quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

POETAS RISONHOS


















Anacreonte, pai da sã alegria,
Ovídio, padre da ciência amorosa,
Quevedo, bebia bom licor de rosa,
Banville, insigne orfeu d'harmonia...

E convosco toda a grei de cada dia,
A quem fala o coração de rosa,
'Scritores que fabricam a humana prosa
Dos seus Himetos mágicos da poesia.

Prefiro o vosso riso sonoro, ó Musa
Risonha, Vossos versos cantados em hino,
Aos versos de sombra em canção confusa,

Que opõe Bárbaros ao 'splendor latino,
E ante a máscara da fatal Medusa,
Medrosa, me cante em canto cristalino.

Modesto

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

O CAFÉ

















Café, tens a mesma cor
e a mesma procedência,
És aroma e essência
E amargo no sabor.

Em tempos coloniais
Tu bem vias a espessura
da "liama" à cintura
Como cinturões reais.

Falámos ao obreiro
que nos apertava a mão,
tempo de revolução...
Desconfia, cafeeiro!

Depois, vinha um poeta,
Sério, meditabundo...
Queria mudar o mundo
Com uma só quadreta!

Vamos, gente de valor!
O café pede-nos fé!
Livres como o café,
Somos fortes com amor!...

Modesto


terça-feira, 29 de janeiro de 2013

O GRANDE GESTO DE AMOR






















Como à menina dos Teus olhos,
Assim me guarda, Senhor!
O homem tornou-se bom pelos Teus despojos...
Inclina os Teus ouvidos ao meu clamor.

Teu próprio Corpo entregaste ao opróbrio,
Lágrimas derramaste por amor!
Nenhuma queixa saiu dos Teus lábios,
Rei dos réis, Senhor dos senhores.

Grandes são as Tuas maravilhas prós nossos desejos.
Mistério Insondável és Meus Criador!
Adorar-Te para sempre quisera de joelhos,
Deus Eterno e Consolador.

Não apartes de mim a Tua misericórdia,
Nem me apartes um momento do Teu lado.
Amarei Tua justiça de noite e de dia,
Cristo, pelos meus pecados foste Crucificado.

No Gólgota se viu  a Tua agonia,
Quando Teus pés e mãos foram cravados...
Se isto não é gesto de amor, eu diria,
Oh Meu Bom Jesus, que bom que tenhas ressuscitado!

Modesto

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

PORTOS DE AMOR






















Ainda que tenhas os braços sempre abertos
E a Tua fronte de espinhos coroada
E o Teu sangue tenha sido derramado...
Tenhas sido a chuva caída nos desertos,

Não é o Teu Reino, Senhor, reino de mortos,
Nem é a Cruz para sempre a Tua morada,
Porque toda a Tua Vida nos foi dada
Para guiar os nossos barcos a bons portos.

Portos que são o Teu Amor, a Luz, a Glória,
A Tua Ressurreição, A Tua Aliança...
E o Espírito Santo nos foi dado.

A Tua Cruz dos homens é a memória
E os Teus braços abertos a esperança
Que nos faz sentir bem sob o teu amparo

Modesto

domingo, 27 de janeiro de 2013

MÚSICA E POESIA


















A música alimenta o meu ócio,
É o alívio da minha vida!
Alguns pensam que é ilógico,
Porém, a mim, dá muita alegria.

Cada vez que ouço uma canção,
Encho-me de vários sentimentos:
Sento-me ao piano, sai o som,
Derramo lágrimas e sofrimentos.

Que triste seria a vida amena
Se não houvesse músicas corridas?!
Eu escreveria tanto poema...
Para esquecer as minhas feridas!

Um dia, meus dias acabarão
E as minhas horas um fim terão.
Eu sei que sempre me recordarão
Nos meus poemas que vocês lerão!

Se a música é minha alegria,
A poesia alívio profundo...
As duas me dão grande energia!
Nunca me esquecerá este mundo!

Modesto

sábado, 26 de janeiro de 2013

O AMOR, MARCO ETERNO

.




















