quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

A FADA DA NOITE



















Breve momento, comprido dia
De incómodos, penas e cansaço,
Já me poss' entregar à poesia,
Mesmo com corpo alquebrado, lasso.

Janela aberta, à luz tardia
Com a lua a clarear o espaço,
Estrelas no céu numa noite fria,
Vejo a fada vir com leve passo.

Chegas! Teu ósculo me vivifica,
Já posso escrever, só do que fica:
Nas estrelas e lua tu flutuas.

Vais por etérea imensidade,
E meu verso pensado com saudade...
Ficam no papel saudades tuas.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

ORIENTA-ME, ESTRELA DA MANHÃ !

Eu te procuro, doce estrela a manhã Que no lusco-fusco d' aurora 'stá desperta, Por vezes, no meio de nuvens c...