Follow by Email

domingo, 20 de novembro de 2016

SONHOS VAGUEANTES

























Os sonhos que sonhei sempr' acordado,
Sonhos que com meu sono não coincidem,
Na profunda brecha atormentado,
Meus versos aproveitam, incidem.

Conclusão inútil, inconclusiva
A que cheguei, depois de muitos anos:
Naveguei muitas vezes à deriva,
Sem rota, apesar duns portulanos.

No fundo, existe só a minha tampa
Onde m' abrigo do bicho papão
Que vai e volta e não traz meu pão.

Vagueio plas colinas dos delírios,
Aqui nesta cabana ond' acampa
A rosa dos meus sonhos que são lírios.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário