Follow by Email

segunda-feira, 30 de abril de 2012

EM CADA AMANHECER...

















Descubro novas forma de prazer:
Ponho os sentidos em liberdade,
Extasio-me no sol a nascer,
Como fosse minha propriedade.

Encontro nova forma de amar
Que se inicia em cada dia:
Aurora boreal vem-me chamar
E vivo horizontes de magia!

O prenúncio da luz da manhã
Mostra-m'o tempo d'ontem e d'hoje,
Conhece onde minha ânsia 'está
E contrasta com a vida que foge!

A felicidade leva-m'ao céu
E traz-me de novo ao mundo vivo,
Sabe como o meu sonho viveu
E deixa-me feliz por estar vivo!


Modesto

sexta-feira, 27 de abril de 2012

ÉRAMOS...























Éramos... Entre bosques e colinas,
Um 'sperava o outro à distância!
Descíamos, a correr, as ravinas...
E o primeiro beijo de criança!

Depois... Vieram livros aos milhares,
Coisas que iluminam a circunstância:
Cursos, estágios e os pesares...
Foi uma juventude com fragrância!

Então... Veio o tempo belicista,
Os obedientes, os desertores,
Críticos, polícias, delatores...

Hoje... No silêncio dos amores,
Já tenho a luz da minha conquista:
Lembro sonhos e ofereço flores!















Modesto

quinta-feira, 26 de abril de 2012

A VIDA E O TEMPO




















Contemplo minha vida gotejando
Nas linhas que o destino lhe traça.
A vida, o tempo... Lá vão passando
Com o meu eu que muda e s'enlaça.

Hoje, vi o meu eu como a fonte
Da vida suave e da tormenta...
Fui eu que a fiz!... Vi no horizonte
Vida ao ritmo de quem m'acalenta.

Vida tem dias de bons pensamentos,
Sem as lágrimas dos meus desalentos
Qu'atirei com a força dum tornado!

No tempo retomarei a lembrança
De ter vida amanhã com esperança
Dum dia alegre e mais azulado!

Modesto

quarta-feira, 25 de abril de 2012

BASTA UM POUQUINHO DE FÉ


















A semente bem plantada
Dá um' árvore frondosa,
Sua raiz, espalhada
Na terra, é poderosa!

Seus frutos são perfumados,
Saborosos alimentos!
E à sombra descansados,
Temos bons ensinamentos!

A vida é humildade,
Como as flores do campo:
São belas mas sem vaidade!
Por isso as queremos tanto!

E a sua paciência,
Perante a adversidade,
Mostr' à noss' inteligência
Qu'a vida é suavidade.

A fé... as coisas não muda,
A fé... muda o coração!
Com' a planta: Fica muda,
Mas cham'à noss'atenção!

Amemos a humildade
E não queiramos ser deuses!
Na raiz, simplicidade...
Converte até os ateus!

Pede a Deus para sentir
Da árvore ensinamento,
Com ele deixas-te ir
Até ao seu fundamento!

Modesto


terça-feira, 24 de abril de 2012

A NATUREZA DÁ-NOS SAÚDE E BELEZA























A Natureza é beleza que sacia,
É infinito o nosso deslumbramento...
Até o vento manso nos acaricia,
Pode mover-se feliz a tod'o momento.

Subimos ao alto, vemos o horizonte
E saciamo-nos com a bela Natura,
Vemos, ao longe, deslizar um rio ou fonte
Que parece olhar-nos com pura ternura.

Quando olhamos para o sol a brilhar,
Dámo-nos conta que Deus fez tudo perfeito.
Olhamos prás estrelas e par'o luar,
É grande a magia e metem respeito.

Os campos verdejantes e os belos montes
São nostalgia ou fontes de inspiração...
Sentimentos profundos se vive nas fontes
Com amor ou, às vezes, também solidão.

Os canteiros dos jardins cobertos de flores
Abrem-nos novos, belos, puros horizontes:
Ajudam à ventura dos nossos amores
E transportam-nos de novo para os montes.

Apreciemos esta enorme riqueza,
Pois não queremos que passe despercebida.
A questão é: Não destruir a Natureza
Que dá saúde e juventude à vida:

Modesto

segunda-feira, 23 de abril de 2012

A BELEZA DA NATUREZA























Como é belo de ver,
Até custa a acreditar
O que 'stá acontecer
Debaixo do meu olhar:

O sol a contemplar
As aromáticas flores...
Os seus perfumes no ar
São tão inebriadores!


















