Follow by Email

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

NADA DE NADA
























O sabor acre do pranto
Tem o rústico das vinhas
E o êxtase do cântico
Das almas das andorinhas.

O amor dos namorados,
Enlace das almas gémeas,
Eflúvios perfumados
Dos canteiros d'alfazemas...

E entre o amor que vem
Ou o destino as atas,
Dizem que vem do além,
Murmúrio das cascatas.

Apesar dos desencontros,
Ofício das mal-amadas,
Nem seque há reencontros
Das almas desencontradas.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário