Follow by Email

terça-feira, 4 de abril de 2017

A LUA E O POETA
















Lua de prata, poeta apaixonado
Qu' em delírios, versos de amor entoa,
Pelo seu brilho subtilmente inspirado,
Na harmonia de seus cantares em loa.

Mesmo que em seu âmago a dor lhe doa
E, em pranto, seu coração vê mergulhado,
Por entre dedos, a inspiração ecoa,
Até qu' a sorte do amor tenha voltado.

Poeta canta à lua, sua amada:
Dele a lua também 'stá enamorada
E entre brilhos consola-se, arredia.

Num silêncio descarado, adornada,
Ele espia-a até à madrugada
E inebria-se com sua poesia.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário