terça-feira, 24 de janeiro de 2017

IREI MORAR NOS TONS DA ALVORADA



















Eu fugi do fogo incandescente
Onde a paixão expande fulgor
E vesti-me contrito, reverente,
Com gotas orvalhadas de amor.

O amor é singelo, mas candente,
O amor intenso de esplendor.
Muda coração duro, inclemente
No singelo nascer de uma flor.

O meu caminho prá eternidade,
Liberto das floreiras da vaidade...
Num lindo roseiral terei morada.

Eu irei florir, por santo alento,
Num bom lugar da cor do firmamento,
Na paz dos tons que há na alvorada.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

VENDO-NOS AO ESPELHO

O espelho não me diz que envelheço, Enquanto andar junto da mocidade. Mas as rugas vêem meu rosto impresso... J...