Follow by Email

sábado, 20 de fevereiro de 2016

NO BRILHO DA NOITE

















À noite, o infinito se levanta,
Há luz do luar, pelos caminhos quedos,
A minha sensibilidade é tanta
Que até sinto o cosmos nos meus dedos.

Quebro a prisão dos meus sentidos tredos,
Ponha a minha mão, por fim, na garganta,
Estrangulo o mundo com os seus segredos
Que todas as coisa íntimas suplanta.

Ausculto, agarro, prendo e invado
O infinito e indeterminado
Nos paroxismos de super estesia.

E ouso transpor o átomo  mais rude,
Encho o espaço com plenitude...
Bela a noite fulgurante, mas fria!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário