Follow by Email

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

OS BONS CAMPESINOS
















Sobre as veigas e campos perfumados.
Estendem-se em véu as sombras sem calores,
E os denegridos cerrros escalvados,
Cingem. entretanto, vividos fulgores.

Enxad' ao ombro, em cismas mergulhados,
Voltam do campo os pobres lavradores.
Doces mugidos e cantos magoados,
Soam, pelo ar, bucólicos rumores.

Toam os sinos, doloroso acento,
De quando em vez, num brado lamento,
Geme uma prece, a gente suspira.

Cantam elegias votadas ao vento,
Saem da floresta com olhar em mira
Ao rei da luz que no poente expira.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário