quarta-feira, 21 de junho de 2017

DIA DA REFORMA



















No dia que for deixado
Partir, depois de ter ido,
Vou ser vento libertado
E como um desvalido,
Plantar flores no meu prado
Num solo fertilizado
E dá-las ao oprimido.

Vou soltar as estribeiras,
Cavalgar nuvens d' idade,
Vou boiar nas corrdeiras
Dos meus rios represados...
Vou montar a liberdade
Em passeios de beldade,
Com pena dos atrasados.

Meus sonhos, pajens de ninfas,
Luzes, sombras sobre lagos,
Prados em flor, claras, tintas...
Mistérios abafados!
Vou apascentar o gado,
Com segredo bem calado,
Na paz d' ovelhas famintas,
 Vou pra vales bem ervados!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

ORIENTA-ME, ESTRELA DA MANHÃ !

Eu te procuro, doce estrela a manhã Que no lusco-fusco d' aurora 'stá desperta, Por vezes, no meio de nuvens c...