sexta-feira, 25 de novembro de 2016

O RELÓGIO DO DESTINO


















Um relógio no meu subconsciente
Toca no meu peito, dita meu destino,
Dá brilho à vida sem tempo dormente,
Faz-me voar como carrocei divino.

Vejo-o guiar, luzir à minha frente,
Qual áurea luz dum anjo paladino.
Abre portas, num mundo indiferente
E faz-me rei, como sonho de menino.

Se me assoma a mais erma solidão,
Vem tirar-ma o poder de sua mão...
Ando com ele e por ele sou levado.

Anjo bom - essa força que me conduz -
Põe-me no corpo o símbolo da cruz...
Vou seguir sua sombra e ao seu lado.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

INCÊNDIO VELOZ

Corre mais que um atleta, mais depressa E corre tão depressa como o vento... Atrás de si, fica a treva espessa: O ten...