segunda-feira, 25 de novembro de 2013

OUTONO



















Chegou Outono em arrufos de vento.
As folhas desmaiam, embaladas p'lo ar
E vão caindo... caindo... em desalento,
Devagar, lentamente... no chão vão pousar.

O céu perdeu o azul, vestiu de cinzento,
Envolveu a neblina na luz do luar.
Caminhos atapetados cada momento,
Há o gemido das folhas a expirar.

O arvoredo acaricia seus ninhos,
O vento ciranda na curva das estradas
E eleva as folhas em redemoinhos.

O vendaval leva folhas secas em bando,
Aragem soluça entre as ramas curvadas,
Ouve-se arvoredo em coro chorando.

Modesto


Sem comentários:

Enviar um comentário

VENDO-NOS AO ESPELHO

O espelho não me diz que envelheço, Enquanto andar junto da mocidade. Mas as rugas vêem meu rosto impresso... J...