Nas almas sinceras em união sincera,
Nada há que impeça o verdadeiro amor.
Se, quando encontra obstáculos, se altera,
Já vacilou, no mínimo, no temor.

O  Amor é um marco eterno, dominante,
Que encara a tempestade com bravura:
É mastro que norteia a vela errante,
É valor que se vigora prá Altura!

Amor não teme o tempo, muito embora
Seu alfange não poupe a mocidade...
Amor não se transforma de hora a hora,

Antes, se afirma para a eternidade.
Isto não é falso e ninguém ignora...
Só o poeta o conhece de verdade!

Modesto

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

O CANTO DO ROUXINOL















Canta à noite, canta de manhã
O rouxinol no bosque dos amores.
Canta quando estou colhendo flores,
No jardim da flor mais temporã.

Tem o céu de amaranto graná
E a brisa da tarde entre as flores,
Suspira nos Invernos de rigores,
Canta triste em esperança vã.

E... nas noites amenas de ar puro,
Escuto, à lua, os teus cantares.
Soam os ecos p'lo bosque sombrio.

Nas noites de dulcíssimo escuro,
Bálsamo suave em meus pesares,
Tiras do meu peito a dor e o frio.

Modesto

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

VEM, PRIMAVERA!


Tão alegre, tão menina, tão delicada...
És a Princesa que chega sem dizer nada!
Trazes alegria para encantar o mundo
E deixas reluzente tanta riqueza junto!
Enfeitas o jardim com vaidade,
Sabes que cada flor aparenta mocidade...
No desabrochar da vida nos ensinas a apreciar
que os espinhos ferem quando na rosa queres tocar.
Fazes-nos perceber quanto é bela a Natureza!
Cada Estação tem mágica subtileza...
Ao chegar à nossa vida, dás-lhe o real sentido:
Despertas os corações e faz-los ficar unidos!
Vem! Sente-te à vontade!
És pura beleza em qualquer idade!...
Que teu perfume se espalhe ao nosso redor,
Transformando a crueldade
Num lindo templo de amor!

Modesto



quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

QUERO SER CENTELHA SONHADORA












Quero ser o hoje, o amanhã, o sempre,
Borbulhando na tua alma como o tempo.
Mas eu sou uma pequena essência volátil
Da viagem neste mudo tão grande!....
Quero ser sonhador,
Chegar às estrelas,
Dançar sobra as nuvens,
Agarra-las e brincar no meio delas...
Chamar-me-ão louco!
Mas, neste mundo real só há cinza...
Quero viver de memórias,
Atemporal,
Versátil...
Viver as minhas histórias!
Quero ser uma palavra
Em milhares de bocas,
Um sentimento em almas sinceras
E que se interesse pelo mundo deveras!
Quero estar no canto do fundo da vida frágil,
Onde os sorrisos são o ar da alma,
Onde mora o império da calma,
Vivendo nos legados do amor.
Quero ser uma paisagem eterna,
Como uma centelha mágica de paz e amor,
Com coragem inata prá vida fraterna...
Quero ser teu hoje, amanhã e sempre,
Aqui, na realidade dos sonhos.
Eu vivo contigo,
Na tua alma,
Nos teus sonhos...
Na minha alma... Sempre!

 Modesto

domingo, 20 de janeiro de 2013

FANTASIA DE UM AMOR

Jogo de carícias,
Beijos que queimam,
Mãos travessas te acariciam...
O teu porte se levanta,
O teu orgulho brota...
E tu queres ocultar o teu amor?
Mas não escondes os teus sonhos!
Sonhas que te amam,
Amas nos teus sonhos,
Imaginas que aparecem
As carícias desejadas,
Lutas para encontrar o desejado...
Queres vencer, apesar do amor
E permaneces serena!
Amores desejados,
Fantasias passageiras... 
E a tua razão?
E os teus princípios?
E a tua moral?
Mas...esperas sonhando
Que apareça um dia
O homem que acumule
Todas as tuas fantasias!

Modesto



sábado, 19 de janeiro de 2013

FRAGRÂNCIA NO JARDIM
















Já só te observava na minha mente,
Tua fragrância veio com o vento,
Refrescando o meu puro sentimento
E outra vez o amor se faz presente!

E, perante um êxtase tão fragrante
O qual chega ao meu pensamento,
Leva-me a esperança num instante...
Mas depressa te descobri no momento.

Teu aroma salvou este empobrecido.
Com teu amor, não foi tempo perdido,
Porque ainda te encontrei no jardim.

Agora és uma rosa bem armada,
A mais bela do jardim, mais perfumada..
Em magia, voltaste pró pé de mim!

Modesto










sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

A FLOR DA MINHA INCLINAÇÃO

















A recente história da Primavera
Fez-me ouvir de novo o rouxinol a cantar.
Sinto que em mim se abre um altar,
Com nova canção, muito mais severa.

Cortei a flor da minha predilecção,
Coloquei-a entre as mãos para rezar
Ao deus do amor que ouvia cantar
E, sem surpresa, me causou emoção.

À minha volta torno a ver a cor,
As ervas são verdes como dantes...
Só o caminho passou a ser diferente!

E, já na senda divina do amor,
Alisou-s'o caminho com' era dantes...
A flor fez-se mulher e bem sorridente!

Modesto

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

AMAR NESTE MAR IMENSO




















Sabes? Não quero ser mar
Nem que tu sejas areia,
Para podermos amar
Precisamos é de veia!

Par'amar como tu amas,
Impossível igualar:
Amor de fogo em chamas...
Cuidado pra não queimar.

Aqui, neste mar imenso,
Tenho amor de amante...
Hoje tristemente penso
Que fui um astro errante.

Hoje tuas mãos estreito.
Num momento bem amargo.
No meu peito te aceito,
Sabendo que és meu Orago.

Amar-nos no mar imenso
Em manhãs a destrelar...
Sabes sempre o que eu penso:
És mais bela que o mar!

Modesto

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

SONETO OPTIMISTA






















A luz do seu olhar, apagar-se não sabe.
Ilumina o meu destino, afasta o azar,
Se for por outro caminho, é só tropeçar...
Nem sonhar outro caminho, a mim não cabe!

Tenho uma Mulher a quem deveras adoro!
Nós juntos sabemos decepar a tristeza.
Ela é honesta e de grande pureza,
Não a posso perder com esse desaforo...

Finalmente vejo o esplendor diário,
Já não me dói nem há coração solitário,
Bem como a palidez é mais qu' ilusória!

À minha volta tudo se torna mui sério,
Porque já a fiz rainha do meu império...
Fiz dela minha alegria e minha glória!

Modesto


terça-feira, 15 de janeiro de 2013

SONHOS


Trabalhas a terra com a enxada e com o arado,
Trazes os sonhos na tua mão,
Tens na terra o destino fadado
E olhas para o céu pedindo a bênção.

A chuva cai, beijando a tua fronte
E brota da terra a semente...
Mais água brota da fonte...
E tens a planta crescente!

Mostras nas mãos calejadas
os frutos da terra trabalhada,
O pão que enche as mesas preparadas
E alimenta a filharada...

Enquanto os teus sonhos ficam na mente
E te dão a esperança
Que terás um amanhã diferente:
Para teus filhos, melhor bonança!

Modesto

AQUELE DIVINO MOVIMENTO






















Suspenso daquele divino movimento
Como o sol ou as estrelas celestiais,
Resplandecia na neve como cristais,
Junto ao ulmeiro a ouvir o som do vento...

Dormitava sonhando com amor atento
Que foi a causa amorosa dos meus ais,
Digo, levantando a voz, palavras tais,
Que parecem turvar o meu pensamento:

Era Vénus! Formosa, doce e macia,
Que aparece de novo junto aos juncos,
Vem num corcel de amor meigo e sereno.

Olá, menino! (O que o amor fazia!)
Abraçando-me rápido, ficámos juntos
A dormir durante todo o frio Inverno!

Modesto

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

AMO A VIDA

















Amo a vida e me apego a ela,
Como se apegam ao firmamento
Os seus mistérios com a mais bela estrela
E o soprar enérgico do vento.