Aves em acrobacias,
Mostram seu nobre voar!
É delírio... magias
Difíceis d'acreditar!

Natureza especial,
Cenário pra ficar.
É beleza principal
Que devemos preservar!

Modesto

domingo, 22 de abril de 2012

0 PÃO QUE ME ALIMENTA























Prostrado diante de Vós, ó Deus Magnífico,
Com profunda fé, esperança, caridade,
Do fundo da minha alma , eu Vos glorifico,
Embora eu não seja mais que nulidade!

Inclino-me perante Vós, Deus ocultado,
E adoro-Vos com tod'o meu coração!
Se mo permitirdes, Mistério velado,
Amo-Vos com as forças da minh'afeição!

De joelhos m'inclino, Cordeiro Divino,
Que da minha alma os pecados tirais
E Sois Vós o meu alimento matutino!

Aumentai a minha fé, ó Verbo Divino,
Vós que na minha salvação me ajudais,
Conduzi a minha vida a bom destino!

Modesto

sábado, 21 de abril de 2012

A VIDA NESTE MAR ENCAPELADO


















Ao cair da tarde, foram para o mar,
Pois tinham pressa de chegar à outra margem.
O vento forte faz as águas agitar...
Estavam longe e perdiam a coragem.

Jesus vem, sobre as águas a andar.
Os Discípulos, ao vê-Lo, tiveram medo.
Quando Jesus ao barco estav'a chegar,
Foi-lhes dizendo: «Sou Eu! Porque tendes medo?»

Quando fortes tempestades em nós rebentam
Acreditemos em Deus que é fortaleza!
Ele é refúgio, Suas Leis nos sustentam,
Num mar encapelado, é nossa defesa!

Se nEle pusermos a nossa confiança,
Podem as ondas altear e rebentar...
Deus está sempre presente a fazer bonança
E alegria e paz vem em nós morar!

Hoje, agitam-se os povos em loucura,
Desmoronam-se os valores das Nações...
Nossa vida é cada vez mais insegura,~
Resta-nos ter fé pra ter paz nos corações.

Modesto

sexta-feira, 20 de abril de 2012

SACIADO COM OS DONS DA VIDA

















Amanhece, respir'o ar da Natureza,
Anoitece, vejo as estrelas no céu,
A brisa traz-me a sensação de leveza...
O tempo dá-me a alegria de ser eu.

Os sonhos dão projectos a realizar,
O amor enche a vida de emoção,
A Criação dá-me vontade de cantar
Com a beleza que chama minha atenção.

A família, meus anseios, esperança
Nos meus filhos que a minh'alma engrandecem,
Encorajados par'a vida, em criança,
Alegram-se nos exemplos qu'os fortalecem.

A paixão que alimenta o meu desejo,
A ternura que m'oferecem com carinho,
A canção que se faz ouvir num doce beijo,
Os lindos olhos qu'iluminam meu caminho.

O facto de existir e de ser quem sou,
O dom da vida, a vontade de vencer...
Agradeço a Deus os bens que me doou
E o Seu Amor que tão feliz me faz ser!

Modesto

quinta-feira, 19 de abril de 2012

O PÃO NOSSO DE CADA DIA


















Faz o possível, mas há sempre o caos!
E... são os dias dum homem valoroso
Que emergindo das brumas ou dos vaus,
Sonha, inventa... mas sempr'anda nervoso!

Enriquec'o esforço, mas mais se desgasta!
Entre o azar e a desordem indomável,
A sua melhor invenção é nefasta,
Porque aparece um outro mais hábil!

Entretanto, s'a realidade for boa
E o conceito de perspectiva sã,
Se consegue apanhar uma maré boa,
Vê o seu triunfo, logo de manhã!

Mesmo assim não deixa de ser abjecto
Não ver que seu trabalho produziu algo...
Torna público seu queixume completo
E chega o fim do mês, sem estar salvo!

Uma fonte incessante d'energia
Fundamenta seu esforço cada hora!...
Magro é este seu pão de cada dia...
É lei humana! Mas... seu coração chora!

Modesto

terça-feira, 17 de abril de 2012

...E O VERDE REVESTIU-SE DO NEGRO!



















Percorro esta paisagem com meus olhos,
Árvores perfiladas contra o vento!
A luz se desvanece e vejo molhos
De toros derrubados, em passatempo!

Ouço com meus ouvidos, desta floresta
As árvores queimadas a reclamar!
O fogo não deixou nem uma giesta
Pra dizer: «Floresta é pra preservar!»

Agora há aves a esvoaçar
Entre troncos negros, sem poder pousar...
Mataram tod'a fauna e tod'a flora!

Não sei quem poderá salvar minha Serra...
Falta a noção da vida na terra!
Fiquei triste e tive que ir embora!

Modesto

QUERO ALEGRIA












Hoje só quero alegria,
Enrolar sonhos e magia,
Colorir o céu cinzento...
Vou ver os campos floridos,
Como noutros tempos idos...
Deixar fluir a vida,
Dar asas ao pensamento.

Meu coração com certeza,
Desilusões e tristeza,
Já as mandou ir embora!
Hoje quero paz incessante,
Com o mal bem distante.
Vou viver como criança
A contemplar a aurora.

E,neste clima ameno,
Canto suave e sereno
Melodias d'embalar.
Passeio p'la Natureza,
Aprecio a beleza,
Enlevo-me na paisagem,
Ouço pássaros cantar.

Hoje brindo ao amor,
Comemoro com fulgor,
Como noutro tempo era.
Vou pelos jardins de relva,
P'las montanhas e p'la selva
A ouvir cantar a gralha...
Saudar a Primavera!

Modesto

QUEM CRÊ QUE JESUS É FILHO DE DEUS, TEM A VIDA ETERNA























Nós falamos do que sabemos
E damos testemunho do que vivemos.
Por isso, temos que nascer de novo,
Para testemunhar Deus diante do Povo.
Deus guia-nos por longos caminhos
Pedregosos e duros,
Mas não nos deixa sozinhos!
Perdemos as forças e não vemos a Luz.
O nosso coração torna-se duro,
Pelo sofrimento e pela nossa cruz.
Aparece, à nossa frente, um alto muro!
Mas Tu és o Deus da claridade,
Abres nossos olhos com a Tua verdade,
Guias-nos com a Tua Palavra
E, como Estrela, nos guias na estrada,
Lavando-nos com Teu Amor
Que nos deste com Tua Dor,
Se seguirmos a Lei do Amor
Que colocaste no nosso interior!
Ela indica-nos os Teu Caminhos,
Por onde nunca podemos ir sozinhos,
Mas com os irmãos ao nosso lado,
Indicando-lhes o Caminho Sagrado
E, em Comunidade, Te vamos louvar,
Nos degraus do Teu Altar.
Então, o Amor torna-se realidade,
 O Vosso perdão é amizade,
Que nem o coração humano pode imaginar!
Seja qual for o caminho que vamos trilhar,
Tu sempre estarás connosco, Senhor,
E nada nos separará do Teu Amor!

Modesto

segunda-feira, 16 de abril de 2012

RISO SONHADOR



Ri muito quando menino
E ria às gargalhadas,
Fui compondo meu destino
Nos sonhos... pequenos nadas!

Ria nas encruzilhadas,
Pelo medo pequenino...
E, mesmo com mãos geladas,
Ria-me do meu destino...


Tud'era idealizado
E nunca tive receio,
E de rir não 'stava cheio...

Meu mundo principiado...
Ri! E não sei como veio:
Foi um sonho bem sonhado!


Modesto














NÃO POSSO VIVER SEM TI



















Como posso sentir-me só,
Se sei que Tu estás comigo?
Eu nunca posso estar só,
Porque sei que És Bom Amigo!

Como posso ser pecador
E deixar sujar minha alma?
Se Teu olhar reflecte Amor
E Teu Amor me traz a calma!

Eu não posso estar sem Ti
E sem Ti não posso viver!
Meus sonhos estão sempre aí,
Só dependo do meu querer!

Por mim, Tu quiseste morrer:
Foi um acto d'Amor bonito!
Ainda Te faço sofrer,
Sem ver Teu Amor Infinito!

Sei que não vou durar pra sempre
E os anos lá vão passando...
És Misericórdia sempre:
Perdoa a vida em que ando!

