quarta-feira, 13 de novembro de 2013

OS PARDAIS DO MEU TELHADO
























Numa tarde, ao pôr do sol,
Nuvens ameaçam chover.
Os pardais com o arrebol,
Procuram onde recolher.

Quando olhei prós meus beirais,
Vi um 'V' neles desenhado:
Era um bando de pardais
Encostados no meu telhado.

Num pra lá e pra cá constante,
Com seu bonito chilrear,
juntam-se em bando cantante,
Sentindo mau tempo chegar.

E este bando de pardais,
Estão em grand ' excitação:
Pousam juntos nos meus beirais
A chilrear lamentação.

Da janela, entre arvoredo,
Outro bando vi abrigar.
Parece que perderam medo,
Soltando um lindo cantar.

Não entendi a decisão
E fui a janela fechar.
Mas foi grande a emoção
Acordar com belo cantar.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

AOS RAIOS DO LUAR

Nos belos raios do luar, floria Rosa ideal, resplendor d' Halade! Erravam fluídos de harmonia Pela etérea, branca cla...