Follow by Email

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

A ROSA DO MEU SONHO
















Pra apanhar uma rosa me debruço
No muro ao crepúsculo e não desço,
Vem aurora afogada em soluço
Abrilhantar a pena de que padeço.

A rosa foi o começo do percurso ,
Tinha na memória o que esqueço.
Seria o amor onde me embuço,
Ou o pólen de luz onde entardeço?

Ó rosa vermelha, ó minha calma,
Escrava da esperança que suponho,
Leva-me cativo na serena calma!

Não tens pena do risco que me imponho
Mesmo que ele liberte o meu sonho?
Fico cativo de quem me prend' a alma,,,

odesto                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                      

Sem comentários:

Enviar um comentário