Follow by Email

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

PRIMEIRO DIA DE OUTONO

























O vento faz redondel nos pinheiros
E entra pelos galhos sem quebrá-los.
Espantam-se os bichos sorrateiros,
Corre forte um plantel de cavalos.

As flores retorcem-se nos canteiros,
As pétalas revoam nos seus talos,
Os vales enchem-se de nevoeiros
E o vento, aos poucos, vai levá-los.

A tarde cai em fria solidão,
A luz da lua mostra seu bordão
Qual tinta clara numa tela suja.

Mais cedo vem a noite, é Outono!
A serra dorme no leito sem dono...
Coaxam rãs, pia triste a coruja.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário