quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

PASSEIO NA FLORESTA
















Manhã radiosa, límpida como esta
De céu azul e de sol tão brilhante!
Quem não ama a paz suave da floresta
Ao ouvir melódico gorjeio vibrante?

Sentir-se infiltrar na floresta bem lento,
É ouvir poemas d' amor em vozes calmas!
O arvoredo vibra às carícias do vento,
Como estranha fusão das coisas e almas!

Fruir do sossego e endémico remanso
Da boa natureza, da paz desejada,
É deixar-se conduzir por um sonho manso,
Apreciar o sol na neblina baixada!

Ouvir murmúrio alegre dum riacho
Correndo por um vale alpestre desnudo
A desaguar alegre num lago baixo
Muito azul, sob o céu pálido e mudo!

Ou usufruir duma protectora sombra
Longas horas, ver, em volta, tudo abstracto!
Ou estender-se sobre a fofa alfombra,
Onde canta com alegria um regato!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

TRAZER O "SER" LIBERTO

Da gota d' água dum carinho agreste Geram-se os oceanos da bondade. O coração qu' é livre e bom reveste Todo o...