terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

MUNDO TURBULENTO













Vivo no mar deste mundo tormentoso,
De recifes e sereias povoado.
À Vossa Cruz, Senhor, vivo abraçado,
Pra que ao perigo escape, Venturoso!

Sem Vós, no meio do mar tempestuoso,
Empenhando meu repetido cuidado,
Mesmo seguro e ao mastro atado,
Os Teus Dons escapam: Não sou cauteloso!

Oh! Livra-me do inimigo astuto,
Deste labirinto de cego encanto,
Pra que colha da Vossa graça o fruto!

Doce Amor, livrai-me de risco tanto,
Salvai-me da prisão ao madeiro bruto,
Qu' eu saiba carregar Teu Madeiro Santo!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

INCÊNDIO VELOZ

Corre mais que um atleta, mais depressa E corre tão depressa como o vento... Atrás de si, fica a treva espessa: O ten...