quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

O CAFÉ

















Café, tens a mesma cor
e a mesma procedência,
És aroma e essência
E amargo no sabor.

Em tempos coloniais
Tu bem vias a espessura
da "liama" à cintura
Como cinturões reais.

Falámos ao obreiro
que nos apertava a mão,
tempo de revolução...
Desconfia, cafeeiro!

Depois, vinha um poeta,
Sério, meditabundo...
Queria mudar o mundo
Com uma só quadreta!

Vamos, gente de valor!
O café pede-nos fé!
Livres como o café,
Somos fortes com amor!...

Modesto


Sem comentários:

Enviar um comentário

DELÍRIO AO PIANO

A tecla, mais doce que um carinho Do meu piano ebúrnio, soluçava. Era como ouvir um sol mansinho, Em cada nota que ne...