MATÉRIA FINITA



















Aqui estou com a vida que me resta,
Com carne e ossos nesta estrutura
E feita de matéria que não presta!
E também... depois da morte, não tem cura.

O que há em mim a vida me empresta,
Como pão pla fome em amargura.
Dentro deste corpo é tudo uma fresta...
Amanhã espera-me a sepultura.

Fica o amor como traços da vida
E só irei quando for a despedida,
O amor ficou da minha existência.

Aqui estou no resto do meu ser
E o sol foi dando vida ao meu viver
Com felicidade, sublime existência!

Modesto

Comentários

Mensagens populares deste blogue

NASCESTE, FILIPA !

A VIDA TEM OUTRO SABOR

SALVEMOS O PLANETA