domingo, 20 de novembro de 2016

SONHOS VAGUEANTES

























Os sonhos que sonhei sempr' acordado,
Sonhos que com meu sono não coincidem,
Na profunda brecha atormentado,
Meus versos aproveitam, incidem.

Conclusão inútil, inconclusiva
A que cheguei, depois de muitos anos:
Naveguei muitas vezes à deriva,
Sem rota, apesar duns portulanos.

No fundo, existe só a minha tampa
Onde m' abrigo do bicho papão
Que vai e volta e não traz meu pão.

Vagueio plas colinas dos delírios,
Aqui nesta cabana ond' acampa
A rosa dos meus sonhos que são lírios.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

AS FRAQUEZAS DA VIDA

Eu não sei se há algum fundamento Andar com a vida sem sintonia. A esperança levou-a o vento... Pois tudo tem que aca...