quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

OLÁ, TRISTEZA!























Vem, ó tristeza! Novamente m'acalenta.
És meu socorro nos momentos d'aflição.
Por enquanto, meu coração 'ind'aguenta
E minh'alma encontra em ti seu bordão!

Já muitas vezes tua visita m'embala
E vens transformar-te no ritmo do meu pranto.
Por enquanto, a minha boca não tem fala,
Mas a alma encontra em ti seu encanto!

Já outrora me ajudaste a viver
E ensinaste-me o caminho da verdade.
Mas quando vinha, à noite, a luz me ver,
A alma encontrava sua claridade!

Só a poesia a vida me faz amar,
Abranda com veemência a minha dor!
E quando meus olhos não podem mais chorar,
A alma encontra nela escudo protector!

Na tristeza, a poesia me conforta,
Transforma em júbilo o meu sofrimento!
E, quando a 'strada da vida parece torta,
A alma encontra nela entendimento!

É a poesia que minh'alma consola,
Mitiga o meu sofrimento desta vida.
E, quando tudo ao meu redor se isola,
A alma encontra nela sua guarida!

A poesia é da alma a liberdade,
S'o corpo do sofrimento se libertar...
Minh'alma quer ter alento, capacidade,
Meu corpo só tem motivos para chorar.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

AOS RAIOS DO LUAR

Nos belos raios do luar, floria Rosa ideal, resplendor d' Halade! Erravam fluídos de harmonia Pela etérea, branca cla...