Modesto

domingo, 15 de abril de 2012

LINDAS PRIMAVERAS


















Estamos na Primavera
Que vem trazer esperança:
Voltar a ser como era,
Com coração de criança,
Todo envolto em magia.
Vivia com segurança
E tudo era alegria!

Eu corria pelos campos,
Com o perfume das flores
E meus sonhos eram tantos,
Os montes os meus amores...
Nos prados havia lírios,
Ouvia das aves cantos
Que levavam a delírios!

O meu viver era lindo:
Tud'era meu, céus e terra!
Lembro, hoje sorrindo,
Como subia a serra
Revestida de beleza!
'Inda hoje a minha terra
Tem a melhor Natureza!

Tod'alegria doutrora
Já se foi, venh'o Inverno!
Meu coração comemora,
Entoando canto terno,
Com o amor mais chegado,
E antes de ir embora,
Quero lembrar o passado...

Que venham muitas flores,
Que brote também a 'sperança,
Que não surjam muitas dores,
Que reine paz e bonança.
Transforma-s'a existência,
Mas não muda a esperança
De conservar a essência!

Hoje vivo com mais calma,
Vejo estrelas cintilantes,
Alimento minha alma
Com flores mais cativantes,
Sondo os voos da garça,
Descanso à sombra da palma...
A vida volta a ter graça!

Modesto


sábado, 14 de abril de 2012

A LEI DA PÁSCOA























É no amor, adoração e serviço
A Deus e aos irmãos que viv'àlegria.
A liberdade é caminho maciço,
Prá plenitude da pessoa sadia.

O nosso espírito é com'as estrelas,
Tu não as vês mas sabes que lá estão.
Assim as Leis de Deus deves percebê-las
E tê-las presentes no teu coração.

A Lei do Senhor é total perfeição,
Seus preceitos primam pela rectidão
E aos simples concede a sabedoria!

A Lei do Amor exulta o coração!
Embora vivamos em oscilação,
Sabemos que ressuscitou, Aleluia!

Modesto

DESEJOS DE PRIMAVERA



















Como é belo o verde do caminho,
Que calmo o céu, que azul o mar,
Que lindos são os pássaros no ninho:
É a Primavera a vicejar!

É tempo do noss' amor e carinho
E de me ver na luz do teu olhar.
Sentados na relva verde-marinho,
Tenho vontade de te abraçar!

Sob esta camisa branca de linho,
Está a palpitar meu coração...
Mas estou triste, peno e definho,
Porque, aqui, não me deixas beijar!

Tu estás mais bela qu'o rosmaninho,
Igualas o brilho do luar.
E quanto mais de ti me avizinho,
Mudas-te sempre pra outro lugar!

Vou dizendo àquele passarinho
Pra não cantar esta bela canção,
Porque me lembra que fico sozinho,
No deserto da minha solidão!

Olha pró meu jardim: Que desalinho!
Vem comigo e dá-me uma mão...
Vê como é verde este cantinho!
Como é feia a insatisfação!

Modesto

sexta-feira, 13 de abril de 2012

DAS LINHAS DO TEMPO


















O meu jardim, hoje, brilha de elegância
Com flores em labor de pólen d'amor!
Quis fazer um ramo cheio de fragrância,
Ouvir a sinfonia em Dó Maior.

A qualidade é deliciosa:
Um regalo de pétalas coloridas,
Com margaridas e uma branca rosa,
Um lírio azul... mais flores queridas.

Hoje, celebra-s'um dia memorável
Que deixou suspenso o teu coração!
E eu também estava inconsolável:
Angola! Era a sinistra canção!

Lembro-me, que lá, havia brancos lírios,
Lagos com cisnes, terror com que furor!...
Tu, aqui, rezavas com ardentes círios
E 'strelas celestes, veland'o amor.

Hoje, meus poemas da vida arranco!
Of'reço-te flores com'um Serafim,
Vê como vivi aquele tempo em branco...
Mas, hoje, dou-te flores do meu jardim!

Modesto

quinta-feira, 12 de abril de 2012

ACONTECE TAMBÉM A NÓS!...























Acontece, às vezes, que nós também
Percorremos o caminho do regresso,
Decepcionados com o mal que vem
Das injustiças do nosso mau progresso.

