quarta-feira, 1 de março de 2017

"MEA CULPA"

















Ó montes altos, vales abatidos,
Verdes ribeiros de correntes rios,
Ora por largos campos estendidos,
Ora por baixos bosques sombrios!

Aqui, mais claro vejo repetidos
Meus males que eu julgo desvarios,
Tão mal emendados, quão mal sentidos
De pensamentos maus, baixos e frios!

Passei a mocidade sem proveito,
Antes, contra meu Deus acrescentando
Culpas sobre culpas que tenho feito!

Viver a velhice que 'stá chegando,
Se no Seu Sangue eu não for nadando...
Terei que viver em passo estreito!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

AS FRAQUEZAS DA VIDA

Eu não sei se há algum fundamento Andar com a vida sem sintonia. A esperança levou-a o vento... Pois tudo tem que aca...