domingo, 12 de fevereiro de 2017

VOO DOLORIDO

















Sou pássaro ferido, voo lento,
Pois a vida partiu a minha asa.
E, mesmo assim, eu corto o vento
E vou voando, aos poucos, pra casa.

Voar mais alto, às vezes, eu tento,
Porém a força é curta e rasa.
Mesmo com a dor, um sonho invento.
Ai! Mas dói quando o sol me abrasa!

Um pássaro ferido, persistente,
Plana pelo céu e segue em frente,
Procurando sempre nova quimera.

Vou voando sempre num rumo certo,
Buscando um oásis no deserto:
O amor que cura e regenera!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

UM PAR DE ASAS

Se eu fosse águia ou cotovia Com liberdade plena à minha mão, De voar segundo a minha fantasia, De abrir as asas e ...