quarta-feira, 28 de setembro de 2016

NO TRONCO DA ÁRVORE



















Quando eu morrer, procur' árvore florida,
Cava-lhe no tronco, querida, meu caixão.
Quero aí repousar meu corpo sem vida,
Longe dos olhares, dentro da solidão.

Canta-m' o "requiem" com tua voz ferida,
Reza por mim, ao vento, tua oração.
Sej' o silêncio a lápide 'scolhida,
Pra este mundo, não há melhor inscrição.

E, um dia, quando a saudade, querida,
Vier, procura a árvore preferida,
Visita-me - talvez o troco 'steja são!

Farei cair , das alturas, flor colorida
Que ao parar na tua palma comovida,
Irá tomar a forma do meu coração!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

ORIENTA-ME, ESTRELA DA MANHÃ !

Eu te procuro, doce estrela a manhã Que no lusco-fusco d' aurora 'stá desperta, Por vezes, no meio de nuvens c...