domingo, 30 de dezembro de 2012

ANO NOVO


O coração é um sino
A badalar no meu peito,
Cada batida é destino
Que parece ser perfeito.

O tempo qu'é tod'o tempo
Dura pouco, cada dia
E leva o sentimento
Prá avidez da poesia.

O tempo que não havia
É tempo que nunca houve,
Mas é tempo, todavia...
Foi o tempo que nos coube.

E... que venha o "réveillon"!
O tempo já o anuncia...
Dessa noite d'ilusão,
Vai nascer um outro dia...

E... já chora tod'a gente!
Tud'é mais caro, ó povo!
Andamos pra trás, prá frente...
São presentes d'Ano Novo!

Os Impostos, boa gente,
Fazem bradar todo o povo.
Há quem ria de contente
Dos presentes d'Ano Novo...

O Governo, meus amigos,
Não tem outra solução. (?)
Vamos procurar abrigos,
Pedir a quem nos dê pão!

Modesto

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

NÓS DOIS E O AMOR
















Que a lágrima seja a coisa mais rara,
Que ao meu lado nada te cause o pranto,
Que a felicidade - miragem tão cara !
Cubra de amor o nosso qu'rido recanto

Que nas tuas mãos suaves eu encontre apoio
E nos teus olhos verdes veja confiança.
Que eu seja sempre o trigo e nunca o joio,
Tanto nos dias tristes, como na bonança.

Nos traços tristes, circunspectos, do meu rosto,
Nunca vejas indiferença nem desgosto,
Mas sim um oásis que inspira ternura.

Dar alegria sempre à mulher amada,
Mulher adorada e sempre desejada
É meu atractivo, Esposa sempre pura!

Modesto

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

A MINHA MAIOR RIQUEZA















Mesmo que para ti talvez eu seja
Homem sem mistério nem encanto...
Ainda sou aquele que deseja
Ver-te feliz e evitar-te o pranto.

S'a vida a meu lado, hoje, é rotina,
Parece sem um horizonte qualquer...
Pra mim , és um amor de menina,
Amor que sinto por minha Mulher.

Nossa vida não foi toda venturosa!
Foi vida de luta, por vezes rude...
Às vezes não te trazia uma rosa,
Mas no amor fiz o melhor que pude...


Murcharam os sonhos da mocidade...
O tempo modificou-nos, eu vejo!
Porém, sinto que apesar da idade,
Ainda há tempo, amor e desejo.

Não trouxe mais amor a nossa vida,
Mais romantismo nem mais ventura...
Mas a caminhada foi divertida
E levamos a vida com ternura.

Não foi só opulência, beleza,
Nem só um canto terno de alegria!
Mas, sabes? A minha maior riqueza
Foi haver-te encontrado um dia!

 Modesto

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

CAMINHANDO PELOS PRADOS
















Caminhando p'los prados verdejantes
Pensando nesta aberração da cura,
Soluço que pelo sangue murmura,
Pra escapar às chamas flamejantes

Envolvo-me em prensas esmagantes,
Sinto que me amam nesta tortura...
Não é p'la aberração da formosura:
São coisas para mim não importantes.

Mas há quem viva energicamente,
Com os olhos enxutos de sal
Que espera um dia embelezar.

Vaidade eu tinha antigamente
De tanta beleza - dose letal!
Como sobreviver sem não chorar?

Modesto

sábado, 1 de dezembro de 2012

ESPERANÇA, JUSTIÇA





Às vezes também se espera. Isto cansa!
Com a espera também se perde a crença...
E vão-se os sonhos nas asas da descrença,
Voltam os sonhos nas asas da esperança!

Há gente infeliz! Nisso pouco se pensa.
Diz-se qu'este mundo é ilusão completa:
É este pensar qu'ao mundo os manieta,
Pena não ter a esperança por sentença...

Ó Mocidade, ergue alto o teu grito!
Luta para o mundo não andar aflito,
Serve com glória os teus irmãos - Avança!

Há tanta gente que vive em desalento!
Vai também tu ajudar nesse tratamento!
Brada pela justiça e, depois, descansa.

Modesto

ORIENTA-ME, ESTRELA DA MANHÃ !

Eu te procuro, doce estrela a manhã Que no lusco-fusco d' aurora 'stá desperta, Por vezes, no meio de nuvens c...