sábado, 28 de fevereiro de 2015

FATIGADO























Preciso dum momento ensolarado
Que m' ilumine, nesta hora insana.
Ir pra um horizonte inalcançado
Que me devolva a força e a gana.

Preciso de estar de Ti enamorado,
De me entregar à fonte que promana
Do ardor que me faz forte e honrado,
Junto do Teu Crucifixo que me sana.

Tu és o meu Príncipe do infinito,
A chama qu' incendeia a minha alma
E me leva pela vida sã e calma.

Tu és a sabedoria do meu grito
A chamar por Ti  quando estou aflito...
Vem em meu auxílio  e tudo s' acalma!

Modesto                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                            

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

LÁ, A BELEZA



















O alto da montanha é beleza rara!
Meu peito - jardim onde guardo a dor -
Faz despertar vivo e intenso amor,
Com' eterna nudez do mármor' de Carrara!

Esfinge subtil no azul a dominar
A brancura de cisne, com a neve fria,
Tud' é beleza: estremeço d'alegria...
Lá, sei o que é rir, sei o que é chorar!

Lá cima, sinto-me em atitudes fátuas
Que creio copiar das mais belas estátuas,
Ao fim da tarde, em estudos indigentes...

Lá, me fascina o meu dócil amante:
O horizonte colorido, deslumbrante,
Toda a perfeição a meus olhos ardentes!

Modesto

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

LINDA FLOR DO CAMPO

















Tu és uma flor do campo
De majestosa beleza,
Possuis o dom do encanto,
Formosura, gentileza.

Encanta-m' o teu carinho,
És uma flor em botão!
Eu gosto do teu miminho:
Faz feliz meu coração.

És horizonte de luz,
Beleza universal,
Caminho que me conduz
Pela vida sem igual.

Beleza pura, ímpar,,.
A deusa do meu amor.
Encanta-m' o teu olhar,
Como pétala da flor.

Flor do campo. meu amor,
Viv' infância d' alegria,
Sê sempre botão em flor,
Imita a Mãe Maria.

Modesto

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

QUARESMA



















Quero oferecer a minha vontade
Unido ao Caminho, Verdade, Vida.
Alegria de sentir Sua bondade,
Rezarei em intimidade contida.

Entrego meu compromisso de viver
Silenciosamente na Sua Luz.
Meditarei sobre o "ter" e o "ser",
Alegrar-me-ei por levar Sua Cruz.

Quaresma é tempo de mudar de vida,
Pra viver em penitência sentida,
Passar do egoísmo par'o amor.

Entregar meu coração e meditar
No Projecto de Deus, a Cruz aceitar
E cantar Aleluia ao Senhor.

Modesto

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

MONTANHAS DA MINHA TERRA




















Tudo nas montanhas me faz relaxar
E ver o mundo de forma diferente.
Lá encontro a beleza a pairar,
Num horizonte largo, ao sol ardente.

As montanhas da minha terra são lindas!
Nada por elas poderia trocar.
Quando as visito, dão-m' as boas vindas,
Eu agradeço e sempr' as hei-d' amar!

O seu ar puro tonifica pulmões!
Dos pássaros ouvem-se belas canções...
Beleza divina, paz harmoniosa!

Há coelhos e perdizes a correr,
À suave brisa do entardecer
E há sempre a paisagem bela, briosa!

Modesto

domingo, 22 de fevereiro de 2015

GRATA FELICIDADE



















Que meus olhos não esqueçam
Os meu sonhos que revejo!
Que eles reapareçam,
Est' era o meu desejo.

Tão vivos me aparecem,
Que a beleza já vejo!
Sofrimentos não esquecem,
Mas mais claro revejo.

Infelicidade passa
E isso já não se sente.
A vida volt' a ter graça...
Deus deu-me este presente!

Olho,,, E que bem se vê,
Sinto-o na consciência!
Um bom livro já se lê...
Óculos já são ausência!

Felicidade latente,
Por Deus me dar esta graça.
Louvo-O constantemente,
Por este tempo que passa.

Olhar, ver e bem ler...
E é o que já se sente.
O Médico pôs-me a ver,
Tudo voltou de repente!

Modesto

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

AMOR AO ENTARDECER

















Belos momentos vivi,
Nesses dias que passei,
Construí sonhos por ti,
O meu coração te dei.

E, se em algo errei,
Perdoa, não percebi.
A ternura que ganhei
Vinha do céu e de ti.

Agor' ao entardecer,
Vamos dar as nossas mãos.
É tempo de aprender
A ouvir os corações.

Com alma embriagada,
Miscelânea d' emoções...
A tarde já começada
Aqueceu os corações.

Noss' amor é sempre quente:
Quero-te pra tod' a vida,
Pra viver ardentemente
Nosso amor sem medida.

E temos a consciência
De viver sem ilusões.
Aventura, inocência...
Une nossos corações!

Modesto

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

AMOR E SONHO



















O vento leva os sonhos,
Voando p'los céus acima,
Leva amores tristonhos,
Como poemas em rima.

