sábado, 12 de novembro de 2016

SIMPLICIDADE
















Eu vivi entre os humildes e pequenos,
Sempr' evitei o rico e o poderoso.
Meus dias foram sempre modestos, serenos,
Meus sonhos eram de tímido e medroso.

Eu nunca tive ambição de bens terrenos
nem desejo de nome ou posto honroso,
E agora, que já sou velho, muito menos,
Nunca, em moço, aspirei ao fausto gozo,

Olho - sinto na alma horror profundo -
Para os homens e as coisas deste mundo
Como para uma eterna palhaçada.

Todos os dias a doce paz eu bendigo,
Quando descanso no meu seguro abrigo
Da minha pequenez, que gosto, do meu nada.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

SONETO BEM CRIADO

Nestas linhas mal traçadas, Há um soneto partido E mágoas anunciadas: Ouve-se long' o gemido. Nas linhas, há al...