terça-feira, 4 de março de 2014

QUÂNTICA LOUCURA


















Debaixo dum véu de calma,
Uma luz faz com que veja,
No oculto de su' alma,
O qu' um poeta almeja.

Um poeta concebível
É um mago da loucura,
Ond' o eterno é possível
Na dimensão da ternura.

Entre sonhos e quimeras,
Vive no meio das flores.
Passa suas primaveras
Na esp'rança dos amores.

Com sua ansiedade,
Ferida que cura a dor...
Del' é a eternidade
Prá conquista do amor.

E com a alma repleta
Duma saudade qualquer,
Tem líbidos de poeta:
O coração da mulher.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

AQUI MOROU MEU REI

Aqui morou um rei quando, menino, Vestia um castanho algodão. A pedra da sorte do meu destino Pulsava junto ao meu cora...