sábado, 1 de outubro de 2016

INGRATIDÃO















Eu trabalhei sem revoltas nem cansaços
No campo do amargor e solitude.
Senti dores? - Embalai-as nos meus braços,
Como alguém que embala a juventude.

Ascendi luzes, desbravei espaços
Aos olhos sem bondade e sem virtude.
Consolei mágoas, tédios e fracassos
E fiz a todos, todo o bem que pude.

Que o sonho deite bênçãos de ramagens
Pra me esconder das tácitas voragens,
Já que minh' alma nem sempre foi feliz.

Que nuvens soltas de distante ausência
Dos males que me deram sem consciência...
Apesar dos bons trabalhos que eu fiz.

Modesto


Sem comentários:

Enviar um comentário

SAUDADES, MÃE !

Vejo-te num anónimo jazigo Humilde, ond' a paz se nos revela. Erguida, junto dum ciprest' antigo, Contemp...