quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

PELO ESPAÇO A NAVEGAR
















Viajante cansado, frio, desolado,
Entrei no meu barco e repousei da dor.
Procurei refúgio, me vi amparado,
Pelo suave aconchego do teu amor.

Pelos furos do telhado, via as estrelas
Maravilhosas, impossíveis de contar.
Nelas, o meu barco estendeu suas velas
E lá fui pelo espaço a navegar.

Entrei nas fortes e remoinhas correntes,
Voando, à procura de qualquer cais,
Puxando o meu leme com unhas e dentes...
Quis ficar ali, sem voltar nunca mais.

Mas, procurei, pelo céu, com tod'o furor,
Encontrand'um cais e nele quis entrar,
Quando te vi, corpo esbelto, bela flor,
Meu coração logo pediu pra m'amparar.

Aquele rico cais mitigou minha dor,
Fiquei feliz de pelo céu ir navegar:
Recebi os melhores abraços d'amor...
No 'spaço 'strelado, ficámos a morar!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

UM PAR DE ASAS

Se eu fosse águia ou cotovia Com liberdade plena à minha mão, De voar segundo a minha fantasia, De abrir as asas e ...