quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

CAMPOS ONDE TANTO PASSEEI



















Campos por onde tanto passeei,
Sob o céu azulado de Agosto...
Não me importo já o que serei,
Se o meu ser é um sol quase posto!

Agora, nos campos é tudo branco,
Envoltos em terra, escuro mosto!
Onde imaginar - quero ser franco -
Só há limpeza do próprio rosto?

Foi-se Agosto, veio outro tempo
Que segue mutável como o vento...
Campos, pra mim sois sempre um encanto!

Vejo-vos degradados, no momento,
Campos que éreis meu contentamento...
Hoje só me ofereceis espanto!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

DESCANSO DUM SONHADOR

A cabeça pendida docemente Em sonhos do sonhador inquieto: É o sonho o seu bordão clemente E repousa num descanso discr...