sábado, 3 de setembro de 2016

SONETO PORTUGUÊS



















Este nobre poema dum tão sóbrio traço
Que, em seus lapidares versos musicais,
Traduziu as queixas de Petrarca a Tasso
Que dum amor funesto recolheu seus ais.

E foi para Camões o virtual regaço,
Onde derramou os seus prantos imortais
E verteu. Foi proscrito dos salões do Paço,
Por olho cativo, e amores fatais.

Voz portuguesa a alma lusa encanta.
Bocage o consagra, Antero levanta!
Dantesco arrojo d' alta inspiração!

Graça e beleza da forma e conceito
Cantam a embalá-lo como berço feito
Para acalentar sonhos do coração.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

ORIENTA-ME, ESTRELA DA MANHÃ !

Eu te procuro, doce estrela a manhã Que no lusco-fusco d' aurora 'stá desperta, Por vezes, no meio de nuvens c...