QUANDO AS FALANGES PRENDEREM





















Virá um dia em qu' o punho vai tremer!
O que será de mim, quando chegar o fim?!
Meus poemas já não poderei escrever...
O que será de mim quando me vir assim?

Verei, então, os meus versos a morrerem:
Morrerá também a minha alma de poeta!
Como será quando as falanges prenderem?
Perco o bálsamo que me faz asceta!

Ainda não sei porque me chamam poeta!
Eu só escrevo saudades do meu viver
E as memórias amargas de atleta.

Tive uma vida linda, leve, quieta!
Faço poemas pra alegrar quem vier...
Sou solitário, absorto, sou... poeta!

Modesto

Comentários

  1. Este poema é uma meditação profunda e transcendente que leva o autor à perceção da sua finitude. Não Modesto, os seus pulsos podem tremer, as suas falanges podem até ficar presas, mas o bálsamo da sua alma perfumará para sempre cada verso que ficará prene nas lembranças de cada um de nós!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado, Raiana! Agradeço a sua generosidade e o seu altruísmo. Sabe, certamente, como é gratificante percebermos que há alguém que aprecia aquilo que criamos e gosta do que fazemos. É pena que sejam tão poucos a dizê-lo!...

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

NASCESTE, FILIPA !

A VIDA TEM OUTRO SABOR

SALVEMOS O PLANETA