quarta-feira, 29 de abril de 2015

AFÁVEL AMANHECER














Com brisa suave e silenciosa,
Convidei o orvalho a refrescar.
Aproveitei as pétalas duma rosa
Para, meigamente, me vir consolar

Brilhavam estrelas e constelações
Sobre o jardim verde e refrescante.
Propus-lhes acariciar corações
Que viviam com gemido sufocante.

Apelei, meigo, par' o jardim florir,
Com versos e poemas do seu amor...
A relva verde do jardim, ao ouvir,
Aumentou o calor, fez abrir a flor.

E uma voz se levantou a gritar:
Era o vento a abraçar anseios,
Traz chuva mansa pra regar o pomar
Cheio de frutos pra matar meus desejos.

O amanhecer estav' a clarear
E animava meu coração sonolento.
As rosas convidaram-me a amar,
Num dia em que o sol nascia lento.

Um arco-íris encanta a paisagem,
Traz-me, livremente, sensações gostosas.
Da serra desce uma suave aragem
Com saudáveis energias qu' abrem rosas.

Modesto



BENDITA A VOZ QUE CANTA

















Abençoada a voz do ser que canta,
Possui a alma e voz do passarinho.
Os males desta vida, o ser espanta
E, a essa voz, o povo se levanta,
Guiado pela luz do céu já clarinho.

Abençoada a voz do ser que canta,
É como a voz da mãe: só dá carinho.
O canto da mãe é uma coisa santa,
É a oração que lhe sai da garganta:
Canta, rezando por quem está sozinho.

É o cantar da manhã que nos conduz
À montanha que nos indic' o caminho.
No alto, vê-se como nasce a luz
Que deixa suspenso sofrimento, cruz...
Reflectindo no cantar do passarinho.

Abençoada voz do ser de magia,
Traz alegria ao nascer d' alvorada.
O canto dos passarinhos inebria,
O amanhecer vem com mais alegria,
Ao nascer do sol na montanha sagrada.

Modesto

terça-feira, 28 de abril de 2015

NATUREZA EM POESIA À SOLTA



















Sinfonia em ternos movimentos coloridos!
Poemas lançados ao vento!
Folhas soltas,
Emanações aprazíveis aos ouvidos...
Pitoresca harmonia do tempo!
Cores lindas, paisagens graciosas,
Tonalidades infindas,
Deslumbrantes momentos,
No Outono da vida.
Retratos captados do carinho das rosas,
Pingos de beleza como ornamentos!
Abraços musicais, entrelaçados na realidade,
Salpicos de cores, miscelânea  de tons...
Natureza e verdade,
Orgias sinfónicas dos sons!
O Outono tem mistérios em verso,
Com apelativos a sair, com certeza,
Desafios pra nos envolver no universo,
Com introspecções profundas da vida,
Agora, sublimados pela Natureza
E exaltando a vida,
Constante beleza!
Aprecia-se o cair das folhas outonais,
Os jardins que exalam aromas especiais,
Misturados com perfumes exóticos e naturais,
Que suavizam quaisquer males físicos ou morais.
 Porque são representações estéticas,
Realizadas pelo Autor da vida e das éticas,
Num bailado transcendente,
Em sintonia com a paisagem envolvente:
Colinas verdejantes,
Cuja paisagem se aprecia melhor que antes,
Pinturas reais,
Deslumbramentos naturais,
Suspiros...
Sonhos...
Suaves brilhos
Dum jardim ou dum rio...
Calmantes naturais!
Musicalidade em constante transformação
Em terapias de perfeição!

Modesto

segunda-feira, 27 de abril de 2015

HOJE QUERO GARGALHAR



















Hoje quero passear pelo campo,
Tonificar os pulmões e cantar.
A vida a sorrir é um encanto!
Em vez do meu pranto, vou gargalhar.

Vós podeis pensar que eu sou um louco.
Pode ser que sim... ou não, talvez...
Minhas lágrimas vão rolando pouco
Pela face e sobre minha tez...

Quero ouvir pássaros a cantar,
Ver seu namoro que me faz sonhar,
Porque tudo é bonito, perfeito!

Porque quando eu da terra partir,
Lá, no Lar Celeste,irei sorrir
Do meu pranto e da dor do meu peito!

Modesto

domingo, 26 de abril de 2015

MEU BOM PASTOR

























Eu queria ser bom pra Te louvar,
Para expressas Tua grandeza.
Faria todas as línguas falar
Na Tua Verdade, Tua certeza!