Vive-s' o amor na vida
E o passado deixamos.
Há a paixão colorida,
Em sonhos que entregamos.

Nossos dons compartilhamos,
Os sons do amor ecoam.
São tesouros que doamos,
Enquanto os tempos voam.

Partilhamos harmonias,
Com uns sons angelicais
E canções de alegrias,
Em tempos especiais.

O amor fica fecundo
A correr nas nossas vidas
E perfumamos o mundo
Com flores das margaridas.

Lembramos que nos amamos,
Com o mundo a girar
E belos sonhos sonhamos...
Assim possam perdurar!

Modesto


terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

VIVER A INFÂNCIA



















Abri o velho portão
Da minh' infância feliz:
No jardim do coração,
Encontrei coisas que fiz.

Vi-me pequeno a ir
- E disso tenho saudade -
Correndo sempr' a sorrir...
Havia felicidade!

Hoje quero-vos dizer:
Voltei ao mesmo lugar!
'Inda consegui ver
Com' aprendi a brincar!

Lembro-me de tomar banho
De bacia no quintal.
O meu cabelo castanho
Brilhava como cristal!

Hoje abri o portão,
Vi coisas do meu passado,
Vi brinquedos pelo chão
E o meu sonho alado.

Voltei, revi e gostei!
Não consigo esquecer:
No meu íntimo, eu sei,
Lá irei permanecer!

Modesto

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

A MINHA MÚSICA



















A bela, irisada melodia,
Roxa sombra em tarde 'scrlate,
Faz aquecer a minha alma fria,
Às vezes, chorosa... ouço-a, bate!

Os meus anos passaram joviais,
Furtivos sobre a minha cabeça...
Em dias suaves de tons reais,
Não há tempos que a arrefeça!

É remédio prás minhas feridas!
Ao ouví-la, vem a felicidade
Com discretas, suaves melodias...
Por isso as ouço toda a tarde!

Toco piano de teclas esguias.
Circundam-me as rosas amarelas,
Rosmaninho perfuma melodias,
Voltam as sumptuosas primaveras!

Modesto

domingo, 15 de fevereiro de 2015

O MEU JARDIM



















No jardim que cultivo com carinho,
Vou plantando sementes de amor,
Rego-o sempre com muito carinho,
À espera que nasça uma flor.

No meu jardim, nunca estou sozinho:
Há borboletas à volta da flor.
Lá nascem flores que me dão cheirinho,
Tornando meu mundo bom e com cor.

Passo meus dias a imaginar
Sonhos que só eu posso entender.
No meu jardim flores vou semear
Pra que nunca possam desap'rar'cer.

O meu jardim é um mundo de magia:
Dá-me paz, como nunca pensei ter!
Ele me inspira a poesia
Qu' encanta e anima meu viver!

Modesto

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

SAÚDE ATRAVÉS DA MÚSICA

















A música tem seduções d' oceano
Em que, às vezes, procuro navegar.
Ponho-me a tocar no meu bom piano
E a minha musa vem-me ajudar.

As mãos no teclado, dedos distendidos,
Como rijo velame de um navio,
Tentando desvendar baixos escondidos,
Sob o manto da noite ´scuro e frio.

Sinto vibrar em mim belas comoções,
Num piano que toca a bom tocar,
Entre as melodias e as convulsões!

Consigo a minh' alma acalentar!
Reina a paz e a bonança impera,
Vais-s' o desespero que me exaspera!

Modesto

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

O ARCO-ÍRIS



















Saí em busca do belo
Perfeito e sem engano
Qu' atendesse meu apelo
E alcançasse meu plano
E, ao longe, pude vê-lo.

Vi a lua entristecida
Por não ter as sete cores,
Tinha tristeza sentida...
Reflectia seus amores
À estrela preferida.

O horizonte sentia
Uma forma de vazio.
Um arco traz alegria,
Em tempo cinzento frio,
Suas cores reflectia.

Era na realidade
Como fabuloso sonho
Que dava felicidade
E sem sorriso tristonho
Mas ar de suavidade.

O arco-íris deu vida,
Nesta manhã orvalhada.
A lua não tinha vida,
Seguindo sua estrada,
Mas muito entristecida.

Dia de chuva sem pressa,
Mas com cor d´animação,
Uma mudança começa,
Sem grande inspiração,
Até qu' o sol apareça.

O arco-íris, agora,
No horizont' a brilhar
Fica lá e lá demora
Com algo para contar,
Pela nossa vida fora.

Modesto

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

CONTEMPLAR O BELO


















Contemplar o belo é ver o sol,
Observar o seu brilho lindo,
Numa tarde de arrebol
E o caminho que vai seguindo.

É ser capaz de levar a felicidade,
Com o seu doce e meigo sorriso,
Olhar os outros com sinceridade
E fazer de cada pessoa outro amigo.

Ver, como a lua, o brilho do mar,
Ver as estrelas a luzir...
Como as flores envolvem o ar
E ter uma voz que faça sorrir.