Não construimos uma fraternidade
De justiça, de fé, d'amor altruísta.
Esquecemos qu'a nossa sociedade
Vive a sua fé individualista.

Jesus Ressuscitado chama à vida
Em fraterna comunidade vivida,
Revestidos com o Dom do Seu Amor.

O caminho é duro, carga grande!
Pouco fazemos... queremos qu'o mundo ande,
Mas não seguimos o que diz o Senhor!

Modesto

quarta-feira, 11 de abril de 2012

ESPERANÇA E FÉ

















Dizes: O meu caminho é muito duro,
Pesa-me aos ombros minha grande cruz...
Caminho pela vida, mas inseguro,
Não consigo ver nem o Bem nem a Luz!

Eu olho e penso: Eu sou diferente!
Vejo cargas que posso aliviar,
Atravesso a vida como penitente,
Procuro uma vida d'amor, levar...

Tudo depende da forma de lidar
Com a vida, como queremos seguir,
Sem lamentos... Pois é tempo de mudar
E tempo do nosso viver corrigir.

Mesmo se é duro o teu existir,
Sê positivo e tudo vai mudar.
Procura, na tua vida, dividir...
Com esperança e fé: Vais superar!

Modesto

PERFUME DA PAZ


















Hoje saí. Andei à tua procura.
Fui p'los campos, entre flores caminhei.
Ar primaveril, envolto em candura...
Olhei a paisagem, não te encontrei!

Andei sob raios brilhantes de candura
Que rompiam as nuvens que avistei.
Um calor ameno, cheio de ternura
M'indicava a sombra onde te deixei.

Carícias que incitam a loucura
Tu me fizeste, quando te encontrei!
Olhei nos teus olhos e suspirei...

Equilíbrio d'amor é formosura!
Sempre me amaste com ternura, eu sei.
És o perfume da paz a qu'aspirei!

Modesto

terça-feira, 10 de abril de 2012

PRIMAVERA FLORIDA























A Primavera desaba
Suave no meu jardim.
Ao nascer da alvorada,
Abre-se terno o jasmim.

As nuvens lá vão passando
Pelo jardim juvenil.
Mil mariposas voando
Às frescas chuvas d' Abril.

Beijam canteiro florido,
Voando de flor em flor...
Eu recordo agradecido
O meu jovial amor.

Hoje, Outono da vida,
Faz-me bem o meditar
Na juventude vivida
Qu'ainda me faz sonhar.

Modesto

segunda-feira, 9 de abril de 2012

REVELA-TE, SENHOR!


















Tu, que ao nascer do dia, foste chorado,
Pelas Mulheres que Te levavam perfumes,
Dá-me, agora, um coração renovado,
Que Teu Amor Ardente mude meus costumes!

Graças à Boa Nova do Anjo sentado
No Sepulcro, que indicou, como trovão,
Às Mulheres, de coração já sossegado,
Que fossem anunciar a Ressurreição!..

Tu que venceste e morte e o pecado,
Revele-Te a mim, como Ressuscitado!
Dá-m' a alegria daquela madrugada...

Revela-Te a mim, perdoa meu pecado,
Lava minh'alma e faz-me apaixonado
Dessa Ressurreição e Graça derramada!

Modesto

quarta-feira, 4 de abril de 2012

DOMINGO DE PÁSCOA


















De manhã, corre, ao Horto, Maria,
Encontra VIVO o Pai do Amor!
Depois do beijo, numa noite fria,
Enfoca-s'o discípulo traidor.

Maria viu um rosto que sorria,
Com Face iluminada de candura!
Sua Beleza e Sabedoria
Muda a aflição em sã ventura!

A correr, a mulher como criança,
Leva a notícia tão amável
Aos Discípulos cheia d'Esperança:

Ele vive! Boa Nov'importante!
Recordam a Bondade inigualável:
«Amai-vos como Eu»: É o bastante!

Modesto

6ª FEIRA SANTA


















Cinzenta manhã de triste julgamento
Do Inocente enviado aos Juízes!
Eis o Cristo que não prenderam no Templo...
E o povo lá vai às suas raízes!

O vento leva esta triste notícia:
Foi condenado o Mártir dos Tempos!
A plebe festeja com grande malícia,
Por o Divino Réu ir prós sofrimentos!

No alto Gólgota, tudo se anima...
A vitória fulge aos Fariseus,
De livre vontade, querem paixão, dor!

