sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

SONHO

























O sonho é ver as coisas invisíveis,
Movimentos d' esperança e vontade,
Distâncias imprecisas, sensíveis
E desejo querido pela verdade.

É ardor firme no coração nascido,
Incêndio num coração disfarçado
Em rio de nev' e fogo convertido,
Choro dum rosto a correr desatado.

Sonho é fogo que passa brandamente
Que quis que se tornasse neve ardente.
Mas s' é neve, como queima com porfia?

É que frio tempera a tirania
Dum coração em chamas derretido
E que ainda pode ser convertido.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

INCÊNDIO VELOZ

Corre mais que um atleta, mais depressa E corre tão depressa como o vento... Atrás de si, fica a treva espessa: O ten...