É ter um coração que não seja um deserto,
Mas que aos outros sirva de guia,
Ensinar-lhes o caminho certo,
Em aconchegante alegria.

É ver as flores num jardim
E as estrelas no céu.
Fazer tudo bem... e assim
Não pensar que tudo é seu.

É praticar a vida de criança
Quando tinha coração que amava...
Que tinha sonhos de esperança
E o sorriso que dela emanava!

Modesto

sábado, 7 de fevereiro de 2015

ÀS CINCO CAGAS DE CRISTO




















Cinco fontes de graças infinitas,
Ó Chagas, cheias d' alta formosura,
Aceitai a tensão humild' e pura
Das palavras que dig' e tenho ditas!

Quantas na minh' alma tenho escritas!
Mil culpas feias e na carne dura,
Curai-me com graça e com brandura,
Ó Chagas do Senhor, Chagas benditas!

O Sacro Sangue que de Vós correu
Me cure, lave, gaste' e purifique...
As nódoas de dor, nelas 'stais vendo.

Por Vós, meu sangue se purifique,
Vós que resplandeceis no belo céu...
Qu' eu veja estar resplandecendo!

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

SONHO

























O sonho é ver as coisas invisíveis,
Movimentos d' esperança e vontade,
Distâncias imprecisas, sensíveis
E desejo querido pela verdade.

É ardor firme no coração nascido,
Incêndio num coração disfarçado
Em rio de nev' e fogo convertido,
Choro dum rosto a correr desatado.

Sonho é fogo que passa brandamente
Que quis que se tornasse neve ardente.
Mas s' é neve, como queima com porfia?

É que frio tempera a tirania
Dum coração em chamas derretido
E que ainda pode ser convertido.

Modesto

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

SOL ENTRE NUVENS



















A manhã está fria, mansa, macia,
Colorida pelos tons do fraco sol.
Mas ouço cantar a bela cotovia...
Talvez venha uma tarde de arrebol!

Horizonte rajado, rubro, dourado,
'Stá o roxo  mesclado com o vermelho,
Nevoeiro brando e bem rareado,
Torna-se belo, Parece um espelho!

Manhã d'encantos e amorosas cores,
Adornadas colinas, reflectem flores
Que me despertam recônditos segredos.

Vai ser um lindo e formoso dia!
Vamos vivê-lo em boa companhia...
À brisa da noit' afago teus cabelos!

Modesto

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

PRESENÇA DE DEUS

























Com o Senhor, na minha oração,
Pedi-Lhe um poema de beleza.
Ele disse qu' olhasse a Natureza,
Qu' apreciasse Sua Criação.

Falei sobr' o sol, senti Seu calor.
Falei sobr' a lua, senti ternura.
Pensei na Natureza: Que doçura!
Falei das crianças: Mostrou amor!

Escrevi sobr' árvores e as flores,
Senti o sopro da esperança,
Como carinho de uma criança...
Fez-me acreditar nos Seus favores!

Disse bem da água que me lavava,
Na fonte santa que fez meu baptismo
E que eu sujei com meu egoísmo,
Mas ouvi dizer: "Só Deus me bastava"!

Deus disse para eu me renovar.
Olhei pró céu azul, pra me acolher,
Senti fogo purificar meu ser,
Num sopro Divino, movend' o ar!

Terminei o poema admirado
E dei-Lhe tudo o que escrevi.
Disse: Prossegue! E beleza vi:
Senti o Divino bem a meu lado!

Modesto

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

MUNDO TURBULENTO













Vivo no mar deste mundo tormentoso,
De recifes e sereias povoado.
À Vossa Cruz, Senhor, vivo abraçado,
Pra que ao perigo escape, Venturoso!

Sem Vós, no meio do mar tempestuoso,
Empenhando meu repetido cuidado,
Mesmo seguro e ao mastro atado,
Os Teus Dons escapam: Não sou cauteloso!

Oh! Livra-me do inimigo astuto,
Deste labirinto de cego encanto,
Pra que colha da Vossa graça o fruto!

Doce Amor, livrai-me de risco tanto,
Salvai-me da prisão ao madeiro bruto,
Qu' eu saiba carregar Teu Madeiro Santo!

Modesto

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Ó LUA CHEIA!

























Lua cheia que passeias p'lo céu.
Nas minhas longas noites peregrinas,
Leva-me embrulhado no teu véu
Pra percorrer meus montes e colinas.

Ó lua cheia qu' enfeitas o céu,
Com as belas estrelas pequeninas,
Transporta-me com o teu branco véu
Pra ver as belas flores das campinas.

Ó lua que vives feliz p'lo céu,
Que passeias sozinha e ao léu,
Por esse belo céu que não tem fim...

Vê s' encontras, por aí, o meu bem
Que, nas colinas, s' abraçav' a mim,
Porque 'star sem ela, não sou ninguém!

Modesto

ORIENTA-ME, ESTRELA DA MANHÃ !

Eu te procuro, doce estrela a manhã Que no lusco-fusco d' aurora 'stá desperta, Por vezes, no meio de nuvens c...