segunda-feira, 16 de março de 2015

SILÊNCIO DA ESPERANÇA


















Se o silêncio se alastrasse
E as palavras ficassem guardadas...
Se o som em música se tornasse
Com canções lindas e bem preparadas...

Se as nossas bocas, por absurdo,
Não dissessem nada nem falassem,
O mundo ficasse mudo e surdo
E os amantes da verdade amassem...

Então, não ouviríamos os clamores,
Nem veríamos mais estes horrores,
Nem lamentos e choros das crianças!

E os ais vividos nas despedidas
Seriam curas prás nossas feridas...
Voltaríamos a ter esperanças!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

SAUDADES, MÃE !

Vejo-te num anónimo jazigo Humilde, ond' a paz se nos revela. Erguida, junto dum ciprest' antigo, Contemp...