Meu real Tesouro,..
Assim, Com Teu amor, viverei Contigo!

Modesto

segunda-feira, 10 de abril de 2017

SEMANA DA PAIXÃO


















Vem,Semana da Paixão, à nossa idade!
Eu creio que vens agora e mais madura,
Que resistes ao tempo e à tempestade,
Por tod' a nossa vida, serás sempre dura!

Procuremos Jesus que é a Liberdade!
Bendito o Teu sofrimento que nos cura.
Ele que s' entregou por nós - realidade -
Forma gentil, pra que tenhamos alma pura!

Não queres arcar com as leis do fatalismo,
Mas tocas de perto raia de heroísmo,
Com persistência com que tudo arrostas!

E eu, entretanto, confesso-me vencido!
Tenho vivido, assim, num horror transido...
Mas tenho o Teu amor pregado às costas!

Modesto

domingo, 9 de abril de 2017

INQUIETUDE... E JESUS TÃO PERTO!



















A pensar num futuro tão incerto,
Fui tomado de tanta inquietude...
Não percebi Jesus de mim tão perto,
Cumprind' o que promete, não ilude!

Sim, pelo Deus fiel fui chamado
À comunhão do Filho Jesus Cristo,
Não preciso ficar amedrontado...
De Seu amor e graça me revisto!

Não me perturba acontecimento,
Armado dum solene pensamento:
Só quero estar a Cristo unido.

Nas promessas DEle, um só conteúdo:
Jesus! Tendo Cristo, eu tenho tudo,
Pois Deus cumpre o que tem prometido!

Modesto

sábado, 8 de abril de 2017

A SOLIDÃO PODE SER TRISTE

























É imensa a solidão que vem dos montes
E aquela que se estende nas planuras,
Ou a que s' esconde nos vastos horizontes
E a que vem das montanhas, lá das alturas!

Mesmo a que contorna ou revolv' o rio
Ou vai tranquilamente admirar os lagos,
Torna-me muito mais triste e vazio
Do que a brisa que vem do mar sem afagos.

Mas, é grande demais a solidão do mar,
Nas tardes em que desmaio a soluçar,
Observando o horizonte meu amigo.

Verdade qu' a maior solidão, a mais triste,
A mais profunda ansiedade qu' existe
Não vagueia por aí, mas está comigo!

Modesto

sexta-feira, 7 de abril de 2017

INDIFERENÇA












Que bom qu' a vida nos fizesse vencedores
De todas as diferenças e desafios,
Fosse possível restringir as nossas dores
E nos desviasse dos caminhos sombrios!

S' acaso fossem desventuras os factores
Que nos levassem a cometer desafios,
Alguém pudesse ouvir os meus clamores
E, ao crepúsculo, deixass'  os calafrios!

Clamores de quem ama e não é amado,
Pois que ninguém quer ser desamparado,
Num paradoxo um tanto indecifrável.

Inclusiva tese louca, inacabada
Que torna solitária a madrugada...
Acabasse a diferença sofismável.

Modesto

quinta-feira, 6 de abril de 2017

REVISÃO DA VIDA























Cortei o tempo em pedaços, vi a alma
E revivi paisagens há muito guardadas,
Vividas naquela paz dos dias de calma,
Fotos d' infância, memórias sagradas...

Daquela juventude que já foi embora,
Guardei a alegria, autenticidade,
Os dias de sol e o nascer da aurora...
Decidi viver como na flor da idade.

Preteri os sonhos, elegi o dever,
Deitei fora coisas, frutos do meu querer
E a razão chamou-me à maturidade.

Hoje, não tenho idade, sou com' a flor,
Esqueci a saudade, vivo do que for...
Ordenei meus limites com facilidade!

Modesto

quarta-feira, 5 de abril de 2017

A ALEGRIA DE UM POEMA

























Dou graças a Deus por me dar inspiração.
Ao dar-Lhe graças Ele dá-me um presente
Que sinto no peito com forte emoção
E as palavras vão-me nascendo na mente!

A poesia alivia sofrimento.
Queria que todos sentissem alegria.
Do Meu Criador, queria ser instrumento:
Dar, nos meus versos, amor a quem sofria.

Dedico carinho, estima e respeito,
Faço, de quem me lê, um amigo do peito,
Se der um minuto de atenção a mim.

Falo com o coração e com emoção:
Receba do poeta consideração,
Quem ler estes meus poemas até ao fim!

Modesto

terça-feira, 4 de abril de 2017

A LUA E O POETA
















Lua de prata, poeta apaixonado
Qu' em delírios, versos de amor entoa,
Pelo seu brilho subtilmente inspirado,
Na harmonia de seus cantares em loa.

Mesmo que em seu âmago a dor lhe doa
E, em pranto, seu coração vê mergulhado,
Por entre dedos, a inspiração ecoa,
Até qu' a sorte do amor tenha voltado.

Poeta canta à lua, sua amada:
Dele a lua também 'stá enamorada
E entre brilhos consola-se, arredia.

Num silêncio descarado, adornada,
Ele espia-a até à madrugada
E inebria-se com sua poesia.

Modesto

segunda-feira, 3 de abril de 2017

O POR DO SOL















Gosto de ver o sol a por-se lento,
Qu' em tarde morna, vai só, sem defesa.
Vai esconder-se, sente-se lamento
Nos tons da luz e da real beleza!

Mas, vai calmo e sem nenhum tormento,
Revela tanta paz, tanta grandeza!
Traz encanto subtil nesse momento,
Apagando sua luz em pureza!

Gostava de ser sol do fim da tarde,
Luzindo de amor, mas sem alarde,
Ter sua nobreza, sua calma;

Trazer comigo luz do fim da tarde,
Apagar a dor qu' em minh' alma arde...
Nascer n' aurora com serena alma!

Modesto















domingo, 2 de abril de 2017

COMO O TEMPO PASSA!

















Como o tempo passa, diz-se normalmente.
Mas o tempo não passa, o tempo fica!
Quem passa somos nós, tod' o ser vivente
Que no mundo exist' e se multiplica.

A vida é mistério permanente!
Com que fórmulas constoi e planifica
Tod' o ser que se move, respira, sente
Dentro do tempo, que não vai nem fica?

Irrealidade velha, estafada,
Objectivamente, tempo não é nada,
O homem adoptou-o, mas não explica.

Abstracção oca, não passa d' utopias...
O tempo , são as noites e são os dias
Qu' a luz do sol e da lua justifica!

Modesto