N' alegria dos Teus pastos, Senhor,
Sacias-me nas fontes d' águas vivas,
Prados verdejantes do Teu amor...
Tu és o Bom Pastor que bem me guias!

Ensina-m' a ter Tua compaixão,
Faz-me cantar uma nova canção,
No jardim do Teu bendito amor.

Qu' eu encontre Teus prados verdejantes,
Caminhe p'los Teus vales refrescantes...
Qu' eu vá p'las Tuas sendas, Bom Pastor!

Modesto

sábado, 25 de abril de 2015

LONGE DE MIM




















Estou longe de mim mesmo,
vogando  meus pensamentos
e fazendo belo esmo,
Aproveito bons momentos.

Vou longe em fantasias,
Corro com entusiasmo,
Vivo reais alegrias...
Com elas, às vezes, pasmo!

E vivo o que mais temo:
O corpo muito cansado,
Alma cheia de mim mesmo
E ao mundo apegado!

Vivo longe de mim mesmo
E vou-me entorpecendo.
Muito longe de mim mesmo,
Mato sonhos que vou tendo!

Fujo para esquecer,
Tento apagar da mente
As palavras do querer...
Mas sofro! Fico doente!

Meu pranto a escorrer,
Com esperança sem vida,
Um poema vou ' screver:
"Procuro sopro de vida".

E... voltei par'os meus sonhos
Que algo adiantou,
Entorpecidos, medonhos...
O inconsciente sonhou!

Modesto

sexta-feira, 24 de abril de 2015

MUDANÇA

























Eu naveguei, naveguei...
Sobre as ondas do mar
E tempestades passei...
E cheguei a naufragar!

Tantas lágrimas chorei
P'la minha vida amar
E...sem fé, eu não lutei
Para meu mundo mudar!

Mas... vi que somos iguais!
E... É de arrepiar...
Se somos todos mortais,
Devo o bem praticar!

Somos um espelho puro,
Mostramos o coração.
A raiz do nosso tudo,
Às vezes, bate no chão!

Procurei o bem maior,
Pela força do amor:
Torna avido melhor,
Ajud' o navegador!

Modesto

quarta-feira, 22 de abril de 2015

VIVER SEMPRE NA PRIMAVERA
















Rasguei o medo de viver, segui em frente.
Provei fel das minha mágoas e cansaços.
Pedi à vida pra viver decentemente.
Roguei ao Senhor pra matar os meus fracassos.

E, então, percorri uma grande distância...
Fiz um acordo com o meu entendimento:
A minha vida ser como na minh' infância
Com a inocência no meu pensamento.

E fiz um poema para me recordar
Que nasci em Novembro para semear
Seara lour' em terra boa... Quem me dera!

Vivi num tempo em que bom tempo fazia,
A noite era tão bela como o dia...
E, recordar, faz-me viver na Primavera!

Modesto

segunda-feira, 20 de abril de 2015

PASSEIO MATINAL

















Claro azul matinal, com nuvens claras,
Sorri, num frémito, o verde campo.
Finas tramas de luz, suaves e raras,
Vestem a paisagem de raro encanto.

Céu de safira, esmeralda tremente,
Área de luz d' ilesa alegria
Dos pássaros que edifica a gente...
Vou ao campo gozar esplêndido dia.

Saio. A brisa estremec' a folhagem,
Envolta em luz e bêbada de sons...
Subo ao alto, abranjo a paisagem,
Numa explosão multíplice de tons.

Aves, voando em torno, inquietas,
Como eu na mesma ânsia sofrida,
Vou sorver frutos em taças repletas,
Com guloso  olhar, vidrado na vida.

Frutos à luz, estrelejando nas ramas,
De incidências vivida ao sol.
Alguns são vermelhos como as chamas...
Passeio vivo, quente de arrebol.

Modesto


domingo, 19 de abril de 2015

PELOS CAMINHOS DA VIDA



















A minha fé está no Desconhecido,
Não se compreende pela razão.
Minha fé está noutra dimensão:
Num Reino bom, de poder escondido.

Minha caminhada não terminou:
Há horizontes que têm a vida,
No silêncio da coisa vivida...
Vou ao encontro de Quem me salvou.

Quando invoco Deus, Ele me ouve,
Na tribulação, protege, atende,
Ouve minhas súplicas, surpreende...
Fico feliz: Dos meus problemas soube!

Se sonho com vitórias no mundo,
Que jamais as poderei obter,
Deus surge com amena paz no ser
E lava-me do pecado imundo!

Leva-me a compreender o que é belo,
Mostra como chegar à perfeição.
Preciso d' ajuda? Dá-me a mão,
É o sonho por Quem eu anelo!

Modesto

sexta-feira, 17 de abril de 2015

MÚSICA E ROSAS

















Hoje vou tocar uma canção amena,
Ao piano, numa música corrente.
Vou destilar tod' a mágoa, tod' a pena
Que o meu coração congénito sente.

Dessa música sairá um poema
Tão amoroso como minh'alma sente.
Ele será aquela paixão extrema
Que o teu coação congénito sente.

O amor, desd' o princípio, me deu
Um amanhecer qu' alegria te deu
E tardes que foram de horas ditosas.

Seja dado o meu ânimo ao teu:
Acalma o sofrimento que te deu,
Com este ramo de pétalas de rosas.

Modesto

quinta-feira, 16 de abril de 2015

SANDE, TERRA DOS MEUS SONHOS



















Na terra dos meus sonhos cor de rosa,
Beijada pelo lindo rio Douro,
À noite a cor é maravilhosa
Que torna a terra num tesouro.

O pôr do sol traz cores de saudade
Que se prolonga pelas madrugadas:
Traz sonhos de grande felicidade
Aos amantes, à lua consagrados.

No rio Douro, há sonhos sem dono
Que s' alojam na proa do navio.
São sonhos cor de rosa ao abandono,
Esperam nas margens em desafio.

Nestas lindas margens do meu passado,
Ouve-se uma voz maravilhosa:
São as ninfas com poemas de fado
Que m' ensinaram sonhos cor de rosa.

Modesto

quarta-feira, 15 de abril de 2015

UMA NOVA PRIMAVERA





















Da minha flor, o perfume eu ansiava!
Pássaros já voam em grupos prateados!
Pelo céu, a luz empoeirada estava...
Tudo cintila esplendores irisados!

Da minha janela, a paisagem fulgura,
A casa, de repente, ficou clareada,
Encheu-se de luz! E ela ergueu-se pura!
No meu jardim, abriu a rosa encarnada!

Oh doce mel do meu tormento!
Ver-te, até o orvalho se surpreende,
O lírio abriu e a sua flor pende!

Um melro assobia e está atento:
Vê-te convalescente e pouco segura...
Mas a aurora vê-te bela e pura!

Modesto

terça-feira, 14 de abril de 2015

SOLIDÃO



















A solidão não se consegue medir,
Embora me golpeie e me dê dor
Ao ritmo do vento que vem abrir
Maior sofrimento se vem sobrepor.

Mas deste sufoco tenho de sair,
Contando com a ajuda do Senhor.
A dor no meu peito está-m' a ferir,
Por causa do caudal do rio d' amor.

Quando s' é novo, suporta-s' amargura...
Mas, na minha idade, a desventura
Torna ocos estes dias sós e vis!

Ah! Quando a noite cai, há dores febris!
Sozinho em casa, sinto-lh' a largura...
'Spero qu' esta dor não deixe cicatriz!

Modesto

domingo, 12 de abril de 2015

DIVINA MISERICÓRDIA

























Quando a tristeza que Deus dá
Com Seu olhar misericordioso,
Um vento vem amenizar a dor
E o Senhor grande força nos dá,
Porque nos ama com Seu grand' Amor.

Deus Bondade, Misericordioso,
Nesta manhã venho agradecer
A vida qu' 'stás sempr' a proteger,
Porque és Bom, Protector e Bondoso.

Meu coração saiba compreender
A Misericórdia de Jesus
E eu acredite na Sua Luz
E em Seu Amor saiba sempre crer.

Concede-me, ó Meu Bom Pai amado,
Vida próspera e nos abençoa,
Com Tua Misericórdia boa
E, por ela, seja abençoado.

Por Teu Amor incondicional,
Fazei que saiba recomeçar
A viver só por Ti e a amar
A Tua Lei. E livra.nos do mal!

Modesto

sábado, 11 de abril de 2015

SOZINHO

















Um calmo lugar luzente.
Prado resist' à geada!
Nosso amor é ardente,
Na terra fértil, sagrada:
Luz eterna desejada!

Se o sol for alcançando
O ponto que fic' a pino...
Tu 'starás recuperando
E eu estarei divino,
Ao teu olhar cristalino!

Esta sonor' harmonia
Invade-me com doçura!
És a doce calmaria....
Mas... a dor arde, perdura:
Há melhor vida futura!...

- Agora, amor, acalma:
Falo só ao teu ouvido.
Longe de ti, não há calma,
Nega-s' o que foi vivido:
Noss' amor pré-concebido!

- Eu chamo por ti então
E quero-te libertada
Desta cruel prisão
Que faz minh' alma penada,
Com' ovelha desgarrada!

Vem, alegrias ditosas!
És tu o meu alimento...
És meu perfume das rosas,
Sem igual no meu alento:
A flor que me dá sustento!

Modesto



quinta-feira, 9 de abril de 2015

«É O SENHOR»


Todas as criaturas estão vivas na mão do Senhor; os sentidos só captam a acção da criatura, mas a fé crê na acção divina em todas as coisas. A fé vê que Jesus vive em tudo e opera em toda a extensão dos séculos, que o mínimo momento e o mais pequeno átomo encerram uma porção desta vida escondida e desta acção misteriosa. A acção das criaturas é um véu que cobre os mistérios profundos da acção divina.

Após a sua ressurreição, Jesus Cristo surpreendia os discípulos nas suas aparições, apresentando-Se-lhes com uma aparência que O disfarçava; e, assim que Se lhes revelava, desaparecia. Este mesmo Jesus, que continua vivo e operante, volta a surpreender as almas cuja fé não é suficientemente pura e perspicaz. Não há momento algum em que Deus não Se apresente sob a aparência de uma provação, de uma obrigação ou de um qualquer dever. Tudo o que acontece em nós, em torno de nós e por nós encerra e encobre a sua acção divina, se bem que invisível, o que faz com que sejamos constantemente surpreendidos e não conheçamos a sua operação a não ser quando ela deixa de subsistir.

Se rasgássemos o véu e se estivéssemos vigilantes e atentos, Deus revelar-Se-nos-ia sem cessar e usufruiríamos da Sua acção em tudo o que nos acontece. Em cada coisa diríamos: «É o Senhor!» E saberíamos em todas as circunstâncias que recebemos uma dádiva de Deus, que as criaturas são instrumentos muito fracos, que nada nos faltará e que o cuidado permanente de Deus O leva a conceder-nos o que nos convém. 


(Jean-Pierre de caussade - in Abandono na Previdência Divina)

quarta-feira, 8 de abril de 2015

COMO A CAMINHO DE EMAÚS



















Por do sol, a noite se aproxima
E eu vou bem cansado da jornada!
Muitas sombras cobrem o meu caminho,
Meu coração sente-se tão sozinho,
Angústia, Que minh' alma s' exprima!

Senhor, Meu Companheiro de jornada,
Não mereço, mas peço: Vem comigo!
Faz-se tarde: entra na minha casa,
À Tua voz, meu coração s' abrasa!

Tu estavas a meu lado sempre!
Como pude ser néscio, assim!?
Agora sinto Tua Luz presente!
Só não Te posso ver fisicamente...
Mas, Cristo vivo, vive em mim!!!

Modesto

terça-feira, 7 de abril de 2015

INSPIRA-ME, MUSA!



















Já não sei se é falta de vontade
De escrever no papel ou teclado!
É uma visceral necessidade...
Mas, não há ideias no meu telhado!

E nada disto é inexplicável...
Só que eu não consigo traduzir
a ideia completa e estável
Para nos meus poemas exprimir!

Pode ser uma crise temporária
Ou o início da decadência...
Mais certo é a falta de essência!

Verdade qu' estou em faixa etária
Sem precisar de arranjar razão...
Musa, faltaste com inspiração!

Modesto

domingo, 5 de abril de 2015

HOJE É O DIA DA RESSURREIÇÃO!

























Cristo Senhor, Nosso Sublime Redentor:
Com o coração radiante d' emoção,
Abençoados p'lo Vosso Santo Amor,
Celebramos, alegres, a Ressurreição!

Louvado seja a Vossa grand' humildade,
Poderoso em caridade, perfeição,
Que Vos anunciemos à Humanidade,
Honrando o Pai em gloriosa Missão.

E nos corações faz renascer o amor,
Senhor Nosso, Faz nossa vida renovar,
Fazei que a paz volte hoje a reinar!

Mostrai-Vos a quem ainda não Vos conhece,
Em Vosso Nome elevo a minha prece:
Como São João saibamos acreditar!

Modesto

VENDO-NOS AO ESPELHO

O espelho não me diz que envelheço, Enquanto andar junto da mocidade. Mas as rugas vêem meu rosto impresso... J...