segunda-feira, 15 de setembro de 2014

INSTANTE DA EXISTÊNCIA




















O tempo é como vento,
Leva nuvens, deixa sonhos
Que duram pra lá do tempo
E com momentos medonhos.

Tempo... Silêncios guarda,
Mas acende a lembrança
E, na memória, grava
Tod' o tempo de criança.

Palavras ficam escritas
No silêncio dum olhar.
Aquelas que foram ditas,
Tempo-vento vai levar.

Palavras escrituradas
- Mágoas adormecidas -
São saudades bem vincadas,
Nas ausências 'squecidas.

Poema, brisa do tempo,
É brisa de temporal.
É agitação do vento
Em corrent' a fazer mal.

Em todo' o tempo que passa,
Sou momento corredio,
Fel que transbordou da taça,
Remoínho de um rio.

Sou tempo anoitecer,
Mas vivo com consciência.
Sou também amanhecer,
Instante da existência.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

O CORAÇÃO DO SER HUMANO

O coração de todo o ser humano Foi concebido para ter piedade, Pra ser doce no eterno desengano, Para olhar e s...