sábado, 11 de março de 2017

AO AMOR DA MINHA VIDA




















Sinto-me cavalheiro com' outrora,
Quando te vi, donzela de meus sonhos.
Os tempos perderam-se pla história,
Nem saudosos, nem feios, nem tristonhos.

Meu amor - a distância não encerra
Aquela sensação dos anos dantes -
É muito mais imenso qu' esta terra,
Maior do que pensei, 'inda infantes.

O corpo parece velho, cansado,
O coração. porém, segue seu fado...
O tempo da passagem está perto!

Que eu possa, até ao fim, querida,
Dizer qu' és o amor da minha vida,
Sempre jovem no seu compasso certo!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

SAUDADES, MÃE !

Vejo-te num anónimo jazigo Humilde, ond' a paz se nos revela. Erguida, junto dum ciprest' antigo, Contemp...