Follow by Email

domingo, 21 de setembro de 2014

DO DIA PARA A NOITE

















Ao fim do dia exausto me vejo,
Abatido em noite estrelada
Que acolheu meu ardente desejo:
Dormir como criança fatigada.

Já acabei todos os afazeres,
Agora, deito-me no abandono,
Os sentidos deixam os seus queres,
Meu corpo quer afundar-se no sono.

A alma tem quem tome conta dela
E, em voo livre, vai flutuar.
Saiu em círculos pela janela,
O gosto p'la vida vai procurar.

Da vida breve, vem eternidade,
Coisas da vida, a vida dá,
O Ser Infinito dá-nos verdade
E o trabalho volta amanhã.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário