Follow by Email

sábado, 30 de junho de 2012

CREPÚSCULOS FLORIDOS



Sou o outono da vida
Que no verão do amor
Encontrou vida perdida:
A primavera sem flor!

Vieram invernos frios,
Transformar a vida em dor
E também os desafios
Duma escolha de rigor:

Havia campos de trigo
E as honras, as vitórias...
Havia vidas em p'rigo,
Desafiando memórias.

Então, à luz do luar,
Semeei rosas, perfumes...
E com elas quis ornar
A vida com seus costumes.



Meu carinho e desvelo
Viu o vento levantar
E desfazer o novelo
Em que 'stava a enredar...

Sou forte! Ninguém s'engane,
Tenho armas pra vencer!
Logo qu'a luta se arme...
Hei-de ver, hei-de crescer!

A tormenta vai passar,
Novo caminho surgir
E sorrisos vou 'spalhar...
A bonança há-de vir!

'Spírito jovem qu'eu amo,
'Inda não envelheceu!
Respiro, suspiro, amo...
Primavera floresceu!

Modesto

sexta-feira, 29 de junho de 2012

IRRADIANDO AMOR























Acende a tua luz interior
Pra irradiar amor pla Criação.
Deixa a tua energia compor
Poemas numa espiral canção!

Acompanha-me na viagem dourada
Sussurrando metáforas encantadas
E, como peregrinos nesta estrada,
Vamos em paz por searas ondoladas.

Navegaremos por rios e por mares
E encontraremos muitos outros pares
Caminhando pra meta que é Amor.

Nós somos partículas da Luz Brilhante,
Comunidade Universal e amante,
Instrumentos da Palavra do Senhor.

Modesto

quinta-feira, 28 de junho de 2012

SONHAR A VIDA...



















A vida não é um sonho, podes crer,
Tão negro quanto nos querem fazer ver:
Quase sempre qu'uma manhã é cinzenta,
A tarde é agradável, solarenta!

Há dias que vêm com nuvens sombrias
Mas não é sempre: É só em certos dias!
Se uma chuvada faz as rosas florir,
Porque t'hás-de lamentar e não sorrir?

Oh! E quantas vezes a dor aparece,
Com o desânimo e nos apetece
Atirar-se pró buraco que s'afunda...
Mas vem a esperança que aprofunda!

Alegra essa bela asa dourada,
Corajosamente, sem medo de nada,
Enfrenta a vida! Vem comigo sonhar!
Esquece a dor... Vamos p'las nuvens voar!

Modesto

quarta-feira, 27 de junho de 2012

ACABOU O SONHO, FICOU A SAUDADE


















Uma lágrima cai pelo teu viso,
Sulcando um rosto amargurado.
É aquela dor que vem sem aviso,
Como sinal dum amor acabado.

E... é o fim de um sonho vivido,
Onde a magia se acabou!
Tudo foi profundamente sentido,
Mas, apenas o vazio ficou!

Angústia! O tempo a passar,
Com o palpitar do coração...
Como isto custa a aceitar!
Muda a vida, a situação...

Novas lágrimas irão escorrer,
Enquanto durar a recordação.
Deixa: O amanhã volta a trazer
O colorido de nova ilusão!

Modesto


EU QUERIA FADO PORTUGUÊS




Não encontro saudade em parte alguma,
Como no tempo do fado de encantar.
Procuro nos Bairos, quero encontrar
Fado português castiço, com espuma!

Queria ver os Bairros como jardins,
Com palavras d'amor ditas à janela,
Falar das canções... da vida que é bela...
Queria fraternidade de benjamins!

Agora, só há guerra, prazer e dor!
A semente no jardim já não dá flor...
Ó triste solidão que nas almas lavras!

Instintos andam à solta como feras...
E eu a pensar em velhas Primaveras
E no antigo feitiço das palavras!

Modesto

terça-feira, 26 de junho de 2012

ESSÊNCIA DO AMOR

























Já tenho o programa para hoje,
Nesta forma etérea dum verso:
Vou fazer um Poema-flor que oferto
Ao amor, brotando do sol que surge.

A noite já foi vencida e foge,
Deixando toda a cor do Universo.
O sol vence o escuro espesso,
O dia encantado se insurge.

Poema-flor de pétalas de seda,
Beleza que sai do ventre da terra,
Traz-me hoje um desejo maior:

De manhã, declamo nesta vereda,
À tarde, a semente se descerra...
Com a flor-essência do Amor!

Modesto

segunda-feira, 25 de junho de 2012

SOBREVIVER

























Volto a sacudir os olhos p'la escrita,
Volto com meu caderno e minha mente:
Tenho tudo pra ser feliz e a dita
de uma dor que nos poemas se sente.

Doi-me! Esta dor expande-se no tempo,
Onde tudo passa... Fica a dor rasgada!
São montes de papel onde o pensamento
Visitou e encontrou força sagrada!

Olho pra dentro do corpo e idade,
Conheço tudo e tenho saudade
Da vida a fugir e eu a querer viver!

Vejo-me: Não 'stou mal prá minha idade!
Subo ao patamar da capacidade:
Gosto da vida e vou sobreviver!

Modesto


segunda-feira, 18 de junho de 2012

LUTAS DA VIDA E RETALHOS


















Bocados de vida espalhados pelo chão.
Fragmentos do corpo destroçado p'la vida.
Sorrisos fechados na senda da ilusão.
Alma que tudo congrega, bem consumida!

Mundo disperso por ventos e tempestades.
Tempo de força, de raiva... nas profundezas.
Vales, rios e mares rugem encapelados...
No ar, as estrelas vão mostrando belezas!

Pedaços de sonhos em constante mutação.
Movimentos circulares fazem ligação
Do corpo e alma em união perfeita!

Alma essência do corpo renascente.
Luz que alumia o corpo descontente,
Que procura caminhos duma paz eleita!

Modesto

domingo, 17 de junho de 2012

A PEQUENA SEMENTE..


















Deus continua a conduzir a História humana
Para uma vida plena, de felicidade sem fim.
Apesar da crise e desastre que da História emana,
Devemos continuar a confiar em Deus-Fiel, assim:

Olhar a vida com confiança e esperança,
Deus continua, Hoje, o Seu Plano de Salvação.
No meio das vicissitudes humanas, mantém a Aliança
E oferece tranquilidade, justiça, paz e pão.

O Projecto Dinâmico de Deus chegará aos corações,
A semente lançada à terra produzirá conversões,
Porque esta vida na terra, um dia acaba,

A vida é peregrinação, finitude, transitoriedade,                  
Deus quer que caminhemos já na e prá felicidade,
Com a visão da Nova Terra, onde a vida não acaba!






Modesto

sábado, 16 de junho de 2012

SONHOS DE DEUS























Se tentaram matar Teus sonhos,
Sufocando Teu coração...
Como manterei eu meus sonhos,
Se tentam tirar-me a visão?

Não desisto, não deixo de crer.
Na vida, sempre hei-de lutar.
O Sonho de Deus não há-de morrer,
Porque o Amor o vai restaurar!

Levantai os olhos e vede:
Deus restaura os vossos sonhos!
Meditai um pouco e crede:
O Projecto de Deus é de sonhos!

Sonhos de cura , larga visão,
De ousadia e conquista,
Sonhos de multiplicação...
Sonho da minha fé revista!

Modesto

SONHOS DE ESPERANÇA E TRANQUILIDADE


















No silêncio da minha tranquilidade,
Sinto os olhos vestidos de harmonia,
Adormeço no sossego da suavidade
E sonho, navegando p'la noite tardia:

Levo numa mão o prazer da liberdade,
Nos bolsos, sonhos de sorrisos bem guardados,
Sussurrando palavras de acuidade
Às doces ilusões dos meus tempos passados.

Na outra mão, a ironia do destino,
Quando voava pelas nuvens, em menino...
Linha da vida traçada à luz da paz.

Linha onde vagueio: São os meus espaços!
D'acordo com a mente, partilho abraços,
Deixo entrar o sol qu'a esp'rança me traz.

Modesto

sexta-feira, 15 de junho de 2012

NO BOSQUE DOS ANELOS























Com o terno sol da tarde radiosa,
Invoco os céus qu'iluminam meus anelos.
A brisa primaveril m'anima briosa,
Fluindo versos como gota em desvelos!

Inalo ar puro...Peço aos meus sentimentos
Que atentem ao aroma que me rodeia:
Sinto arrepios com estes pensamentos
Cheios d'amor... É ela a minha ideia!

Sentimento infinito transcende meu ego,
O amor que anseio veio como cego,
Tornando-s'o eterno amor da nossa vida!

Vamos pró bosque, meu amor, sempre que queiras,
Possuimo-nos nas ânsias passageiras
Qu'a inspiração nos traz em boa medida!

Modesto

quinta-feira, 14 de junho de 2012

ESPERAR


É agora, quando tudo me cansa,
Que eu comecei a querer viver!
Já sofri e vivi sem esperança:
«Venha a morte quando Deus quiser»!

Dantes, esperava muito ou pouco,
Voava das estrelas à mais rara...
Era um tonto , no meu sonho louco,
Ninguém comigo se configurara!

Hoje, esperar? - É que tud' espero!
E quero! - É que só apenas quero:
Como as estrelas e lua viver!

Na vida é muito bom esperar!
Eu, nesta vida, inda quero amar...
Venh'a morte SÓ quando Deus quiser!

Modesto














quarta-feira, 13 de junho de 2012

SABEDORIA DA HUMILDADE















Aquele que medita na Lei do Senhor
Fica cheio do 'spírito d' inteligência,
Nas suas orações louvará o Senhor,
Adquirirá a rectidão e a ciência.

Ensinará a doutrina que aprendeu,
Porá a sua glória na mão do Senhor.
Na sua sabedoria não s'esquceu
Qu' a glória do mundo está no Amor.

Servindo os outros, sua reputação
Os povos, em seu louvor, a proclamarão,
Pois viveu cheio de Luz e actos d'amor.

Como jardim, espalhou aroma suave,
Difundiu o perfume qu'aprendeu... E sabe
Louvar a Deus no desabrochar duma flor.

Modesto

terça-feira, 12 de junho de 2012

NO SOPÉ DA MONTANHA















No tempo qu'a Natureza fecundava,
Do solo brotava pão, na terra minha!
Eu, junto dela, vivia e gostava
Como se ela fosse minha rainha.

Assistia-lhe ao desenvolvimento,
De corpo e razão, dos frutos visíveis
E via o húmus com tal sentimento...
Fazia nublar as pupilas sensíveis!

Percorria campos - formas graciosas -
'Scalava, febril, colinas grandiosas,
Mesmo no Verão com o ardente solo!

Deitado sob uma árvore tamanha,
Dormia sereno à sombr'em seu colo...
Vivia feliz, no sopé da montanha!

Modesto

segunda-feira, 11 de junho de 2012

BUSCAS ESPACIAIS
















Aind'era pequeno... voava apenas
Entre as galáxias de calafrio,
Em rotação pelo espaço vazio,
Já vislumbrava tuas faces morenas.

Antes de ir passear pelas arenas,
Num angustiado palpite sombrio,
Muito antes de eu sentir o frio,
Já suspirava d'esperanças e penas.

Já procurava teu nome, teu semblante!
Disperso, sabia da tua existência
E via-te, entre nuvens, bem parecida!

Então, vivi êxtase delirante!
Meu instinto gostava da tua vivência,
Já eras, na minha ânsia, pretendida!

Modesto

domingo, 10 de junho de 2012

ÉS A LUZ DO MEU CAMINHO











Na Tua Luz aprendi a amar,
Na Tua Beleza vi poesia!
Com Amor aprendi a respeitar
Os Dons que m'ofereces cada dia.
                                                                              
Senhor, Tu danças dentro do meu peito,
Tão em segredo que ninguém Te vê!
Eu, às vezes vejo-Te e respeito,
Naquela visão de quem em Ti crê.

Esta visão transforma-se em arte
Que faz o mundo viver na alegria!
Tod'a Beleza vem da Tua parte,
Como inspiração de poesia.

Mas, porque minh'alma é tão limitada,
Às vezes, ponho-Te fora de mim!
Eu fico como estrela apagada
Ou com'a flor que secou no jardim.

E... Tu vens com o Teu melhor sorriso,
Levas-me por colinas verdejantes!
Nos verdes vales, descansar preciso,
Com Teu perdão, danço, como Tu dantes.              

                                                                             
Não conheço todo a Tua Verdade,
Mas sei que criaste as coisas belas,
Que me queres ver com felicidade
E mostras-me os milhões de estrelas!

E mansamente me vais seduzindo,
No meu coração voltas a dançar!
Sei que pões no meu ser sonho lindo:
ConTigo, os irmãos ir ajudar.
                                                                                             
ConTigo aprendi que só me resta
Um caminho por onde devo andar:
Descobrir que esta vida é festa
E qu'alegria está no AMAR!



Modesto

sábado, 9 de junho de 2012

CAMPO DE POESIA
















Campo verde de esperança,
Dá-me a tua linda cor!
Eu quero ter na lembrança
teu reflexo de amor!

Quando as flores murcharem
E o Inverno chegar,
Vou ver as aves voarem
Por cima do meu lugar!

Prendeste a minha mente,
Qual orquídea perene!
Dás calor à tua gente,
Pra que a vida serene!

Rimas e versos floridos
Falam do amor amigo
Cantados aos meus ouvidos...
E cá ficaram comigo!

És mundo de poesia,
Campo da melancolia!
Recordo com alegria
As tardes em qu'a fazia!

Campo ond'habita a tua
Beleza que me sacia:
Mundo d'estrelas e lua
Que 'inda hoje m'acaricia!

Ligaste meu coração
À tua bela magia!
Campo que me deste pão
E Augusta Poesia!

Modesto

sexta-feira, 8 de junho de 2012

LUTAR E VIVER POR UMA FLOR



















Eu sei que custa, mas se preciso for,
Esforçar-me-ei o que for necessário
Para saltar e colher aquela flor
Que tem um brilho tão extraordinário!

Mesmo com táctica de esforço vário
Eu tenha que lutar forte e com ardor,
Posso ser louco com'um visionário...
Mas hei-de alcançar a tão bela flor!

O fogo no meu peito já s'acendeu!
Já nada impedirá que seja eu
A lutar e a correr por tão belo ser!

Já que foi Deus que a pôs ao meu dispor,
Dar-me-á forças, coragem e amor,
Pra a alcançar e por ela viver!

Modesto

quinta-feira, 7 de junho de 2012

FESTA DO CORPO E SANGUE DE CRISTO


















É a confissão de fé com alegria,
A expressão de um Amor Infinito,
Uma obra prima da teologia,
Entusiasmo do noss'amor bendito!

É meditação no Dom Eucaristia
Presente na Refeição Comunitária.
É a fracção do Pão - bela poesia:
Cristo dá-S'em alimentação diária!

Festa dum sacrifício de louvor,
Acção de graças por nos dar tant'amor.
Cordeiro of'recido em expiação!

É Memorial da Ceia do Senhor,
Glorificação do Reino do Amor...
É a Vitória da Ressurreição!

Modesto

quarta-feira, 6 de junho de 2012

VIOLETA, COR DA MAGIA


















Violeta é a cor da magia,
Da inspiração espiritual.
Traz paz, compromisso e harmonia,
Renova... Purificação mental!

É cor da temperança, lucidez,
É equilíbrio entre terra-céu.
Tem uma vibração de rapidez,
Estimula poetas como eu!

Associada a ideais nobres,
Como a devoção, a lealdade,
Meditação de que somos mais pobres
Do que julgamos ser: Eis a verdade!

Gera sentimentos de dignidade,
Está associada à Monarquia!
Reflecte virtude, prosperidade...
É a cor criativa da magia!
                                                                     
Modesto

terça-feira, 5 de junho de 2012

CENTELHA VIVA




Sonhar só para aquecer,
P'lo tempo 'star a passar?
Está vivo o meu querer
Que é lume a crepitar!

Tenho a centelha viva,
Vivo melhor cada vez.
Lembro a vida activa,
Vivida com altivez!

Sinto ainda vontade
De sonhar dentro de mim.
Do sonho vem a saudade
Da paz que vivi... Enfim...

'Inda quero alcançar
O Presente qu'há-de vir!
Ânimo não vai faltar,
O Futuro vou sentir!

Irei ter felicidade
Em brasa, não em carvão!
Adormeço a saudade
E vivo com coração.

Gritarei felicidade,
Sempre que vir uma flor.
Quando surgir a saudade,
Perpetuo o amor!

Sou pedaços de lembranças
Com memórias preciosas!
Há ainda esperanças,
Leveza das mariposas!

A vida madura é feita
De sombras e de vazio...
A 'scuridão é desfeita,
Quando 'inda existe brio!

À tristeza digo adeus,
Só quero o que me cativa.
Continuai, sonhos meus,
Mantende-m'a chama viva!

Modesto

segunda-feira, 4 de junho de 2012

NUM JARDIM ENCANTADO


















Numa tarde radiosa,
Fui ver um lindo jardim,
Encontrei formosa rosa
Qu'abriu sorrindo pra mim.

Entre amor e sentimento,
Uma luz seduz minh'alma:
Aqui há contentamento,
Vai-se a dor e vem a calma!

Há brilho no meu olhar,
Luz que da rosa emana.
- Sinto que 'stou a sonhar! -
E que com amor me chama!

Cenário tão colorido
Dá vontade de ficar!
Num verde todo florido,
Apetece aqui morar!

Sonho a realizar
Com esta louca paixão:
Venho pró jardim morar
Pra curar meu coração!

Um passarinho campestre                              
De tão feliz, deu um pio .
Estava com ar de mestre
E partiu pró assobio!...

À noite tentei contar
Estrelas no firmamento.
Não pude continuar...
Deu-s'um nó no pensamento

Ouvi ciume que chora:
Meu amor a observar!
O melhor é ir-me embora
E meu amor abraçar!

Modesto
                                                                                                     

domingo, 3 de junho de 2012

AS TECLAS DO MEU PIANO























Continuei a tocar no piano
As músicas que de cor eu sabia.
É mesmo verdade! Não há engano:
O piano renovou-se! Vivia!

É uma intempestiva emoção,
Escondida nas lágrimas de água:
Tal a euforia do coração,
Lavei as teclas e a minha  mágoa! 

Sonhava e estava tão tranquilo
Que não dei conta de s'aproximar
Flores, pássaros e tudo aquilo
Que ouvia o piano tocar!

Então, ocorrem ao meu pensamento 
Os belos ardores da mocidade!
Sem saber, eles deram-me alento
Para tocar música de saudade!

É completa minha satisfação
Qu'até deixo que meu coração chore,
Ao recordar outra ocasião
Em que 'spero qu'o amanhã melhore.

A vida é mesmo um desatino!
Iguala as cordas do meu piano:
Tocando nota falsa, desafino,
Com'acontece com o ser humano!

Modesto



                                      

sábado, 2 de junho de 2012

MEU PIANO ESQUECIDO
















Tacteando as teclas sem olhar,
Conto os bemóis e os sustenidos,
O piano está a desafinar...
Está louco como os meus sentidos!

São cordas encardidas, com certeza,
Porque já não toco há muito tempo:
Ando a admirar a Natureza
E ele sente este contratempo!

À música tenho que regressar,
Reviver o passado de alegria,
A dedilhar as teclas e cantar...
Junto fantasia e poesia!

Tocando mais andante, qu'emoção!
O som da música abre as flores:
Sonho que vibra no meu coração
Que tocando, dançam meus amores!

E, ao som desta minha melodia,
Até a planta move o seu ramo,
Movimento de eterna poesia
Que sai da sinfonia do piano!

E, nesta utopia desenhada,
Toco as ventanias da saudade:
Cai sobre as teclas lágrima salgada,
Pingo que rima com felicidade!

Modesto

sexta-feira, 1 de junho de 2012

SER VELHO NÃO É ESTORVO


















Já fui jovem bem travesso,
Já vivi a mocidade...
Agora já sou tropeço,
Por 'star na terceira idade?

Minha escola foi a vida,
Muito com ela aprendi!
Nem uma hora perdida,
Na vida que escolhi!

Não devo nada ao mundo:
Trabalhei pra todos vós
E descontei muito fundo...
'Inda sobra para vós!

Em novo fiz muito jeito
À vindoira geração...
Então, mereço respeito!
Não como do vosso pão!...  
 











Mereço ser bem tratado
Como utente em cada dia,
Quando vou ser consultado,
Quero paz e harmonia!

Enquanto for caminhante,
Por meus pés poder andar...
Ando sempre confiante
Que m'ajudeis a trepar!



















Modesto