terça-feira, 10 de janeiro de 2017

COMO PÁSSARO FERIDO














Na minha juventude voava alto,
Quando a vida só tinha ilusões.
Agora, arrasto-me plo asfalto,
Em voos rasantes, rentinhos ao chão.

Foi um tempo lindo e foi bem vivido
Não havia frio nem lamentação.
Agora, sou como pássaro ferido:
Não voa, por mágoa no coração.

E, assim, vou seguindo o meu caminho.
Perdi o norte, não voltei ao meu ninho
Pra reviver o que tanto me apraz.

Tanto voo pró sul, como vou pró norte,
Sem estar à espera de nova sorte,
Basta-me viver com coração em  paz.

Modesto












Sem comentários:

Enviar um comentário

ORIENTA-ME, ESTRELA DA MANHÃ !

Eu te procuro, doce estrela a manhã Que no lusco-fusco d' aurora 'stá desperta, Por vezes, no meio de nuvens c...