terça-feira, 25 de abril de 2017

CONTANDO PELOS DEDOS

















Faço soneto a contar plos dedos
As sílabas da sua construção.
Catorze versos líricos enredos...
Catorze 'spinhos no meu coração!

Ponho nele o cetim dos arvoredos,
A cor das lindas tardes de Verão,
Faço dele a caixinha de segredos...
Tudo trancado pela minha mão!

Catorze lindas Catedrais vazias,
O silêncio 'smaga harmonias
Dos meus desejos vãos de perfeição...

Faço um soneto, oh! mãos esguias
A contar estrelas plas noites frias,
Nas minhas noites de meditação!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

INCÊNDIO VELOZ

Corre mais que um atleta, mais depressa E corre tão depressa como o vento... Atrás de si, fica a treva espessa: O ten...