A grande energia que flui no meu espírito,
O sangue que corre nas minhas veias
Nutrem a minha alma ... (como é bonito!)
Filtrando amores e suas teias.

Um Ente existente
Sacia as fibras dos meus sentidos.
Por isso, Amo a Vida, sempre latente,
Bela, efervescente
Que acolhe os meus gemidos!

Modesto



sábado, 12 de janeiro de 2013

ODE DA ALEGRIA






















Sim. O meu Deus é eterno.
É a plenitude dos mundos e é Seu Pai.
Ele manifestou-Se aos Seus de modo terno,
Para que reconhecessem Quem os criou
E não julgassem que a sua origem era sua,
Mas que tinham um Pai!
Deus abriu caminho ao conhecimento,
Promulgou-o,
Ampliou-o
E conduziu-o à perfeição.
Pôs nele a marca da Sua Luz,
E os Seus vestígios, para que tivéssemos rectidão,
Desde o início até final.
Esse conhecimento é obra Sua no Natal:
Deu tudo a Seu Filho para nossa salvação.
Ele exercerá o Seu Poder.
O Altíssimo será conhecido pelos Seus Santos,
A partir da Anunciação,
Pelo Seu Nascimento, aos que cantam
E vão ao Seu encontro (parece magia)
E Lhe cantam com alegria.

Modesto




quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

ODE DA TRANQUILIDADE

















A minha alegria está no Senhor
E o meu impulso  é para o Seu amor.
Belo é o meu caminho,
Porque me apoio no meu Senhor
E Ele me ama com carinho.
Ele deu-se-me a conhecer
Na Sua simplicidade.
E, na Sua generosidade,
Despiu-se da Sua grandeza,
Para que eu conhecesse a Sua pureza.
Fez-se semelhante a mim,
Para eu O poder receber.
Fez-se semelhante a mim,
Para que d'Ele me revestisse
E não tivesse medo quando o visse.
Ele é a minha misericórdia!
Tomou a minha natureza,
Para que eu O possa compreender
E a minha aparência
Para que pra Ele possa correr.
Ele criou o conhecimento,
Ele é o Verbo, Palavra de conhecimento.
Ele criou a Sabedoria
E é mais sábio do que tudo o que criou!
Foi Ele que me criou
E sabia, antes  que eu fosse,
O que faria quando existisse,
Teve compaixão, na Sua misericórdia
E concedeu-me que rezasse
E que do Seu Sacrifício beneficiasse!
A minha alegria está no Senhor
E todos os meus impulsos vão pró Seu amor.

Modesto


terça-feira, 8 de janeiro de 2013

ALMA QUE BUSCA


















Alma faminta, encantada,
Grande vontade de viver...
É linda e apaixonada
Dentro do seu próprio ser.
Sua natureza é buscar
As mais lindas formas de amar!

Rema sempre a favor do vento,
Serena, muito consciente,
Que procurar o alimento,
É atitude inteligente.

E ao ver o fruto maduro,
Prontinho pra ser degustado,
Perfumado e sem ser duro,
Objectivo: o ser apanhado...
Na natureza a procurar
As mais lindas formas de amar!

Modesto

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

NA TUA AUSÊNCIA
















Faço um poema de amor na tua ausência,
Incapaz de sentir-te pertinho de mim,
Pra te mostrar a minha dor... Pura inocência,
Recordar outros tempos sem viver assim!

Inauguro palavras prá minha tristeza,
Mas só sai monólogo daquilo que sou.
O que sinto, escrevo, é da Natureza.
Não foi a vontade qu'a isto me levou!

Será esta dor incapaz de ser sentida?
Mas... A Mulher qu'eu amo nunca foi fingida...
É um poema sem amor, a tua ausência!

Vou por aí... e faço uma tentativa
De te ver mudada... Mas, oh!...tudo sem vida!...
Resta-me aguentar a dor com paciência.

Modesto

ORIENTA-ME, ESTRELA DA MANHÃ !

Eu te procuro, doce estrela a manhã Que no lusco-fusco d' aurora 'stá desperta, Por vezes, no meio de nuvens c...