Vendo o Sofredor, a fé se reanima
Nos homens que lembram o Rei dos Judeus
Que sofre pelo Seu grande Amor!

Modesto

terça-feira, 3 de abril de 2012

A FÉ















Gente sem fé não pode compreender
Da vida a luta, da morte o segredo:
Só a Luz transmitida a cada ser,
Faz saber da História seu enredo.

A fé - claridade e alvorecer -
É alimento da alma desde cedo
De quem busca a verdade, o saber,
Com esperança, com amor e sem medo.

Ninguém vive sem ter uma sua fé:
No dinheiro, na saúde... na virtude,
Se for pessoa sã, serena e boa.

Porque a existência como é,
Reflecte a fé em sua magnitude
E é dada por Deus, que tud'abençoa.

Modesto


A FONTE DONDE JORRA O PERDÃO























Pregado de pés e mãos sem lutar,
Cravado na Cruz, és escarnecido,
Braços abertos... Com' é dolorido!
Consagraste  o Amor nesse Altar!

Quando, próximo do Teu expirar,
Outorgaste o perdão num gemido
E absolveste, com o fel bebido,
Os que Te 'stavam a crucificar!

Esquecido de Ti, com piedade,
Ao bom ladrão fizeste como filho,
Concedendo-lhe o Reino também!

Conhecendo bem a Humanidade,
Disseste a Maria: «Eis Teu filho»
E a João: «aí tens tua Mãe»!

Modesto

HO!... MUNDO! PRA ONDE VAIS?

















Mundo, Porque Me deixaste abandonado?
Eu Sou o teu Criador, o teu Pai Eterno!
Eu sofri tanto pra te livrar do Inferno...
E, pela tu' ambição, Fui Crucificado!

Continuas com teu ídolo e pecado
E ficas cego com o fulgor do moderno,
Vives no meio das nuvens negras d'Inverno
E matas cruelmente o fruto fecundado!

Virá um dia que teu fim atingirás,
Despertará, pra ti, a Luz da Alvorada,
Então, ouvirás esta voz: «Não matarás»!

Eu triunfei na batalha com Satanás!
Guiar-te-ei p'la obscura encruzilhada...
Na Minha Morada, Mundo, habitarás!

Modesto

segunda-feira, 2 de abril de 2012

POR NÓS, TE ENTREGASTE, SENHOR!























O Verbo de Deus desc'ao mundo já velho,
Sem se desligar de Deus que é Seu Pai.
Lançada a semente do Evangelho,
Entrega a vida, pró Calvário vai!

É um "amigo" que Te vai entregar
Aos Teus inimigos - Ó Meu Salvador!
E, Tu já sabendo, não te vais zangar,
Antes, dás-lhe o Pão Vivo do Amor!

Teu Corpo dás como Alimento Novo,
Teu Sangue, como Bebida Verdadeira!
Viverás pra sempre junto do Teu povo
Ligado a Ti, como ramo à videira.

Hóstia Santa, Penhor de Salvação,
Perene Manancial de Eterna Vida,
Ajuda-nos a vencer a 'scravidão,
Dá-nos força pra vencer a fadiga.

Ao Senhor Uno e Trino demos glória,
Cantemos em Seu louvor, sem estagnar!
A todo o Homem conced'a vitória
Da vida d'Amor, sem voltar a pecar!

Modesto


MISTURA DE DOR E ALEGRIA
















Toda a vida que vivi está comigo,
Tanto alegria, como tristeza, dor...
Memórias em verso que hoje digo:
São Natureza, beleza e amor.

Do real da vida quero separar
A noite obscura dum belo amanhecer.
Procuro o melhor prá alma s'amparar
E viver o bem melhor que merecer.

Não é engano: Hoje nada consigo,
Por estar cansado de tanta cicatriz.
A minh'alma é terreno de castigo,
Meus sentimentos perdem-se na raiz.

O meu corpo não deixa de ser pó!
Em cada dia, a noite também 'stá...
Eu sou livre mas com temporais de dó,
Reconheço qu'ando pra lá e para cá!

Sinto que esta vida vale tão pouco!...
Vov'o destino que me vem da raiz...
Por vezes, posso até passar por louco,
Mas 'stou convencido que vivo feliz!

Modesto