CAMINHANDO PELOS PRADOS
















Caminhando p'los prados verdejantes
Pensando nesta aberração da cura,
Soluço que pelo sangue murmura,
Pra escapar às chamas flamejantes

Envolvo-me em prensas esmagantes,
Sinto que me amam nesta tortura...
Não é p'la aberração da formosura:
São coisas para mim não importantes.

Mas há quem viva energicamente,
Com os olhos enxutos de sal
Que espera um dia embelezar.

Vaidade eu tinha antigamente
De tanta beleza - dose letal!
Como sobreviver sem não chorar?

Modesto

Comentários

Mensagens populares deste blogue

NASCESTE, FILIPA !

A VIDA TEM OUTRO SABOR

SALVEMOS O PLANETA